Audi A1 Citycarver 30 TFSI S Tronic

‘Armado’ em SUV

TESTE

Por João da Silva 29-11-2020 18:10

Fotos: Gonçalo Martins

Não faz qualquer sentido comparar a inédita variante Citycarver do Audi A1 com as propostas tecnologicamente avançadíssimas allroad que a marca alemã comercializa dos modelos A4 e A6. Isto porque as diferenças entre esta versão mais aventureira do citadino, face à proposta normal, resumem-se a 40 mm a mais na altura ao solo, uma solução que garante, segundo Audi, melhor acessibilidade e visibilidade, e a outros argumentos para arriscar caminhos menos académicos do que aqueles habitualmente percorridos, em condições normais, pelos citadinos. A Audi fala em «reforçar as capacidades offroad» – achamos excessivo, mas não levamos a mal: é o marketing a falar.

audi a1 lateralOra, o referido aumento da altura ao solo é conseguido com a ajuda da suspensão (35 mm) e das rodas de maior diâmetro (mais 5 mm), sendo que os outros elementos que transformam o A1 num (pseudo) crossover da marca dos anéis são a grelha singleframe octogonal de grandes dimensões com padrão em favos e acabamento em preto mate, a curta distância das rodas às extremidades do automóvel, as vias mais largas, as jantes de 18 polegadas (custam 1735 €) e ainda a proteção inferior dianteira com acabamento em aço inoxidável, as entradas de ar sob o capot e as proteções nas cavas das rodas e nas embaladeiras.

audi a1 interiorDe resto, é um A1 como outro qualquer, com capacidade para transportar cinco pessoas (atrás, o lugar central é desconfortável) e bagageira com 335 litros de capacidade, que pode crescer até 1090 litros com o rebatimento dos encostos dos bancos traseiros.

audi a1 habitáculoDe referir que, no Citycarver, o painel de instrumentos de série é digital e tem 10,25’’, mas a unidade que testámos tinha opcional Audi virtual cockpit (180 €), que acrescenta a possibilidade de alterar os ambientes de exibição da informação. O sistema MMI, de série, é exibido em ecrã tátil de 8,8’’ posicionado na consola central e é bastante simples de utilizar, apesar de o seu posicionamento ser demasiado em baixo, fazendo com que o condutor tenha que desviar demasiado o olhar da estrada.

Negativa consideramos ainda a escolha dos plásticos que compõem o interior, solução que diminui em muito o impacto premium que se espera de um automóvel com o emblema dos quatro anéis na grelha. A construção, por outro lado, é rigorosa. Não podemos deixar de referir, ainda, a pobreza do equipamento de série, sendo pagos alguns elementos que são já obrigatórios.

audi a1 motorPor baixo do capot deste A1 Citycarver 30 TFSI encontramos motor de 3 cilindros de 1 litro e 116 cv, acoplado, nesta unidade, à transmissão S Tronic de dupla embraiagem e sete velocidades. O casamento entre motor e caixa funciona bastante bem e permite condução fluida e sem esforço e com ruído bastante moderado. O carro que guiámos contava com o sistema Audi drive select (integrado no pacote Dynamic), que permite personalização dos modos de condução (são quatro, Efficiency, Auto, Dynamic e Individual) e dispunha, ainda, de atuador de som para sonoridade mais purista e suspensão com controlo eletrónico do amortecimento. No modo Efficiency, o mais económico, conseguem-se obter consumos particularmente comedidos, mas por outro lado nota-se alguma falta de alma na mecânica. Gostámos particularmente do modo Auto, que oferece um bom compromisso entre prestações e consumos. No final do nosso teste, apurámos média de 6 litros a cada 100 quilómetros, um valor razoável tendo em conta a boa disponibilidade deste 3 cilindros a gasolina.

audi a1 traseiraBastante elogiável é a condução desenvolta e leve do A1 Citycarver. O chassis é equilibrado e a direção, apesar de muito leve, revela-se precisa a ritmos mais fortes em zonas sinuosas. Não temos reservas em afirmar que se trata de automóvel divertido de conduzir, puxando-se bem pelos 116 cv do 1.0 TFSI. Por outro lado, a afinação algo firme da suspensão (e as jantes de 18’’) torna o citadino aventureiro demasiado sensível em mau piso (incluindo não asfaltado), prejudicando o conforto.

É mais imagem do que outra coisa qualquer. Mas essa abordagem é só uma consequência natural dos tempos que vivemos, em que a substância é desvalorizada. Contudo, há que elogiar o bom resultado estético do banho aventureiro aplicado ao A1, automóvel que convence pela condução fácil e divertida e, no caso particular da unidade testada, pela mecânica disponível e poupada, e ainda muito bem trabalhada pela caixa S Tronic. Nota final: preço muito elevado

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

AUDI A1

Citycarver 30 TFSI S Tronic

Motor
Arquitetura 3 cilindros em linha
Capacidade 999 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./12v
Potência 116 cv/5000-5500 rpm
Binário 200 Nm/2000-3500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática S tronic de 7 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo rígido
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,046/1,756/1,483 m
Distância entre eixos 2,566m
Mala 335 - 1090 litros
Depósito de combustível 40 litros
Pneus F 7,5jx17 - 215/45 R17
Pneus T 7,5jx17 - 215/45 R17
Peso 1245 kg
Relação peso/potência 10,73 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 198 km/h
Acel. 0-100 km/h 9,9 s
Consumo médio 6,1 l/100 km
Emissões de CO2 145 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos ou 80.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,26 €

Medições

AUDI

Acelerações
0-50 km/h 3,9 s
0-100 / 130 km/h 10,3 s
0-400 / 0-1000 m 17,5/32 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,1 s
60-100 km/h (D) 5,3 s
80-120 km/h (D) 6,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,3/9 m
Consumos
Consumo médio 6 l/100km
Autonomia 666 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE