Suzuki S-Cross 1.4 GLX 4WD Hybrid 48V

‘Boost’ de eficácia

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 14-03-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

A adoção de tecnologia semi-híbrida reforça as qualidades racionais do ‘crossover’ nipónico, que consegue consumos reais pouco acima dos 6 l/100 km, mesmo contando com motor 1.4 Turbo a gasolina muito ‘despachado’ e sistema de tração integral.

A Suzuki é mais uma das marcas que está a aderir à extinção das mecânicas Diesel, estando a iniciar o obrigatório processo da eletrificação através da adoção de tecnologia mild hybrid e rede interna de 48V para estancar as emissões poluentes das mecânicas a gasolina – pelo menos enquanto não surgem verdadeiras novidades 100% eletrificadas ou outro género de hibridização, mais abrangente.

O processo começou com o Vitara, estende-se agora ao S-Cross e a marca nipónica já anunciou igual rumo para o atualizado Swift, sendo uma saída inteligente quando no catálogo do fabricante surgem apenas modelos já com alguns anos no ativo. Por isso, não será de estranhar que a base mecânica térmica seja a também já conhecida unidade 1.4 turbo a gasolina, alvo de muitas alterações técnicas, caso do incre- mento da taxa de compressão para 10,9, revisão no circuito de recirculação dos gases de escape e ajuste na sincronização do trabalho das válvulas. Tudo para elevar a eficiência térmica, de modo a poder receber de braços abertos a nova rede interna de 48V alicerçada na tecnologia mild hybrid (SHVS), alicerçada pela presença de uma máquina elétrica de 14 cv (10,2 kW) que funciona quer como gerador, quer como motor de assistência à unidade térmica nas acelerações e recuperações, alimentado por uma pequena bateria de apenas 0,38 kWh de capacidade (colocada sob o banco do passageiro), a qual é carregada apenas mediante o aproveitamento da energia em desacelerações, por efeito travão-motor.

Com este pequeno boost elétrico de 14 cv disponível para as mais exigentes solicitações de aceleração, a Suzuki pode conter a potência base do motor 1.4 turbo a gasolina, que assim desceu dos originais 140 para os agora 129 cv. Uma aparente perda de rendimento que não é percecionada – o que verificamos nas nossas medições, com valores que não ficam atrás da antiga versão de 140 cv – devendo ser interpretada como aumento de eficiência térmica.

Sendo um mild hybrid, o S-Cross não tem capacidade para rolar apenas em modo elétrico. Mas esta tecnologia confere ganhos reais na suavidade de utilização, mal se sentindo as constantes entradas em ação do start-stop (muito ajuda a reduzir os consumos em ambientes citadinos, como o atesta o dado no computador de bordo, que além de indicar o tempo de motor desligado, soma informação sobre a quantidade de combustível realmente poupado nessas paragens), fruto do gerador/motor estar ligado ao motor térmico por correia. Suavidade que se elogia quando em utilização em ambiente urbano, mesmo que o condutor tenha de lidar com uma caixa manual de 6 velocidades e não com uma transmissão automática...

O computador de bordo – embora monocromático e pouco apelativo, e com botão de navegação entre menus colocado no painel de instrumentos e não no volante, mais à mão, pormenores que indiciam a idade avançada do projeto S-Cross – também oferece a possibilidade de acompanhar os fluxos energéticos, quer de recuperação, quer do apoio elétrico. E tal é bem sentido, por exemplo, na forma linear e quase espontânea com que o motor a gasolina de desenvencilha dos baixos regimes, em particular naqueles momentos de arranque e circulação a velocidades baixas e moderadas, com trocas de caixa fluídas. Ou seja, todo o conjunto mecânico, além de conseguir consumos reais quotidianos na ordem dos 6- -6,5 l/100 km, funciona com total foco na suavidade e linearidade, algo que, por exemplo, será difícil (ou mesmo impossível!) encontrar num Diesel...

Mudando o cenário para autoestrada, o 1.4 turbo continua a trabalhar com bons modos, rodando quase sempre abaixo das 3000 rpm – o que ajuda a manter os consumos nos 6,5 l/100 km – sem que o escalonamento da sexta velocidade se evidencie demasiado alongado ou obrigue a reduções nas ultrapassagens e subidas.

Perante esta análise extremamente positiva de todo o novo conjunto mecânico, o embrulho S-Cross merecia carroçaria de conteúdos mais atualizados. Ainda assim, o trabalho da suspensão deve ser elogiado, quer pela capacidade de resistência à passagem por todo o género de pisos, quer pelo conforto e correto controlo de movimentos, face a um SUV que até permite verdadeiras saídas de estrada, uma vez que é dos poucos veículos deste segmento a poder contar com tração integral – a gama S-Cross também inclui versões de tração dianteira, mais acessíveis. O certo é que a tração 4WD não serve só para andar na terra, conferindo acrescida segurança dinâmica em estrada, em particular em pisos escorregadios, havendo programas (Normal, Snow e Sport) para gerir a entrega de potência.

A garantia de 5 anos ou 150 mil quilómetros e a campanha em vigor (desconto de 3700 €) ajudam a somar objetividade a esta compra racional.

O Suzuki S-Cross é concorrente direto do Nissan Qashqai e faz-lhe frente na análise de conteúdos objetivos, seja pela generosa oferta de espaço e versatilidade da bagageira, seja pela elevada dotação de equipamento de série, ou ainda por esta atualizada mecânica mild hybrid, assente no 1.4 turbo a gasolina assistido por pequeno motor elétrico, capaz de consumos realmente contidos e de desempenho muito sereno, que faz esquecer qualquer Diesel..

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

SUZUKI S-CROSS

1.4 GLX 4WD HYBRID 48V

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1373 cc
Alimentação Injeção direta, turbo
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 129 cv/5500 rpm
Binário 235 Nm/2000-3000 rpm
Transmissão
Tração Integral
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,8 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,300/1,785/1,585 m
Distância entre eixos 2,6m
Mala 430-1269 litros
Depósito de combustível 47 litros
Pneus F 215/55 R17
Pneus T 215/55 R17
Peso 1285 kg
Relação peso/potência 10 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 190 km/h
Acel. 0-100 km/h -
Consumo médio 6,2 l/100 km
Emissões de CO2 140 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 5 anos ou 150.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,14 €

Medições

SUZUKI

Acelerações
0-50 km/h 3,1 s
0-100 / 130 km/h 9,3/15,2 s
0-400 / 0-1000 m 16,5/30,5 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 5,8 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 5,8/7,9/10,0 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 9,0/10,8/12,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37,4/9,2 m
Consumos
Consumo médio 6,2 l/100km
Autonomia 758 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE