Altura ao solo é de 19 cm (normal) com passagem a vau até 50 cm. Bons ângulos TT de ataque (25,2º), ventral (18,7º) e de saída (22,1º) Com novo chassis, menor peso e altura inferior, o Cayenne elevou a qualidade da condução face ao antecessor, através de vários ‘ajustes’ à dinâmica Bloco V6 em alumínio (2995 cc) inclui turbo de entrada dupla (’twin-scroll’) e sistema de admissão variável A posição ao volante está bem centrada, neste caso com ajuste elétrico em altura e alcance. O topo do tablier é forrado a pele, assim como a zona da consola central. Ecrã tátil de 12,3’’ A climatização tem vários canais/fluxos e diversos graus de intensidade, tudo controlado através do monitor tátil No ecrã central é possível selecionar os diversos modos de condução, assim como alterar o tipo de amortecimento (chassis) Botão no volante ativa o modo mais desportivo Sport Response de forma imediata. Ao rodá-lo também se acede às outras configurações A tração integral é controlada por modo eletrónico e através de embraiagem multidisco (junto à caixa automática) que varia a repartição entre eixos Para maior eficácia em TT há sistema de bloqueio do diferencial e 4 modos de condução: cascalho, lama, areia e pedras. Tudo suave! Bancos avançam e recuam; o espaço para as pernas é amplo, inclusive no que se refere ao comprimento até aos encostos da frente Os bancos forrados a pele (bege Mojave) têm formato desportivo, apoios de cabeça integrados e regulações por comando elétrico (18 vias, por 4022 €). As funções de aquecimento e de ventilação também têm custo extra: 449 € e 1045 €, respetivamente. É o preço do luxo e do elevado conforto que se experimenta a bordo O portão tem abertura automática (de série) com tecla no rebordo para fechar. O plano de carga está numa posição elevada e é prático

Porsche Cayenne

Dúvidas à parte

TESTE

Por João Ouro 02-01-2019 14:00

Fotos: Gonçalo Martins

Não é à toa que o Cayenne (2018) se parece mais com o Macan ao nível da condução, ambos excecionais para as categorias em que se inscrevem. A dúvida inicial até poderá recair no tamanho e nas eventuais necessidades familiares, além dos valores em causa, uma vez que o pequeno SUV da Porsche está disponível a partir de 73.830 €, sensivelmente 28.000 € abaixo do que a versão testada do irmão maior. É só fazer as contas, se for essa a questão que incomoda...

À parte disso, já se sabe que as mecânicas base são diferentes, uma vez que o Macan recorre a bloco de 4 cilindros de 245 cv, a gasolina (os Diesel desapareceram do portefólio da marca...), enquanto o Cayenne aparece com um bloco 3.0 de 6 cilindros em V (origem VW), associado à transmissão automática Tiptronic S de 8 velocidades, em vez da PDK de embraiagem dupla, esta última reconhecida pela maior rapidez em termos de resposta, quase inspirada na competição.

Para o Cayenne, a Porsche optou por outra tática, embora a caixa automática da ZF até consiga trocas rápidas q.b., além de passagens suaves a baixa e média rotação, sem hiatos ou arrastamento. Está calibrada para que o consumo não seja exagerado (velocidade máxima atingida em 6.ª), incluindo modo à vela (por inércia, 7.ª e 8.ª mais indicadas para autoestrada a baixa rotação) e start-stop inteligente que pode atuar logo a baixa velocidade, a partir de 7 km/h. Por vezes, a desativação do V6 é quase inoportuna, mas dá jeito para que se possa moderar o consumo, cujo intervalo comum se coloca entre 9,8 e 10,4 l/100 km. Essa média não é exagerada para um motor deste tipo, cuja respiração é natural (injeção direta, único turbo) e nada esforçada, tendo ajuste contínuo da admissão e sistema VarioCam Plus com abertura variável de válvulas. Face à maior pressão do acelerador, a resposta é imediata e as principais retomas de velocidade colocam-se num intervalo bastante estreito: entre 2,8 s e 3,9 s. Rápido, sem dúvida!

Se se tiver em conta o peso (próximo das duas toneladas) e o formato (a exigir maior cautela a estacionar...), então, esses registos são bastante apreciáveis, sendo difícil poupar elogios nesse domínio e no que se segue. E aquilo que se segue diz respeito à condução equilibrada e agora mais próxima da do Macan, sendo possível retirar ótimas sensações ao volante e ter imensa confiança no desempenho do chassis/carroçaria e das próprias suspensões (mesmo sem barras estabilizadoras ativas opcionais), inclusive a curvar, até por causa da precisão e do tato da direção. À Porsche, sem dúvida, e em especial se se configurar o programa Sport Plus mais radical (afetando direção, motor e caixa), em simultâneo com o amortecimento firme (também Sport Plus) regulado por tecla na consola, uma vez que a unidade testada incluía a denominada suspensão ativa PASM (por 1599 €). Tudo certo!

Com essa seleção e ajustes (sem que haja dureza excessiva...) pode ainda recorrer-se ao Launch Control (arranque automático) que é capaz de atirá-lo até 100 km/h em apenas 5,8 segundos (abaixo dos 6,2 s oficiais). Incrível!

Para travá-lo a partir dessa velocidade bastam 38,4 metros, o que também é bastante razoável às proporções. Fá-lo sem evasivas ou mergulho exagerado da dianteira e nem sequer há muito ruído proveniente dos Pirelli PZero (jantes RS Spyder de 21’’: 3573 €), que têm medidas diferentes à frente (285/40 ZR 21’’) e atrás (315/35 ZR 21’’), algo que acontece pela primeira vez neste SUV.

O conforto é elevado e para que o cenário fosse perfeito talvez se desejasse que o interior (de luxo, mas com vários opcionais) pudesse estar mais isolado. Ou melhor, ainda mais isolado, e que as suspensões tivessem outro comportamento em mau piso, atenuando-se as batidas secas em ressaltos do piso.

Chassis, suspensões e tração

A substância ou o ADN do novo SUV da Porsche poderá explicar a fórmula bem sucedida no que à dinâmica diz respeito. Eis as partes essenciais: plataforma MLB Evo do grupo VW (do Audi Q7, Q8 e Lamborghini Urus, por exemplo), grande parte dos componentes em alumínio (47%), tais como capot, portas, tejadilho, portão da mala e painéis laterais da carroçaria, além da utilização de aço de elevada resistência e suspensões multibraços em ambos os eixos, incluindo subchassis dianteiro de alumínio. Em média, o peso diminui entre 55 e 65 kg, este último valor apontado à versão S de 2,9 litros e 440 cv (biturbo, a partir de 119.454 €), posicionada abaixo do Cayenne Turbo com motor V8 biturbo de 549 cv (desde 188.582 €). Para os mais exigentes, certamente!

Quanto à versão base em teste (3.0 V6) e de entrada na gama, a tração também é gerida por forma eletrónica, através de embraiagem multidisco encaixada junto à transmissão. Em situações normais atua atrás a 100% (ou quase), variando automaticamente consoante as exigências (até ao máximo de 50:50), sem se excluir bloqueio de diferencial no off-road, ambiente para o qual até está bem preparado através de modos específicos e ângulos TT adequados.

Resta dizer que no capítulo da segurança não há falhas ao nível dos equipamentos, inclusive com iluminação LED (médios e máximos, embora o mais avançado sistema PDLS seja opcional) e vários dispositivos eletrónicos de ajuda à condução, tais como alerta de mudança de faixa (correção de trajetória incluída) e cruise-control adaptativo, além do aviso de ângulo morto e reconhecimento dos sinais de trânsito.

A visibilidade a partir do lugar do condutor é correta, mas os pilares à frente são grossos e a câmara atrás é opcional obrigatório; custa 701 € e poderá evitar alguns dissabores num modelo tão caro. Dúvidas? Possivelmente, só essa...

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

PORSCHE CAYENNE

Motor
Arquitetura 6 cilindros em V
Capacidade 2995 cc
Alimentação Injeção direta, turbo, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./24v
Potência 340 cv/5300-6400rpm
Binário 450 Nm/1340-5300 rpm
Transmissão
Tração Integral (ativa)
Caixa de velocidades Automática, 8 vel., Tiptronic S
Chassis
Suspensão F Ind. multibraços
Suspensão T Ind. multibraços
Travões F/T Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,1 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,918/1,983/1,696 m
Distância entre eixos 2,895m
Mala 770 - 1710 litros
Depósito de combustível 75 litros
Pneus F 8,5jx19 - 255/55 ZR19
Pneus T 9,5jx19 - 275/50 ZR19
Peso 1985 kg
Relação peso/potência 5,83 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 245 km/h
Acel. 0-100 km/h 6,2 s
Consumo médio 9 l/100 km
Emissões de CO2 205 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite km
Pintura/Corrosão 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 678,43 €

Medições

PORSCHE

Acelerações
0-50 km/h 2,4 s
0-100 / 130 km/h 5,8 s
0-400 / 0-1000 m 14/25,5 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 2,8 s
60-100 km/h (D) 3,1 s
80-120 km/h (D) 3,9 s
Travagem
100-0/50-0km/h 38,4/9,8 m
Consumos
Consumo médio 9,8 l/100km
Autonomia 918 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE