DS 3 Crossback 1.2 Puretech 100 cv

Elitista irreverente

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 27-10-2019 15:05

Fotos: Gonçalo Martins

Se em Portugal são colocados à venda no mercado imobiliário apartamentos T1 com não mais de 20 m2 por 150 mil euros, só e apenas porque estão localizados em zonas nobres e mais in da capital, também a DS tem direito a colocar o DS 3 Crossback na fasquia dos 30 mil euros, só e apenas porque não existe outro modelo igual! Mesmo que sob o capot esteja não mais que a versão de 100 cv do bloco tricilíndrico de 1,2 litros, sobrealimentado e associado a caixa manual de seis velocidades.

O espírito do DS 3 Crossback é mesmo o de coqueluche, fundamentado no formato da moda, somando-lhe alguma irreverência na aparência e na atenção aos pormenores. Por fora ou por dentro, é por demais evidente a inspiração em linhas angulosas, que podem mesmo ser algo agressivas no interior, com demasiados losangos a dar forma a tudo o que seja comandos ou grafismos.

Não obstante o aspeto volumoso, entrar no 3 Crossback desvenda algumas surpresas no acolhimento, quer por o habitáculo estar todo ele posicionado num plano inferior, quer pela superfície vidrada (escassa) não contribuir para a sensação de espaço. Atrás, as costas do banco resultam algo verticais.

Se e quando presente o opcional de acesso mãos-livres, os puxadores de porta destacam-se da carroçaria mal pressintam a presença da chave por perto, para depois voltarem a incrustar-se nos painéis das portas – há situações em que esta tecnologia nem sempre resulta, em particular se já estiver alguém sentado ao volante com o motor a trabalhar, querendo os restantes passageiros entrar...

A posição de condução é baixa para um crossover, com alguns pergaminhos desportivos, que podem ser realçados pela variante de equipamento/acabamento Performance Line, onde pontuam as jantes negras de 17’’ e os revestimentos interiores que têm como mandatária a presença de Alcantara a forrar tablier e portas. Os bancos em tecido e pele são ótimos, o mesmo acontecendo com a pega do volante – nota mais para a qualidade geral deste crossover compacto, muito acima do que é conhecido nas restantes marcas da PSA.

Pelos 30 mil euros base, pedia-se a presença de mais alguns equipamentos de origem, caso do sistema de navegação em ecrã tátil de 10,3’’ – note-se que existem teclas de atalho para os principais menus, igualmente sensíveis ao toque, pintura bi-ton ou mesmo câmara traseira. Claro que tudo isto e muito mais pode ser somado ao preço final, como na unidade testada, em que o requinte, a tecnologia e o bem-estar dinâmico pode facilmente tocar na fasquia dos 35 mil euros. Destaque para o ótimo trabalho e visibilidade proporcionada pelos faróis dianteiros de matriz LED, adaptativos à luminosidade da estrada e à presença de outros veículos, não só comutando como também adaptando o feixe e para onde apontar as luzes de máximo.

Perante tal cenário de um quase exotismo cosmopolita, a motorização 1.2 turbo de 100 cv não destoa das pretensões dinâmicas do DS 3 Crossback, com vigor mais do que suficiente e resposta pronta nos regimes intermédios, em jogo bem coordenado com o correto escalonamento da caixa manual de 6 velocidades. Os consumos ficarão quase sempre abaixo da fasquia dos 7 l/100 km, pese alguma sensibilidade dos mesmos face ao aumento de ritmo. Porque, na verdade, as ligações ao solo e a colocação rebaixada do habitáculo parecem espevitar a veia dinâmica! A direção é certinha, a dianteira rápida, mas conte-se com a intromissão do ESP a tentar equilibrar as massas e a altura da carroçaria.

A variante de 100 cv do 1.2 turbo a gasolina é mais do que suficiente para que o SUV DS 3 não defraude as pretensões premium, além de ser a única forma de encaixar transmissão manual numa motorização a gasolina – versões de 130 e 155 cv só estão disponíveis com caixa automática. Já o preço está no patamar oposto da avaliação, sendo demasiado premium...

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

DS 3

Crossback 1.2 Puretech 100

Motor
Arquitetura 3 cilindros em linha
Capacidade 1199 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./12v
Potência 100 cv/5500 rpm
Binário 205 Nm/1750 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Manual de 6 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,7 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,118/1,791/1,534 m
Distância entre eixos 2,558m
Mala 350-1050 litros
Depósito de combustível 50 litros
Pneus F 215/60 R17
Pneus T 215/60 R17
Peso 1170 kg
Relação peso/potência 11,7 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 181 km/h
Acel. 0-100 km/h 10,9 s
Consumo médio 5,7 l/100 km
Emissões de CO2 128 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 20000 km
Imposto de circulação (IUC) 102,81 €

Medições

DS

Acelerações
0-50 km/h 3,5 s
0-100 / 130 km/h 10,9/18,9 s
0-400 / 0-1000 m 17,6/32,7 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 5,9 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 6,8/7,8/10 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 8,9/11,3/15,6 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,2/8,6 m
Consumos
Consumo médio 6,7 l/100km
Autonomia 746 km

Conte-nos a sua opinião 1

ComePita
28-10-2019 18:18

30.000 euros para um carro com 1.2 e três cilindros? a gastar 7 litros? Vão vender muitos...

TESTE