BMW 220d Gran Coupé

Coupé à moda do Século XXI

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 13-03-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Automóvel inédito na BMW, o Série 2 Gran Coupé persegue o sucesso do Mercedes-Benz CLA. Mais do que derivado de 4 portas do Série 1, trata-se de reinterpretação desportiva das berlina compactas que privilegia tanto o ‘design’ diferenciado como o prazer na condução JU

O conceito Coupé, tradicionalmente afeto a carroçarias de apenas duas portas, está a desaparecer aos poucos dos segmentos mais baixos, sobrevivendo apenas em contextos economicamente mais exclusivos... A falta de versatili- dade desse género de carroçaria perdeu força ao longo dos tempos, obrigando as marcas a reinventar- se e, também aqui, a casar conceitos, esticando as carroçarias, dando- -lhes mais portas, ao mesmo tempo que tentam manter a exclusividade do traço e as linhas mais fluidas e rebaixadas.

A Mercedes foi pioneira a desbravar o conceito (CLS, CLA e até entre os SUV, com GLC), abrindo portas para que outros se quisessem juntar a este grupo de exclusividade. Entre os segmentos inferiores, a BMW faz agora chegar o formato premium compacto Gran Coupé ao Série 2, modelo inédito na gama, que tem como base a também recentemente lançada geração do Série 1, apontando todas as baterias ao CLA da marca da estrela.

Gran Coupé, tal como acontece nos segmentos mais altos da BMW, representa uma alternativa ao mais tradicional formato sedan (cujas quotas de vendas, a nível global e entre todas asLmarcas, estão novamente a ganhar fôlego!), marcada pela imagem diferenciadora. Por exemplo, face ao Série 1 de que deriva, o 2 Gran Coupé preserva a distância entre eixos, mas a carroçaria é 14 mm mais baixa, com a tónica coupé acentuada na ausência de moldura nos vidros das 4 portas.

Assim, o aumento de 20,7 cm no comprimento face ao Série 1 (de 4,319 para 4,526 m) fica praticamente entregue à secção traseira, onde a presença do terceiro volume acresce vantagem de 50 litros à bagageira, que se apresenta com 430 litros.

Embora mais versátil que as tradicionais carroçarias coupé de 2 portas, o certo é que quer os acessos ao habitáculo quer à mala são baixos e estreitos. Se chegar aos lugares dianteiros não é problemático, já as estreitas portas laterais traseiras dificultam, por exemplo, a acomodação a pessoas de mobilidade reduzida ou mesmo à colocação de cadeiras para criança. O acesso à mala, em plano muito baixo, obriga a dobrar demasiado as costas, em particular para alcançar algum objeto que tenha ficado arrumado mais perto das costas do banco traseiro. Mas a BMW tentou dar a volta ao assunto com reforço do sentido prático, não esquecendo a possibilidade do rebatimento tripartido das costas do banco traseiro (40/20/40) com possibilidade de tal ser realizado através de comando colocado na bagageira, além de ter incluído piso duplo na bagageira, para melhor organizar é otimizar o espaço de carga. No banco traseiro, o espaço para pernas é suficiente, mas face ao Série 1 medimos menos 3 cm de altura entre assento e tejadilho.

Aposta na imagem e nas tecnologias

Mas será o estilo diferenciador da carroçaria de dimensões mais compactas que, por exemplo, um Série 3, que poderá gerar superior interesse neste 2 Gran Coupé. Para mais, com a hipótese de somar o visual e conteúdos da Versão Desportiva M presente na unidade testada (3850 €), com para-choques mais encorpados, frisos exteriores e jantes de maiores dimensões, já para não falar da especificidade de afinações da suspensão e direção, ambas de calibre desportivo. O interior (de imagem colada ao Série 1, ou seja, com múltiplas superfícies e várias arestas no tablier e portas, mas de qualidade comprovada pela robustez e total ausência de ruídos parasita) não foi esquecido aos cuidados desportivos desta versão, com forro do tejadilho em antracite, frisos interiores iluminados no tablier e portas (é possível regular e escolher entre várias cores), volante e bancos específicos. No caso dos últimos, podem ainda ser adotadas (520 €) quase baquets presentes na unidade testada.

A digitalização do habitáculo seduz pelo resultado ergonómico final e pela clareza com que as várias informações chegam ao condutor, quer tendo origem no sistema multimédia, quer as ligadas à condução (avisos de sinais de trânsito, limite de velocidades, etc.) que surgem no painel de instrumentos. Mas (quase) tudo o que está à vista obriga a investimento extra, caso do Live Cockpit Professional (2060 €) para que se obtenha o quadrante 100% digital da instrumentação de 10,25’’ e o monitor tátil de iguais dimensões do sistema operativo BMW 7.0. No entanto, preferimos controlar todas as funções do mesmo através do habitual comando rotativo à direita da alavanca da caixa. Os comandos vocais e gestuais nada têm de práticos ou intuitivos...

Com o Diesel 2 litros de 190 cv associado à caixa automática de 8 relações, este 220d ganha facilmente velocidade em todas as situações, com os diferentes modos de condução a permitir sensações distintas, em particular pelos ajustes na resposta ao acelerador – apenas o feedback da direção em Sport parece demasiado pesado. A função velejar está disponível quer em Comfort quer em Eco, contribuindo para consumos entre os 5 e os 6 litros aos 100 km.

A plataforma de tração dianteira contribui para o acréscimo de comodidade e estabilidade direcional em andamentos mais rápidos, mas perdeu-se a acutilância dinâmica e a forma incisiva do automóvel fazer-se às curvas. Além de que é preciso algum tento no acelerador para que o eixo motriz consiga gerir o binário deste Diesel...

Face ao 120d, a BMW pede mais 3200 € por este 220d Gran Coupé, maior e mais exclusivo. Na Mercedes-Benz, o CLA 220 d (concorrente direto) é proposto por mais 1600 € – partindo sempre de versões base para comparação. Mas os 47.000 € aproximam-se perigosamente do valor de arranque de um BMW 320d: 48.920 €... O certo é que o Série 2 Gran Coupé terá o seu cliente bem definido, apreciador de modelo mais compacto, desportivo e diferenciado.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW Série 2

220d Gran Coupé

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1995 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 190 cv/4000 rpm
Binário 400 Nm/1750-4000 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,526/1,800/1,420 m
Distância entre eixos 2,67m
Mala 430 litros
Depósito de combustível 50 litros
Pneus F 7,5jx17-225/45 R17
Pneus T 7,5jx17-225/45 R17
Peso 1580 kg
Relação peso/potência 8,3 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 235 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,5 s
Consumo médio 4,9 l/100 km
Emissões de CO2 128 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 224,93 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,9 s
0-100 / 130 km/h 7,6/12 s
0-400 / 0-1000 m 15,5/28,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,3 s
60-100 km/h (D) 4,1 s
80-120 km/h (D) 5,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 37/9,3 m
Consumos
Consumo médio 5,6 l/100km
Autonomia 892 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE