BMW 840d xDrive Gran Coupé

Desportivo

TESTE

Por José Caetano 20-06-2020 09:30

Fotos: Gonçalo Martins

O Série 8 é o Gran Turismo da BMW. Originalmente, o fabricante alemão produziu-o na década de 1990, com motores de 8 e 12 cilindros a gasolina. Em 2018, após quase 20 anos fora da gama, reintrodução da série no catálogo da marca. Esta 2.ª geração substituiu o Série 6 e dispõe de três variantes, incluindo Gran Coupé que rivaliza com o topo de gama Série 7. O primeiro satisfaz mais e melhor os adeptos da condução, devido ao tato direto e às reações ágeis, enquanto o segundo privilegia o conforto de rolamento, o bem-estar a bordo e o luxo. Em simultâneo, o emblema ganha uma alternativa a Audi A7 Sportback, Mercedes CLS e Porsche Panamera.

O Gran Coupé baseia-se na mesma plataforma dos Série 8 Coupé e Cabrio, ambos com carroçarias de duas portas e configurações interiores de quatro lugares, mas os 5,08 m de comprimento, as quatro portas e os quatro ou cinco lugares diferenciam-no. O G16, nome interno do modelo, na versão 840d xDrive, associa motor de 6 cilindros e 3 litros a gasóleo, caixa automática de 8 velocidades, tração integral e sistema de quatro rodas direcionais. E somando-se-lhe uma mão bem cheia de recursos técnicos e tecnológicos valorizadores da dinâmica na condução, ganha-se uma berlina desportiva de referência!

Comparado com o Série 8 Coupé, o Gran Coupé é 25 cm mais comprido. O crescimento das dimensões beneficiou, integralmente, o espaço no habitáculo, a liberdade de movimentos nos bancos traseiros. O Série 8 não iguala a habitabilidade do Série 7, mas dois passageiros adultos instalam-se com conforto nos lugares posteriores, selecionando a configuração normal de 2+2 lugares, de série. Optando-se pela fórmula 2+3, o ocupante central sentar-se-á – e sentir-se-á! – apertado, devido à falta de centímetros em altura e largura e à falta de espaço para pernas, consequência direta do nível de intrusão do túnel da transmissão. Portanto, é alternativa que não recomendamos.

No Série 8 Gran Coupé, os ocupantes dos bancos posteriores contam com climatização dedicada, com regulação automática da temperatura e cortinas elétricas nos vidros ou óculo. Adicionalmente, se o automóvel estiver equipado com tejadilho panorâmico em vidro, também têm comandos para abertura ou fecho da cortina sob a metade traseira do teto, movimento que aumenta ou diminui a luminosidade no interior do habitáculo. A mala tem apenas 440 litros, mas admite-se o rebatimento dos encostos. Fazendo-o e dispensando um, dois ou três lugares, melhora-se a capacidade do compartimento. No demais, Gran Coupe decalcado do Coupé, vide bancos dianteiros e painel de bordo.

Na qualidade dos materiais e da montagem, o Série 8 é digno do estatuto de topo de gama. O cockpit tem desenho desportivo e apresentação muito valorizada por acabamentos que acrescentam luxo e sofisticação ao habitáculo do Gran Coupe. O condutor senta-se em posição baixa, otimamente. O banco tem apoios excecionais e regulações elétricas. De série, BMW Live Cockpit Professional com painel de instrumentos digital de 12,3’’ e monitor central de 10,25’’. Os dois admitem reconfiguração, mas somente o segundo é comandado de forma gestual, tátil e vocal. O sistema inclui geração nova do Assistente Pessoal do emblema alemão, que ativamos oralmente, com a expressão «Hey, BMW». O sistema multimédia também pode comandar-se no controlo rotativo iDrive instalado na consola central, ao lado do seletor da caixa e dos botões dos modos de condução (Sport+, Sport, Comfort, Eco Pro, Adaptive), que mudam os funcionamentos de vários sistemas do Série 8, da resposta do motor ao acelerador, do tato da direção à firmeza do amortecimento. Há, ainda, modo Individual para regulação independente da atuação de cada programa.

O chassis do 840d xDrive Gran Coupe é ótimo, mas a versão ensaiada ainda dispunha de recursos técnicos (opcionais) optimizadores da dinâmica na condução, nomeadamente o Pack Desportivo Tecnologia M com rodas de 20’’ – pneus mais largos no eixo posterior, maior capacidade de tração... –, travões desportivos (aumentam tanto a potência como a resistência à fadiga) ou diferencial traseiro exclusivo (melhorando-se a estabilidade e a motricidade nas mudanças súbitas de direção e em curva, progressos na agilidade, na precisão e na segurança). Soma-se-lhe a suspensão adaptativa professional que associa um programa ativo de controlo dos movimentos da carroçaria ao amortecimento eletrónico e à direção ativa integral (quatro rodas direcionais). É este combinado que explica o comportamento desportivo de GT que também devora quilómetros com conforto de primeira classe. O Série 7, na dinâmica, impressiona menos.

No 840d, mecânica de 6 cilindros e 3 litros com injeção direta, sobrealimentação turbo e sistema de descontaminação de gases de escape moderno. Os alemães, socorrendo-se de aditivo (AdBlue) que conta com depósito específico, garantem o cumprimento de normas europeias antipoluição mais restritivas.

Os números das vendas de automóveis eletrificados não param de aumentar, também na BMW, mas o peso dos Diesel ainda é muitíssimo relevante (o ano passado, representaram 10.678 dos 13.938 carros matriculados pela marca no nosso País – 76,6% dos registos)! O 6 cilindros impressiona mais pelo binário do que pela potência – 680 Nm disponíveis entre as 1750 rpm e as 2250 rpm garantem resposta (quase) imediata aos movimentos no acelerador, superfôlego responsável por arranques e recuperações contundentes. O motor de 3 litros caracteriza-se, igualmente, pelo funcionamento silencioso e isento de vibrações, duas qualidades que melhoram muito o bem-estar a bordo e a experiência de condução.

A ação da caixa contribui para esta capacidade! O sistema de 8 velocidades adapta-se à mecânica de 3 litros, aumenta ou diminui a velocidade de passagem das relações em função do programa de condução ativo, inclui controlo de arranque (Launch Control) e tem programa manual selecionado sequencialmente em patilhas no volante e no seletor na consola central. Durante o teste, média de 7,7 l/100 km, registo próximo do anunciado pela marca – eis vantagem da evolução do protocolo de homologação, do NEDC para o WTLP).

A BMW, com o lançamento do Gran Coupe, soma terceira variante à gama do Série 8 e passa a dispor de alternativa desportiva ao Série 7, berlina que privilegia mais o luxo, a sofisticação e o conforto de rolamento do que a dinâmica na condução. Desenvolvida a partir da base do Coupé, a berlina nova tem chassis com capacidades atléticas acima da média. O Diesel não tem a sonoridade excitante dos melhores motores a gasolina da marca da hélice, mas mais do que satisfaz as exigências dos adeptos da condução desportiva que valorizam, igualmente, o conforto de rolamento.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW Série 8

840d xDrive Gran Coupé

Motor
Arquitetura 6 cilindros em linha
Capacidade 2993 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./24v
Potência 320 cv/4400 rpm
Binário 680 Nm/1750-2250 rpm
Transmissão
Tração Integral permanente
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. multibraços
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 5,082/1,932/1,407 m
Distância entre eixos 3,023m
Mala 440 litros
Depósito de combustível 68 litros
Pneus F 8jx19-245/40 R19
Pneus T 9jx19-275/35 R19
Peso 2000 kg
Relação peso/potência 6,25 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 250 km/h
Acel. 0-100 km/h 5,1 s
Consumo médio 7,2 l/100 km
Emissões de CO2 186 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 258,78 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,1 s
0-100 / 130 km/h 5,5 s
0-400 / 0-1000 m 13,8/25,4 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 2,6 s
60-100 km/h (D) 3,2 s
80-120 km/h (D) 3,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 38,1/10,6 m
Consumos
Consumo médio 7,7 l/100km
Autonomia 883 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE