A versão M Sport X, também conhecida como versão desportiva M (5950 €) inclui visual marcado por aplicações em cinza que enfatizam conceito de ‘off road’ desportivo... Ambiente interior que varia ao ‘sabor’ dos extras e gostos, caso da pele que cobre o tablier ou qualidade dos frisos Chave com ‘display’ (270 €) pode ser carregada na base ‘wireless’ para telemóveis compatíveis (430 €) Entre o novo rol de suportes à segurança, o X4 pode reconhecer peões e até travar de forma autónoma, prevenindo atropelamentos Experiência de condução semi-autónoma: assistente que mantém o carro na faixa, e que também acelera e trava sozinho numa fila de trânsito O painel de instrumentos digital (297 €) é configurável; não só reforça o ambiente tecnológico, como acrescenta informação útil à condução Versão Desportiva M inclui ergonómicos bancos desportivos com ajuste elétrico da zona lateral Opcional Assistente de Estacionamento Plus (1050 €) inclui muito útil câmara que possibilita várias vistas e muito ajuda às manobras Durante os primeiros cinco anos ou 100 mil km, oferta de plano de manutenção básico, incluindo mudanças de óleo e filtro, filtro de ar e de combustível, etc. A traseira do novo X4 pode ser esteticamente discutível: ‘colou-se’ em demasia ao que a Mercedes fez no GLC Coupé e perdeu o vinco de originalidade do conceito inicial. Duas saídas de escape, de série, reforçam o impacto desportivo Muito espaço no banco traseiro e na generosa bagageira A iluminação exterior totalmente a cargo de grupos óticos LED, à frente e atrás, reforça a identidade visual do novo X4. A tampa da mala, de dimensões generosas, possui, de série, abertura e fecho elétrico

BMW X4 xDRIVE25d

Em X par, potência ímpar

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 02-02-2019 18:25

Fotos: Gonçalo Martins

O primeiro X4 esteve no ativo não mais do que quatro anos. Embora recolhendo os louros de ter sido o pioneiro dos SAC (Sport Activity Coupé) médios, a chegada do Mercedes GLC Coupé, modelo técnica e tecnologicamente bastante mais evoluído, obrigou a BMW a apressar o novo SUV Coupé, nascido sobre a plataforma do X3. Aliás, olhando com atenção para a traseira do novo X4, são bem visíveis os sinais de aproximação ao rival de Estugarda. O que podemos lamentar à originalidade do conceito inicial (que vendeu cerca de 200 mil unidades entre 2014 e 2018) e a uma relativa perda de identidade.

O certo é que o novo X4 tenta ir ao encontro das mais recentes premissas do cliente-tipo deste veículo da moda, que não dispensa mecânica vigorosa para dar vida a um (dos muitos) estilo de SUV que puxa pela vertente dinâmica. Por isso, acima da versão base 20d, com 190 cv, aconselhamos vivamente este 25d, de 231 cv, que custa apenas mais 1400 €.

Ambas as versões (20 e 25) partilham o bloco 2 litros turbodiesel, aqui otimizado com superior pressão de injeção e eletrónica apurada que ajudam a garantir o acréscimo de potência e binário, que inscrevem performances bem mais interessantes, com ganhos de 0,8 segundos na aceleração de 0-100 km/h que se alarga a 1 s nos primeiros 400 metros percorridos. Números que poderão não parecer expressivos, mas que na prática se revelam em desempenho mais agilizado e salutar, em particular na forma como o condutor consegue lidar com os mais de 1800 kg que o generoso porte do X4 acusa na balança.

Os 231 cv/500 Nm de binário do motor 2 litros turbodiesel têm na caixa automática de oito relações excelente aliado na exploração dos dados técnicos. E o estilo de condução é perfeitamente mutável e possível de adequar, mediante os diversos modos de condução, para mais contando-se com a opcional suspensão de amortecimento variável, na unidade testada. Ainda na orientação do capítulo dinâmico, as opcionais jantes de 20’’ (1160 €, somadas às de 19’’ que compõem a versão desportiva M) servem de suporte ao enorme potencial desportivo deste SUV. Até pode parecer contrassenso procurar-se sensações de condução ao volante de um veículo deste porte e conceito (se bem que a carroçaria esteja agora 3 mm mais baixa e 37 mm mais larga, proporções que vincam os intentos dinâmicos), mas o certo é que a BMW não foge às suas origens e conferiu ao X4 identidade própria à condução do irmão X3: a posição de condução é mais baixa e é sentido o inferior centro de gravidade, além da afinação específica da assistência da direção.

A já referida versão desportiva M soma ao potencial dinâmico o visual de off road desportivo, através de para-choques específicos ou elementos exteriores dominados por decoração em cinza, extensíveis à grelha dianteira. No habitáculo, conte-se com bancos não só mais envolventes como confortáveis, se bem que os manípulos dos ajustes manuais sejam ergonomicamente pouco práticos. A envolvência e qualidade percebida do habitáculo pode variar ao gosto dos opcionais pedidos, quer na cor dos revestimentos em pele, quer nos frisos da consola e porta, ou ainda pela possibilidade de revestir a zona superior do tablier com acabamento semelhante a pele (620 €).

O rol de novas tecnologias (que, recorde-se, como que ditam a nova geração X4, para se manter no topo da oferta do segmento), seja de suporte de infoentretenimento, com o monitor central tátil (monitor de 6,5’’ com resolução 800x400 de série, ganhando este de 10,25’’, 1440x540, com o sistema de navegação Professional, por 2370 € – a poder acolher função de controlo por gestos, por 270 €. Os úteis serviços ConnectedDrive, incluindo ligação à Internet, mail e aplicações de smartphone, são de série. Por 430 €, ponto de carregamento de telemóvel por indução, duas ligações USB de carregamento mais rápido e ponto de Wi Fi a bordo.

É neste ambiente de elevada sofisticação – se bem que decorrente da aquisição de diversos equipamentos extra – que a condução do X4 ganha superior encanto, somando-se o extenso rol de ajudas à condução, que funcionam de modo fluido, seja o assistente de direção para manter o veículo na faixa de rodagem, seja o acelerar/travar do cruise control adaptativo.

Com o painel de instrumentos digital (297 €), informação variada, útil e adequada ao modo de condução selecionado. Por exemplo, em EcoPro, mediante a integração com o sistema de navegação, o condutor é aconselhado a aliviar o pé do acelerador à proximidade de rotunda ou cruzamento. Igualmente de extrema utilidade e bem elucidativas são as informações de trânsito em tempo real (170 €). Assim, o condutor poderá escolher as vias mais livres para aproveitar as performances deste mais potente 2 litros Diesel ou até saborear o conforto que, agora, mesmo com jantes de 20’’, merece nota positiva. O X4 ficou mais completo e este 25d o ideal entre os 4 cilindros Diesel.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BMW X4

xDRIVE25d

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1995 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 231 cv/4400 rpm
Binário 500 Nm/2000 rpm
Transmissão
Tração Integral
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Duplos triângulos
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,1 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,752/1,918/1,621 m
Distância entre eixos 2,864m
Mala 525 - 1430 litros
Depósito de combustível 60 litros
Pneus F 7jx18 - 225/60 R18
Pneus T 7jx18 - 225/60 R18
Peso 1830 kg
Relação peso/potência 7,9 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 230 km/h
Acel. 0-100 km/h 6,8 s
Consumo médio 5,5 l/100 km
Emissões de CO2 145 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 255,71 €

Medições

BMW

Acelerações
0-50 km/h 2,4 s
0-100 / 130 km/h 7,4 s
0-400 / 0-1000 m 15,3 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,4 s
60-100 km/h (D) 4,9 s
80-120 km/h (D) 5,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36/9 m
Consumos
Consumo médio 7,7 l/100km
Autonomia 779 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE