Hyundai Kauai Hybrid

Pezinhos de veludo

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 16-02-2020 14:30

Fotos: Gonçalo Martins

Ter na gama versões híbridas é cada vez mais um misto de moda com necessidade: é fashion ser-se ecologicamente correto, mas o certo é que os fabricantes estão cada vez mais sedentos de encontrar saídas e alternativas para o cumprimento das exigentes (e demagógicas...) metas ambientais inventadas por políticas que pouco ou nada parecem entender da temática – serão os atuais motores Diesel, o verdadeiro inimigo público número um, ou serão, por exemplo, os ainda milhões de veículos circulantes, dotados de tecnologias e mecânicas antigas, um dos perigos verdadeiros e mais realistas?

Enquanto os amigos elétricos, de zero emissões, não são ainda (algum dia serão?) solução viável (quer de produção, quer de utilização) as marcas precisam de atalhar caminho para fugir às tão pesadas multas que para brevemente se adivinham, tendo nos híbridos uma solução que possibilita (a custos controlados) reduzir as tão demoníacas (homologadas) emissões de CO2. É o que a Hyundai aplica no SUV Kauai, com esta nova versão híbrida a recorrer a solução conhecida no Grupo coreano, já presente quer no Ioniq, quer no Kia Niro: a junção do motor 1.6 GDi de 105 cv a unidade elétrica de 43,5 cv, alimentada por baterias de lítio de 1,56 kWh.

A estrutura técnica do Kauai permite instalar a bateria sob os bancos, em nada roubando espaço para ocupantes ou na zona da bagageira, mantendo esta os contidos 361 litros, mal aproveitada por uma zona de alçapão de que pouco ou nada serve devido à sua conceção. Por fora, além da sigla na tampa da mala, o Hybrid pode realçar da família Kauai pelo desenho atrativo das jantes de 18’’ ou ainda por esta tonalidade azul (Lagoon) em conjunto com o tejadilho negro, uma das 26 combinações possíveis.

A zona da instrumentação viu o conta-rotações tomado pela presença de um potenciómetro, com o ponteiro a indicar zonas de desempenho ecológico, entrega mais convicta de potência (em aceleração) ou recarga da bateria, através da energia recuperada via travagem ou meras desacelerações.

Sendo um híbrido normal, o Kauai pode deslocar-se apenas alguns metros em modo puramente elétrico, sendo até bastante difícil fazê-lo mesmo nos arranques mais dóceis e tratando o acelerador como uma pena, pelo que rodar elétrico é solução para manobras e pouco mais. De forma curiosa, é quando já embalado a velocidades medianas que o sistema mais facilmente desliga a unidade a combustão, conseguindo manter a velocidade circulante apenas com o pequeno motor elétrico. Todo o conjunto funciona com relativa suavidade e fluidez devido à presença da caixa automática de dupla embraiagem de seis relações, com a subida de velocidade a ser acompanhada pelo regime do motor, ao contrário do que acontece com as caixas do tipo CVT utilizadas, por exemplo, nos modelos da Toyota.

O Kauai Hybrid conta com dois modos de condução, sendo possível utilizar as patilhas da caixa no volante apenas se ativada a derivação Sport. O tato do travão é esponjoso (devido ao sistema regenerativo), obrigando a tempo de habituação. Rolando em modo puramente elétrico, a baixa velocidade, por exemplo, em manobras ou no pára-arranca citadino, o Kauai conta com sistema de som virtual (possível de desativar) para alertar os peões que algo muito silencioso se está mexer e a aproximar. Por outro lado, não existe botão que force o funcionamento puramente elétrico, como que denunciando a parca capacidade que o Kauai tem para o fazer.

No topo da consola central, o Hybrid diferencia-se dos restantes Kauai pela presença do mais recente sistema de infoentretenimento da marca, BlueLink, por intermédio de generoso monitor tátil de 10,25’’, de fácil e intuitiva navegação. São muitos e completos os menus relativos à condução, aos fluxos energéticos e aos dados relativos a consumos e utilização de energia. Por ali é também fácil averiguar que o Kauai Hybrid pede em troca de 100 km cerca de 5,5 litros de gasolina, tendo no pequeno depósito de 38 litros uma falha se e quando levado para viagens mais longas em autoestrada, onde o consumo sobe facilmente.

Porque, na verdade, esta é uma versão mais focada a quem faça uma utilização citadina, recolhendo os benefícios da presença da caixa automática e da suavidade na aceleração e circulação, fruto da entrega instantânea de binário por parte da secção elétrica da mecânica. 

Mesmo com os 141 cv anunciados, esta versão Hybrid do Kauai pouco tem de velocista, apostando, sim, na facilidade da utilização e contenção de consumos. Não sendo o exemplo máximo da poupança, os 5,5 l/100 km registados representam ganhos efetivos face à versão 1.0 Turbo a gasolina de 120 cv. Mas também há que ter em atenção o preço a investir, com o híbrido a ser cerca de 6000 € mais caro. Porque ser ecológico continua a ser caro...

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

HYUNDAI KAUAI

HYBRID

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha+motor elétrico
Capacidade 1580 cc
Alimentação Injeção direta
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência -
Binário -
Motor elétrico
Tipo -
Potência -
Binário -
Bateria -
Capacidade da bateria
Módulo Híbrido
Potência 141 cv/5700 rpm
Binário 265 Nm/4000 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Auto, dupla embraiagem, 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,165/1,800/1,550 m
Distância entre eixos 2,6m
Mala 361-1143 litros
Depósito de combustível 38 litros
Pneus F 235/45 R18
Pneus T 235/45 R18
Peso 1451 kg
Relação peso/potência 10,3 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 160 km/h
Acel. 0-100 km/h 11,2 s
Consumo médio 5,4 l/100 km
Emissões de CO2 122 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 7 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 15000 km
Imposto de circulação (IUC) 136,72 €

Medições

HYUNDAI

Acelerações
0-50 km/h 3,5 s
0-100 / 130 km/h 10,1 s
0-400 / 0-1000 m 17,2 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,8 s
60-100 km/h (D) 5,9 s
80-120 km/h (D) 7,6 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,6/8,9 m
Consumos
Consumo médio 5,4 l/100km
Autonomia 703 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE