Jeep Gladiator Overland 3.0 V6 CRD

Brincar aos cowboys

TESTE

Por Vitor Silva Mendes 03-12-2022 19:00

Fotos: Gonçalo Martins

Tem nome de lutador romano, mas toda a estética remete para a vida no rancho americano. Com quase 5,60 m de comprimento, o Jeep Gladiator é uma proposta diferenciadora no segmento, com aptidões inatas para oferecer momentos emocionantes de condução em todo-o-terreno.

A Jeep, depois de mais de duas décadas sem produto(s) na categoria, regressa ao mercado das pick-up, com modelo baseado na 4.ª geração do Wrangler que recupera nome com história: Gladiator – o original, fabricado de 1962 a 1988, baseava-se no Wagoneer e foi o primeiro veículo civil adaptado para uso militar (até então, como no caso do Jeep Willys, o processo era exatamente o inverso). Disponível fora do mercado norte-americano apenas no início de 2020, a viatura tem aptidões excecionais para o TT, vide ângulos específicos, sistema de tração integral com bloqueios de diferenciais, barra estabilizadora dianteira desconectável e 76 cm de capacidade de passagem a vau… Some-se a caixa de carga com 1,524 metros de comprimento que transporta 725 kg. E sob o capot, V6 3.0 Diesel com 264 cv.

A base é a mesma do Wrangler de 4 portas, com a mesma silhueta quadradona, característica inspirada no original veículo militar, de que herda pormenores de inspiração retro, como a enorme grelha com sete barras verticais e os faróis redondos bem simples, e o mesmo chassis de longarinas em aço, esticado em 40 cm na distância entre eixos. No comprimento, o Gladiator atinge descomunais 5,59 m, mais 70 cm do que a maior versão do Wrangler.

O motor, o único disponível para a Gladiator na Europa, é versão otimizada do V6 Diesel de 3 litros desenvolvido pela VM Motori, sobrealimentado por turbo de geometria variável para produzir 264 cv e 600 Nm.

À primeira impressão poderemos julgá-lo com músculo insuficiente para agilizar a considerável massa rolante de 2500 kg do veículo, mas em poucos quilómetros de teste se dissipa essa reserva. O 3.0 CRD não dispõe de eletrificação para melhorar a resposta a baixos regimes, nem motor/gerador para fazer regeneração de energia, mas em proveitosa associação a uma caixa automática de oito velocidades, a resposta é excelente, muito suave e imediata desde os regimes mais baixos.

De resto, a experiência de condução em fora de estrada é verdadeiramente esclarecedora dos méritos deste automóvel, sustentados em diversos componentes e tecnologias que permitem prestações elevadas e à vontade na transposição de obstáculos demasiado radicais ou trialeiros. As soluções são importadas de outras versões da gama, implicando bastantes componentes afetos ao desempenho da pick-up. Desde logo, nas suspensões com dois eixos rígidos Dana 44 de cinco ligações e com barras estabilizadoras na frente e atrás, que impedem que o eixo da roda perca o seu alinhamento quando o chassis está submetido a grandes forças laterais. O Gladiator tem tração integral inserível através do conhecido sistema Command-Track 4x4, que integra um diferencial central de repartição automática, com bloqueio e caixa redutora com uma relação de 2,72:1, a que acresce autoblocante traseiro.

O sistema opera em quatro modos de condução, os quais se podem selecionar no botão rotativo no centro da consola: 2H (tração 4x2), 4H Auto (tração permanente On-Demand), 4H Part-Time (tração temporária às 4 rodas) e 4L (tração às quatro rodas com redutoras).

O Gladiator dispõe ainda de tecnologia que permite a mudança de tração em andamento, sendo possível passar de 2WD para 4WD (relações de caixa altas) até à velocidade de 72 km/h. Em condições normais, o sistema Command-Trac opera com tração às duas rodas (2WD) e transfere 100% do binário para o eixo traseiro.

Mas, claro, de nada serviria esta parafernália de promoção de performances dakarianas sem devido upgrade estrutural do automóvel. Subida de nível desde logo refletida na distância ao solo esticada, para um mínimo de 25,3 cm (só a Ford Ranger Raptor oferece mais: 28 cm) e idêntica repercussão na altura de passagem a vau (76 cm). Mas também nos ângulos específicos de TT, com destaque para o de ataque (41º) e o de saída (25º).

Menos cidade, mais campo

O Gladiator tem tudo para se assumir como autêntico automóvel de culto, capaz de transformar qualquer viagem num exercício de afirmação de estilo. É um duro, como já não se fazem, imparável em off-road. Fiel ao velho espírito do antes quebrar do que torcer.

No reverso da medalha, os níveis de conforto do Jeep em piso liso não são muito referenciais. E o mesmo acontece para o comportamento dinâmico. A direção tem resposta lenta, vaga e muito desmultiplicada. As dimensões e peso do automóvel, associado ao longo curso das suspensões por eixo rígido, que são aliados no TT, em estrada pedem um tipo de condução defensivo.

Também não é propriamente silencioso.  Não que o motor seja demasiado barulhento, nada disso, mas a insonorização é pobre, mesmo que os materiais utilizados sejam de boa qualidade e a montagem do tablier e da consola central mereçam elogios pela solidez.

O Jeep Gladiator está disponível em dois níveis de equipamento: Sport e Overland.  A versão em teste, Overland, não descura a presença do sistema de infoentretenimento Uconnect, na mais completa e rica versão com monitor tátil de 8,4’’, com excelente definição gráfica, incorporando navegação 3D, ligações para smartphone e múltiplas informações ligadas à condução em todo terreno (género de tração engrenada, inclinação lateral, ângulo de direção), como também relativas ao estado da viatura e da mecânica (temperatura do líquido de refrigeração, caixa e óleo, pressão do lubrificante ou tensão da bateria). Note-se que, por outro lado, grande parte desta informação também é espelhada na zona central do painel de instrumentos, o que torna mais fácil a respetiva leitura.

A Jeep tem um automóvel altamente exclusivo no Gladiator, único no seu segmento na Europa, na estética e dimensões avantajadas. Não tem as credenciais desportivas da Ford Ranger Raptor, mas beneficia de um profícuo desenvolvimento técnico que o habilita a um desempenho extremamente eficaz em todo-o-terreno, com prestações elevadas, especialmente em areia e pedra solta. Todavia, esta conjugação de argumentos tem um preço muito alto.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE