Toyota C-HR Hybrid Neon Lime

Mais cor e música

TESTE

Por Ricardo Jorge Costa 22-11-2019 09:05

Fotos: Gonçalo Martins

Se jovialidade e irreverência não bastassem à imagem do C-HR, a Toyota juntou as da cor de lima nesta edição especial limitada e agita-as ao som de música em alta fidelidade do especialista JBL, que se poderá escutar comodamente instalados em bancos revestidos a pele e alcantara. No resto, é o SUV compacto mais estilizado da marca japonesa, na versão híbrida, e também o mais dinâmico e divertido de conduzir. Tudo por 37.115 euros.

O C-HR sustenta estas qualidades na plataforma competente com ligações ao solo com regulação tendencialmente firme, para suster os movimentos oscilatórios da carroçaria elevada ao solo, e melhor do que a maioria dos congéneres da sua classe. Fá-lo penalizando a suavidade com que pisa o solo e, por consequência, o conforto, principalmente quando aquele não é tão liso como o (bom) asfalto. Acrescenta-se a direção bem assistida e o bom desempenho do sistema de travagem.

A motorização híbrida a gasolina, que associa bloco térmico de 1,8 litros e unidade elétrica que a auxilia na propulsão do veículo, mas assumindo-a, em exclusivo, por períodos breves e subordinados ao trato dócil no acelerador, não é para correrias desenfreadas.

A coisa agrava-se com o funcionamento arreliador da caixa automática de variação contínua (CVT), que ao ruído de arrasto que confere à mecânica em aceleração soma-lhe a retardação da resposta às solicitações do pedal do lado direito. A gestão do sistema híbrido permite selecionar entre três diferentes modos de condução (Sport, Normal e Eco), mas as diferenças são muito pouco percetíveis no seu desempenho.

É possível completar algumas centenas de metros em modo 100% elétrico, mas não é fácil fazê-lo mesmo carregando no botão EV, já que para tal a bateria tem de estar perto do seu estado máximo de carga, e há que pisar o acelerador como se estivéssemos de pantufas e sem exceder 58 km/h. Este módulo híbrido garante, acima de tudo, um ótimo compromisso entre prestações e eficiência energética (no consumo de combustível), em que pouco supera a barreira dos 5,5 l/100 km médios.

No interior, o ambiente condiz com o exterior. Design moderno, como é o sistema de infoentretenimento, com menus específicos para a condução híbrida em monitor tátil de 8” ligeiramente inclinado para o condutor. Menos distinta é a instrumentação com apresentação clássica e analógica. No resto, enorme sofisticação e qualidade de construção com o padrão da Toyota. Superfícies de tato suave, em pele, por cima do tablier, e também outra zona relativamente mole na faixa central do tablier, e aplicação de plástico com efeito de piano lacado na zona do monitor central e no volante. Na consola, entre os bancos dianteiros, está o botão para o acionamento do travão elétrico, a alavanca da transmissão e o botão para forçar o modo elétrico (EV).

O C-HR prefere egoisticamente o seu condutor, deprecia os passageiros, principalmente os que se sentam no banco posterior, afetados por um efeito quase claustrofóbico pelas formas protuberantes da carroçaria na zona do pilar traseiro e a descida abrupta do tejadilho nesta secção, que também prejudicam os acessos e saídas despreocupados à e da segunda fila de bancos. A bagageira tem formas relativamente geométricas e uma boa capacidade de 370 litros, mas também um degrau alto (16,5 cm) entre a boca de carga e o plano de carga, além de que quando se rebatem as costas dos bancos a zona de carga criada não é totalmente plana. 

A cor de lima é exclusiva desta série especial e única que se pode ter (aliás, porque a caracteriza) e pode não ser consensual, mas condiz bem com a imagem jovial, irrevente, quiçá igualmente chocante, do C-HR. Este apelo sedutor, embora menos vistoso, estende-se ao interior, valorizado pelos bancos em pele e alcântara e o sistema de som da parceira JBL.  

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

TOYOTA C-HR

Hybrid Neon Lime

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1798 cc
Alimentação Injeção eletrónica
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 98 Nm/5200 rpm
Binário 142 Nm/3600 rpm
Motor elétrico
Tipo -
Potência 72 cv
Binário 163
Bateria Hidretos metálicos de níquel
Capacidade da bateria 53 kWh
Módulo Híbrido
Potência 122 cv
Binário 142 Nm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática do tipo CVT
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Duplos triângulos
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,360/1,795/1,595 m
Distância entre eixos 2,64m
Mala 377 litros
Depósito de combustível 43 litros
Pneus F 225/50 R18
Pneus T 225/50 R18
Peso 1535 kg
Relação peso/potência -
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 170 km/h
Acel. 0-100 km/h 11 s
Consumo médio 3,8 l/100 km
Emissões de CO2 86 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 7 anos ou 160.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 15000 km
Imposto de circulação (IUC) 204,21 €

Medições

TOYOTA

Acelerações
0-50 km/h 3,9 s
0-100 / 130 km/h 11,5 s
0-400 / 0-1000 m 19,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 5,1 s
60-100 km/h (D) 6,7 s
80-120 km/h (D) 8,5 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39/9,1 m
Consumos
Consumo médio 5,6 l/100km
Autonomia 768 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE