BMW 745e iPerformance

Ora elétrico, ora gasolina!

TESTE

Por João Ouro 12-01-2020 13:40

Fotos: Gonçalo Martins

São arrebatadoras as sensações que o tremendo luxo que se experiencia a bordo do revisto Série 7 nos transmite, exacerbadas pelo revestimento integral a pele e os bancos Comfort, do tipo poltrona, ajustáveis eletricamente, com ventilação ativa, aquecimento e programa de massagens.

O único senão, quiçá, é a imensa coisa opcional escolhida na longa (e caríssima) lista de equipamentos, ainda que a elevada qualidade dos materiais aplicados seja standard para todas as versões. É óbvio que se está na presença de um automóvel exclusivo, cujas modificações o tornaram ainda mais aristocrático, também por culpa da revisão da imagem exterior, e desde logo pela maior dimensão da grelha e do logótipo no centro do redesenhado capot, além da inclusão de outros grupos óticos à frente (Laserlight por 1810 €) e atrás, estes com LED tridimensional e interligados por uma faixa refletora transversal.

Tão importante como estes aspetos foram as melhorias introduzidas nalguns detalhes, como por exemplo no reforço da estrutura isolante junto às cavas das rodas e a revisão do desenho das saídas de ar laterais (aerodinâmica), além do recurso a vidros laminados mais grossos (climáticos, por 1380 €) e para-brisas com espessura aumentada em 5,1 mm. Não é estranho, por isso, que o conforto acústico seja um dos domínios em foco deste BMW, valorizado ainda mais pela mecânica híbrida plug-in (745e iPerformance) a jogo, a qual propõe arranque elétrico quase sem ruído, sendo sempre bastante suave ao nível do funcionamento. Ao lado do luxo já descrito, talvez seja essa a matriz principal (e a grande qualidade) desta variante do Série 7, projetando a ideia de que o habitáculo está completamente imune aos ruídos vindos do exterior, como numa espécie de casulo, mesmo quando se conduz por estradas irregulares. À prova de bala! Essa avaliação tão meritória também se fica a dever às melhorias efetuadas no chassis e no conjunto da suspensão (adaptativa, pneumática) e ainda aos modernos sistemas de apoio à condução, neste caso com assistências inteligentes, tais como o cruise-control ativo com manutenção na faixa de rodagem, bastando tocar levemente no volante (muito levemente!) para que o sistema entenda que o condutor está a controlar. Fácil!

Nos aspetos ligados ao conforto destacam-se ainda os programas de relaxamento (Caring Car) que adaptam as luzes de ambiente, a música e a intensidade das massagens, de acordo com o ânimo, como se se estivesse num Spa. E há ainda outras mordomias invulgares, como os comandos por voz (Hey BMW!) ou por gestos, e no âmbito do sistema de infoentretenimento (monitor central de 12,3’’), bastando, por exemplo, rodopiar um dedo para aumentar o volume da música ou simular uma tesourada para mudar a estação de rádio. Divertido, mas não mais do que isso!

Atrás é ainda possível recorrer a um tablet para controlar várias funções, do tipo dono disto tudo, o qual se encaixa no apoio central de braços. À frente, na consola, há ponto de carga wireless para telemóveis e para a chave inteligente, a qual fornece alguns dados à distância, permitindo gerir remotamente a autonomia, os tempos de carga e/ou a climatização, entre outros elementos. Outra utilidade avançada é dada pelo sistema de navegação (Professional 7.0), que inclui a denominada previsão inteligente, informando o veículo das particularidades do trajeto previamente selecionado, adaptando assim a condução às circunstâncias e melhorando a eficiência, até porque existem estratégias (e vários modos de condução) para esse efeito. Mas, como é evidente, o caráter de exceção deste 745e reside exatamente na aplicação da tecnologia eDrive (híbrida plug-in), desenvolvida a partir dos modelos i da BMW (elétricos), adaptada a uma berlina de luxo com carroçaria Carbon Core, onde alguns elementos de carbono diminuem o peso, e isto apesar do valor total acima das duas toneladas.

Nada de mais, até porque a qualidade da condução e as prestações verificadas quase fazem esquecer esse pormaior, pelo menos a julgar pela força conjunta da mecânica (394 cv, no total), capaz de arremessar este Série 7 até aos 100 km/h em 5,6 segundos. E o que dizer das retomas de velocidade (60-100 km/h ou 80-120 km/h) à volta dos 3 segundos. Rápido, muito rápido, explicando até o impulso adicional (boost) que é dado pelo bloco elétrico (113 cv, colocado junto à transmissão automática Steptronic de 8 velocidades) à unidade térmica de 6 cilindros de injeção direta a gasolina (de 286 cv, com turbo de entrada dupla e sistema Valvetronic).

O desempenho é elevado (binário máximo de 600 Nm) e a gestão eletrónica do agregado mecânico garante uma condução bastante suave, de baixo ruído e confortável, onde se regista também a ação quase impercetível das passagens de relação da caixa. A resposta é imediata quando se acelera com veemência e tanto se pode optar pelo modo puramente elétrico (até aos 140 km/h) como pelo modo Hybrid, que é igualmente apoiado pela unidade elétrica, esta última alimentada por bateria de iões de lítio de 12 kWh (sob os bancos traseiros).

A assistência por parte do propulsor elétrico permite aliviar o motor a gasolina de 6 cilindros, baixando assim o consumo nas fases de maior solicitação, sendo possível escolher os modos Standard, ECO Pro, Comfort e Sport, além do EV inteiramente elétrico. Neste vale tudo, já se sabe, os consumos podem ser muito diferentes, tudo dependendo da atitude do condutor, o qual tem à sua disposição várias estratégias, incluindo a possibilidade de guardar e/ou aumentar a energia elétrica da bateria (modo Battery Control) para um dado momento e/ou trajeto, tratando-se de uma opção acertada para um eventual percurso citadino à posteriori, por exemplo, no qual é assegurada depois maior capacidade de recuperação da energia nas desacelerações e nas travagens.

Quando se passa para o modo Hybrid (ativado por defeito), a gestão é automática e a eficiência pode ser seguida nos ecrãs digitais de bordo, os quais têm menus específicos relativos ao fluxo da energia, à autonomia, aos consumos e à carga da bateria, embora não haja qualquer indicação acerca do consumo específico de energia elétrica (kWh), revelando-se uma falha estranha.

Em termos oficiais é apontada a média de 15,6 kWh por cada 100 km... O valor médio mais usual apontado pelo computador de bordo varia entre 4,2 e 4,4 l/100 km, após esgotar-se 100% da carga da bateria e no modo exclusivamente elétrico (EV), num percurso de 42 a 45 km, tendo em atenção que o modelo ensaiado tem jantes em liga leve de 20’’ com pneus Bridgestone Potenza (245/40 à frente e 275/35 atrás, opcional por 3050 €). Tudo conta e tudo está... ligado! Nesse contexto também é possível adiantar outras perspetivas de consumo efetivo, entre 7,7 e 8 l/100 km ou acima de 10 l/100 km, numa bipolaridade consentânea com a atitude do condutor e que não se estranha face à potência combinada. A suavidade da propulsão elétrica é impressionante, mas essa perceção não se altera com a ação do motor a gasolina, a que se junta o elevado conforto e a grande dinâmica. É surpreendente como um modelo deste tamanho digere traçados sinuosos, num equilíbrio que dá prazer e confiança, até porque o tato da direção é exímio e preciso (ativa integral por 1530 €), tratando-se de um estradista de... exceção. 

A tecnologia eDrive aplicada neste 745e iPerformance transita do desenvolvimento efetuado pela BMW nos modelos puramente elétricos com a etiqueta i. Neste caso, a propulsão híbrida é resultante da ação conjunta de motor a gasolina (2998 cc, 6 cilindros, de 286 cv) apoiado por unidade elétrica (113 cv) alimentada por bateria de iões de lítio (12 kWh). O funcionamento é gerido de forma inteligente e permite várias estratégias, sendo possível guiar de modo estritamente elétrico até cerca de 40 km. Às vezes mais, outras vezes menos, embora os consumos sejam baixos, tendo em conta o rendimento, apesar das variações. À parte disso, grande condução, ótima dinâmica e excelentes prestações, num Série 7 muito luxuoso e preço(s) abaixo dos Diesel 730d e 740d, por exemplo.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW Série 7

745e iPerformance

Motor térmico
Arquitetura 6 cilindros em linha
Capacidade 2998 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./24v
Potência 286 cv/5000-6000 rpm
Binário 450 Nm/1500-3500 rpm
Motor elétrico
Tipo Elétrico, síncrono permanente
Potência 83 kW (113 cv)/3170 rpm
Binário 265 Nm/2700 rpm
Bateria Bateria de iões de lítio
Capacidade da bateria 12 kWh
Módulo Híbrido
Potência 394 cv
Binário 600 Nm
Transmissão
Tração Traseira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. pneumática
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,3 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 5,120/1,902/1,467 m
Distância entre eixos 3,07m
Mala 420 litros
Depósito de combustível 46 litros
Pneus F 8,5jx19-245/45
Pneus T 9,5jx19-275/40
Peso 2070 kg
Relação peso/potência 5,25 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 250 km/h
Acel. 0-100 km/h 5,2 s
Consumo médio 2,2 l/100 km
Emissões de CO2 50 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 531,44 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,5 s
0-100 / 130 km/h 5,6 s
0-400 / 0-1000 m 13,7 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 2,5 s
60-100 km/h (D) 3,2 s
80-120 km/h (D) 3,1 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,5/9,2 m
Consumos
Consumo médio 4,2 a 8 l/100km
Autonomia 575 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE