Honda HR-V 1.5 i-VTEC

Equilibrado

TESTE

Por João da Silva 30-12-2019 12:35

Fotos: Gonçalo Martins

Apresentado em 2015, o HR-V recebe agora uma atualização de imagem, em que há a destacar, por fora, a nova grelha dianteira que apresenta a mais recente interpretação da filosofia de design «Solid Wing Face» da Honda e ainda mais alguns detalhes, nomeadamente as novas jantes e os farolins redesenhados.

Já o habitáculo, o SUV japonês exibe materiais de melhor qualidade, com profusão de revestimentos macios. Elogio merece, ainda, a grande solidez da construção, uma imagem de marca da Honda que é sublimada neste HR-V 2020. Igualmente importante no interior para aumentar o bem-estar dos ocupantes, aconteceu um reforço dos materiais isolantes em diversos pontos da carroçaria, e foi introduzido um sistema de redução de ruídos (Active Noise Cancellation), que atua através do sistema de som. Este sistema está apenas disponível nas versões mais equipadas. De resto, o modelo continua a oferecer imenso espaço e versatilidade, ou não tivesse permanecido o fantástico sistema funcional de Bancos Mágicos da Honda, que permite uma série de diferentes configurações dos bancos traseiros. que não rebatem apenas os encostos para a frente, ampliando assim a capacidade da bagageira; o grande truque destes bancos é que os assentos podem também rebater, para cima, em direção às costas, criando um espaço com 1,24 m de altura que é uma solução ótima para transportar objetos compridos e que não podem ser deitados de foma alguma, como um vaso com uma planta alta, por exemplo.

No que toca às mecânicas, a Honda disponibiliza três soluções para o HR-V: o Diesel i-DTEC de 1,6 litros e 120 cv, só disponível até ao final de deste ano, e duas unidades a gasolina: 1.5 i-VTEC com caixa manual de 6 velocidades ou CVT, e outra variante mais potente deste motor, i-VTEC TURBO com 182 cv (também disponível com caixa manual ou CVT), que só chega em outubro e recebe a designação Sport a que acresce interessante pack de estilo dinâmico, amortecedores desportivos e jantes em liga leve de 18 polegadas.

Testámos a mecânica atmosférica com 130 cv, a qual também passou por atualização, tendo recebido alterações que reduziram o nível de fricção entre os pistons e os cilindros, enquanto a transmissão conta com novo revestimento que reduz a fricção e o desgaste a longo prazo e que aumenta a eficiência do motor. E a eficiência é, realmente, um dos trunfos desta mecânica. Naturalmente que o resultado de 8,3 l/100 km que apresentamos como consumo médio não é valor fantástico, mas é preciso ter em conta o que proporciona em matéria de utilização. As prestações são só razoáveis, mas a condução é fluida, com o motor a desenvolver de forma suave, não se mostrando preguiçoso na generalidade das situações, salvo quando o terreno inclina muito desfavoravelmente. Aí, quase sempre há necessidade de de recorrer à caixa de velocidades para recuperar o vigor perdido.

A condução do HR-V é fácil, mas não ficámos totalmente convencidos com a capacidade de filtragem das ligações ao solo, pois embora o Honda parece-nos sofrer de sensibilidade excessiva quando confrontado com maus pisos ou na travessia de lombas sonoras e buracos. E as jantes não são assim tão grandes que justifiquem esse melindre.

Paralelamente, o HR-V mostra-se sereno e previsivel em curvas rápidas e ágil q.b. em viragens mais fechadas, ainda que mostrando inevitável rolamento (contido) da carroçaria. Contudo, o equilíbrio geral da condução deste SUV comprova-se com a reduzida intervenção do ESP, havendo a acrescentar louvor à direção pela forma como comunica com o condutor. 

Bastante mais barata que a vindoura versão equipada com o 1.5 i-VTEC Turbo, esta proposta do Honda HR-V com motor atmosférico oferece um bom compromisso satisfatório entre prestações e consumos, sendo que nenhum desses elementos é plenamente convincente. Mas mais importante no SUV japonês é mesmo a habitabilidade e respetiva versatilidade do interior e a volumetria da bagageira que o tornam num concorrente fortíssimo no segmento.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

HONDA HR-V

1.5 I-VTEC EXECUTIVE CONNECT NAVI

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1498 cc
Alimentação Injeção direta
Distribuição 2 a.c.c./16 v
Potência 130 cv/6600 rpm
Binário 155 Nm/4600 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,335/1,772/1,605 m
Distância entre eixos 2,61m
Mala 470-1533 litros
Depósito de combustível 50 litros
Pneus F 7jx17-215/55 R17
Pneus T 7jx17-215/55 R17
Peso 1241 kg
Relação peso/potência 9,54 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 192 km/h
Acel. 0-100 km/h 10,7 s
Consumo médio 6,7 l/100 km
Emissões de CO2 148 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 7 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 171,18 €

Medições

HONDA

Acelerações
0-50 km/h 3,4 s
0-100 / 130 km/h 10,3/16,9 s
0-400 / 0-1000 m 31,6 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 10,8 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 11,2/16,3/24,4 s
Travagem
100-0/50-0km/h 38,7/9,3 m
Consumos
Consumo médio 8,3 l/100km
Autonomia 602 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE