Mercedes EQA 250

Eletrificar as bases

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 16-01-2022 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

A versão 100% elétrica do GLA tem direito a nome próprio e a distinta assinatura visual. EQA 250 é acesso ao mundo eletrificado da Mercedes, onde não poderia faltar o formato SUV. ‘Despachados’ 190 cv e (quase) 400 km de autonomia real. 

O EQA 250 é o modelo 100% eletrificado mais acessível no catálogo da Mercedes. Consciente de que este passo não é leviano, e não obstante o EQA ter sido arquitetado sobre o já conhecido GLA (plataforma MFA2 que tem servido de berço à família dos compactos da marca da estrela), a Mercedes deu-lhe vida própria, não apenas no nome (os modelos elétricos vão surgir com a sigla EQ), mas principalmente na estética.

As diferenças são bem notadas por quem com ele se cruzou nos dias deste teste. A grelha frontal fechada e as óticas (dianteiras e traseiras) ligadas por filamento em fibra ótica que acende aquando a abertura ou fecho de portas e ainda se acionada a iluminação exterior, totalmente em LED: fazem virar cabeças! As jantes fechadas de 18’’, desenhadas para o apuro aerodinâmico, e a sigla EQ no pilar ‘A’ contribuem para este sentimento de um carro... diferente. Mais futurista e com chancela ecológica.

Sob o capot, em posição rebaixada, está o motor elétrico de origem ZF, de 190 cv e 375 Nm, que tem de puxar pelas mais de 2 toneladas, com cerca de 500 kg entregues à bateria (alojada sob o piso e acoplada diretamente ao chassis) com 66,5 kWh de capacidade útil, admitindo carregamento rápido até um máximo de 100 kW. Em tomada doméstica serão precisas cerca de 30 horas para carga total.

Com estes dotes, o EQA tem o condão de rolar de forma particularmente silenciosa, em que até o habitual silvo do motor elétrico surge apenas de forma discreta nas acelerações, abrindo espaço para que se ateste uma menos cuidada insonorização aerodinâmica, surgindo ruídos de vento junto ao pilar A, na zona dos espelhos retrovisores.

Acionado o modo de condução Sport, as acelerações são lestas e a motricidade (tração dianteira) bem gerida pela eletrónica. Já em Eco, para preservar a bateria, a velocidade máxima fica limitada a 130 km/h e o acelerador fica com resposta particularmente... esponjosa e lenta. O tato do pedal de travão pede habituação e a distância de imobilização aferida em situação de emergência é algo alongada (pneus Bridgestone Turanza T005).

Tal como na maioria dos modelos elétricos, a condução quotidiana é marcada pela fluidez e pelo desembaraço da entrega instantânea de binário. Mas de reações sempre muito lineares e bem controladas, sem puxões ou elementos que perturbem o bem-estar ao volante, que se quer sereno.

A influência do peso

Não obstante os cuidados aerodinâmicos, o peso do conjunto acaba por ter influência direta na condução: nos consumos, que só baixam dos 18 kWh/100 km em cidade e a velocidades baixas constantes, subindo facilmente até aos 22 em ritmos moderados de autoestrada, pelo que aferimos autonomia média real de 380 km; e na dinâmica, vindo ao cimo alguma leviandade do eixo traseiro (multibraços) para deter os efeitos causados pelas transferências de massa mais bruscas, (bem) salvas pelo ESP. Tal tem origem num centro de massa algo elevado (é um sentimento constante na condução) que não permite à suspensão trabalhar com a máxima eficácia e a conseguir a melhor aderência transversal.

Assim, o EQA evidencia-se mais pela sua condução leve, confortável e silenciosa, tendo o condutor à disposição diversos graus regenerativos de efeito travão-motor controlados através das patilhas no volante. Existindo função Auto que tanto permite ao EQA deslizar em modo vela, como incutir fortes travagens autónomas mediante aproximação ao veículo da frente ou a zonas de inferior limite de velocidade. Estes elementos de condução preditiva (que ajudam a alongar a autonomia da bateria) são ainda complementados por sugestões de levantar o pé do acelerador, por exemplo, face à aproximação de rotundas ou cruzamentos.

A eletrónica acaba por ser um dos grandes trunfos do EQA, extensível do apoio dinâmico à apresentação gráfica dos dois painéis digitais de 10,25’’ (de série), multiconfiguráveis e de enorme riqueza e diversidade informativa,que compõem a instrumentação e a multimédia MBUX. A oferta de equipamento é muito justa face ao preço (de série, iluminação LED, aviso de ângulo morto, sistema de navegação, câmara traseira, sensores de parque e o sempre espetacular sistema multicolor de iluminação ambiente), podendo os conteúdos e o visual serem alargados através de várias linhas de personalização.

Esta adaptação de GLA para EQA obrigou à perda de 95 litros na mala, embora mantendo-se a versatilidade do rebatimento tripartido do banco traseiro. Atrás, a oferta de espaço é ampla, embora o assento seja demasiado plano e com pouco suporte para as pernas.

O EQA evidencia-se enquanto um cosmopolita SUVelétrico de faceta premium bem definida, cuja autonomia real a rondar os 380 km e a possibilidade de carregar até 100 kW permite encarar, sem receios, (confortáveis) viagens mais longas. O interior vanguardista é sempre uma boa companhia, tal como é bem-vinda toda a interação eletrónica, seja na gestão da condução preditiva, seja nas ajudas à condução. Tudo complementado por gráficos de elevada qualidade.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

MERCEDES EQA

250

Motor
Tipo Elétrico síncrono
Potência 190 cv (140 kW)
Binário 375 Nm
Bateria Iões de lítio
Capacidade útil 66,5 kWh
Tempo de carga (0-80%) 30m (100 kW)
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 1 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,463/1,834/1,620 m
Distância entre eixos 2,729m
Mala 340-1320 litros
Depósito de combustível -
Pneus F 7,5jx18-235/55 R18
Pneus T 7,5jx18-235/55 R18
Peso 2040 kg
Relação peso/potência 10,7 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 160 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,9 s
Consumo médio 17,7 kWh/100 km
Autonomia 424
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão -
Bateria 8 anos ou 160.000 km
Imposto de circulação (IUC) 0 €

Medições

MERCEDES

Acelerações
0-50 km/h 3,0 s
0-100 / 130 km/h 7,9/12,7 s
0-400 / 0-1000 m 15,8/29,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,3 s
60-100 km/h (D) 4,1 s
80-120 km/h (D) 5,2 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39,4/9,7 m
Consumos
Consumo médio 18,2 kWh/100km
Autonomia 380 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE