Volvo V60 D4

A boa mania das grandezas

TESTE

Por Vítor Mendes da Silva 22-09-2018 10:43

Fotos: Gonçalo Martins

No ano passado, a Volvo vendeu número recorde de automóveis (571.577, incluindo 35.503 V60), mas mantém-se distante do objetivo-2020: 800.000 unidades. Para a ambiciosa meta, depois do lançamento da linha 90 no topo de gama e do arranque da carreira comercial do XC60, o SUV que detém o título de best-seller da marca propriedade da chinesa Geely, aí está reforço fundamental: a 2.ª geração do V60, para concorrer em categoria que é das mais importantes e competitivas para fabricantes premium, ao lado de verdadeira armada germânica: Audi A4 Avant, Mercedes-Benz Classe C Station ou BMW Série 3 Touring.

Não são necessários muitos quilómetros ao volante da nova V60 para percebermos que devemos dividir este diário de bordo em dois temas principais, que até podem parecer antagónicos: a condução propriamente dita e, o que efetivamente mais importa em automóveis com este formato familiar, funcionalidade, modularidade do interior e espaço. Pode um automóvel que cresceu num pulo valente em praticamente todas as direções apresentar credenciais dinâmicas ainda mais interessantes e apuradas que as do modelo que substitui? A Volvo, com a nova geração da V60, explica-nos que sim.

A nova carrinha de origem sueca vem substituir automóvel lançado em 2010, com 4,76 m de comprimento, possui a mesma arquitetura técnica de XC90, S90, V90 ou XC60 (plataforma Scalable Product Architecture). Registando-se aumento significativo das dimensões (a carrinha que sai de cena tem só 4,64 m…), não é difícil antecipar-se progresso na habitabilidade e na capacidade da mala, qualidades reivindicadas pelos escandinavos.

Face à anterior V60, automóvel com qualidades, mas alvo de críticas no que respeita a habitabilidade ou a capacidade de carga, a nova carrinha cresceu em comprimento (12,8 cm) e em largura (16 mm), movimentos que traduzem um aumento de espaço para pernas no banco traseiro e, ainda mais notado, assinalável incremento da volumetria base da bagageira, agora de 529 litros, mais 99 litros que a geração que sai de cena. Assim, Volvo à frente de toda a concorrência mais direta: Audi A4 (505 litros), BMW Série 3 (495 litros) e Mercedes-Benz Classe C (490 litros).

Na mala, mais funcionalidades à vista, algumas decalcadas a papel químico do primo maior V90 que lhe serve de inspiração, também para a imagem elegante e muito sofisticada da carroçaria com bagageira de dimensões XXL, comprida (rebatendo-se os bancos são quase 2 metros de comprimento até às costas dos bancos dianteiros) e muito larga, com ótimo acesso (funcionamento elétrico da tampa da mala com recolha automática da chapeleira na lista de opcionais: Versatility Pack, por 450 €, incluindo tomada 12V e rede de separação da carga).

Já no posto de condução, primeiro apontamento para a qualidade dos materiais e da respetiva montagem, que estão em alta. Não destoam dos da concorrência premium. Já o desenho do painel de bordo merece ser estudado ao detalhe, porque agrada pela simplicidade e sobriedade da decoração, e pelos muitos pormenores de originalidade e bom gosto. Vide o estilizado botão de ignição na consola entre os bancos dianteiros, à imagem do controlo dos modos de condução que é um pequeno cilindro prateado; o monitor tátil de dimensões avantajadas, do tipo tablet, dominante na consola e que comanda mil e um equipamentos: navegação, áudio, telefone, aplicações, etc… Sublinhe-se que, à imagem do que acontece com toda a concorrência mais direta, para se ter um V60 com este elogiado nível de acabamentos, com bancos, volante e alguns painéis no tablier forrados a pele costurada, só mesmo investindo neste nível de equipamento mais elevado, Inscription. Mesmo assim, itens como o head up display ou a útil câmara de 360º para ajuda ao estacionamento integram a lista de opções pagas. De série, destacamos a presença do alerta e travagem automática em situação de acidente iminente e ainda o aviso para eventual saída de faixa. Riscado desta lista fica o cruise control adaptativo com Pilot Assist (custa 580 €), capaz de manter a carrinha entre as faixas marcadas no alcatrão de forma quase autónoma, até aos 130 km/h.

O recurso à referida plataforma SPA é a resposta para credenciais dinâmicas que desconhecíamos na carrinha nórdica. Entre os trunfos, evolução grande nos níveis de conforto com pisar muitíssimo bem filtrado, mesmo com unidades equipadas com jantes de 18’’. E pulo gigante na qualidade do feedback que consegue agora transmitir, graças ao tato ligeiramente pesado da direção, do agrado daquele tipo de condutor que gosta de sentir o carro nas pontas dos dedos.

A posição de condução é excelente, o que ajuda a retirar o melhor partido de trem dianteiro que parece agora conseguir farejar as trajetórias de forma muito mais rigorosa e segura.

Sob o capot está o enérgico turbodiesel de quatro cilindros e 2 litros, com 190 cv, de origem caseira, que é uma mecânica plena de virtudes, nesta unidade em teste complementada por proveitosa associação a caixa automática de oito velocidades na versão D4 Geartronic.

O primeiro grande elogio vai para a enorme suavidade do motor, tanto na forma como responde às solicitações do acelerador, como pelo facto de quase não chegar ruído ao interior, sendo até difícil perceber que se trata de uma viatura equipada com motor Diesel, conduzindo-se a velocidades de cruzeiro.

A transmissão automática Geartronic (de 8 relações) tem já concorrência (muito!) feroz no mercado, mas entende-se às mil maravilhas com o bloco de 4 cilindros de 190 cv, existindo sempre binário disponível acima das 1500 rpm.

E todas as aferições que compõem o nosso protocolo (como se vê na própria ficha técnica) provam esse músculo, com registos notáveis, sobretudo, ao nível da elasticidade (40-80 km/h em pouco mais de 3 s, é obra!).

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

VOLVO V60

D4 INSCRIPTION GEARTRONIC

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1969 cc
Alimentação Injeção direta CR, TGV, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 190 cv/4250 rpm
Binário 400 Nm/1750-2500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,761/1,850/1,433 m
Distância entre eixos 2,872m
Mala 529-1441 litros
Depósito de combustível 55 litros
Pneus F 7jx17-225/50 R17
Pneus T 7jx17-225/50 R17
Peso 1739 kg
Relação peso/potência 9,1 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 220 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,9 s
Consumo médio 4,7 l/100 km
Emissões de CO2 125 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 2/8 anos
Intervalos entre revisões 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 218,92 €

Medições

VOLVO

Acelerações
0-50 km/h 2,7 s
0-100 / 130 km/h 7,7 s
0-400 / 0-1000 m 15,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,4 s
60-100 km/h (D) 4,5 s
80-120 km/h (D) 6 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,6/9 m
Consumos
Consumo médio 6,8 l/100km
Autonomia 808 km

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE