Bentley Flying Spur V8

Muito além de ‘mero’ luxo

TESTE

Por Paulo Sérgio Cardoso 14-05-2022 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

A terceira geração do Flying Spur reflete todo o carisma que está na génese de luxuosa limusina britânica associado a apuradas facetas desportivas e tecnológicas, capazes de agora fazerem do lugar do condutor assento mais desejado do que as poltronas traseiras...

São 5,3 metros de automóvel de luxo que encerram uma inesperada (e apurada!) veia desportiva, fazendo deste novo Flying Spur V8 a verdadeira limusina focada na condução! Mais: para esta terceira geração do modelo, a Bentley nada poupou em tecnologia e vanguardismo, que agora se associam à veia de exclusividade, requinte e personalização que as ditas marcas de luxo germânicas não conseguem acompanhar quando entramos no campo dos pormenores.

Basta analisar as fotos e atentar nos detalhes, dos curtumes ao alumínio, das costuras à textura das peles, passando pelas aplicações em carbono (3727 €). Tudo realizado com uma incrível qualidade que só o processo de manufatura pode garantir (são empregues cerca de 100 horas para cada unidade que saia da fábrica de Crewe), além de que a este nível de valores e exigências de cliente, tudo pode ser pedido a gosto – e a preços que refletem as especificidades! São muitos e muitos os pormenores que nos fazem perder horas a olhar para eles, mas dois há (um exterior e outro interior) que nos encantaram: o símbolo ‘Flying B’ escamoteável e iluminado, no topo do capot, que se recolhe desligando o carro ou sentindo qualquer força de vandalismo (4576 €); e o mecanismo retrátil do monitor do sistema multimédia (5990 €) que recolhendo o ecrã tátil deixa o tablier entregue à beleza dos revestimentos. E tudo com funcionamento, tal como o dos vidros elétricos (obviamente duplos para ótima insonorização), envolto num silêncio total! E este é um dos crivos da Bentley: proporcionar ambiente de total serenidade e bem-estar, apoiado na qualidade do toque de tudo o que envolve o condutor e passageiros, extensível ao cheiro tão característico das peles, num total apelo sensorial. Querendo quebrar o silêncio, lugar à sumptuosidade do sistema de som dos especialistas ingleses Naim (8278 €) com baixos ativos nos bancos, capaz de tornar o habitáculo do Flying Spur numa sala de espetáculos de excelência! Tudo isto sem ainda ter começado o concerto proporcionado pelo V8 biturbo...

A Bentley iniciou a carreira do Flying Spur apenas com a motorização W12, tendo este V8 biturbo de 550 cv entrado em cena no final de 2020. A unidade motriz do Grupo VW com 4 litros de capacidade é já utilizada na Audi e na Porsche, conta com tecnologia de desativação de quatro dos oito cilindros, e surge no modelo inglês de sonoridade própria, por intermédio de quatro saídas de escape. A potência é encaminhada para as rodas vias sistema de tração integral e caixa automática de 8 velocidades, sendo que o Flying Spur conta agora com modos de condução que permitem afinar a personalidade do carro aos intentos do condutor, incluindo o desempenho da suspensão (de elementos pneumáticos) e amortecimento variável. Destaque para estreante tecnologia de barras estabilizadoras ativas e eixo traseiro direcional (7201 €), conjunto que não só agiliza a dinâmica e equilibra as massas do carro, em curva, como tem papel na redução no diâmetro de viragem, importante quando temos nas mãos automóvel com mais de 5,3 m de comprimento...

Baseado numa construção com recurso a ligas ligeiras, como alumínio e carbono, o Flying Spur consegue disfarçar os mais de 2300 kg que acusa na balança e surge incrivelmente equilibrado e com a dose certa de reação sobre as ordens incutidas à cremosa direção. Da direção à travagem (discos dianteiros com generosos 420 mm de diâmetro), tudo surge envolvo numa consistência plena, agora de tato extremamente apurado face ao que seria esperado de uma grande e luxuosa limusina, a anos-luz do experimentado no modelo da anterior geração.

Este autêntico Grand Turismo de quatro portas surge, assim, de atributos reforçados no que à dinâmica diz respeito, permitindo usufruto pleno de potência e binário. O sistema de tração integral deixou de ser estanque na distribuição (na anterior geração, estática 40:60) para que a entrega de binário aos eixos esteja intimamente relacionada com o modo de condução selecionado pelo condutor, sendo que em Sport envia apenas 280 Nm para as rodas da frente, sobrando quase 500 Nm para agilizar o movimento da traseira. O motor tem comportamento editado ao perfil da Bentley, com algum atraso na resposta para encher os turbos, mas tudo na medida certa (e até com carisma!) até surgir o ímpeto da força, mais do que suficiente para nos pregar às costas dos bancos, numa imperiosa escalada de velocidade, sem mordaças de limitadores eletrónicos.

Parte da sumptuosidade dinâmica e alicerce da personalidade em estrada deste novo Flying Spur está na capacidade de conjugar este novo afeto à condução com a soberania de conforto, estabilidade, robustez e serenidade com que se viaja em qualquer lugar. É possível optar por uma configuração de apenas duas poltronas traseiras (com ajustes elétricos, aquecimento, ventilação e massagens), com máxima otimização do bem-estar e das amplas cotas habitáveis, só algo limitadas em altura.

O salto tecnológico continua a ser evidente nas assistências à condução, caso da visão noturna, cruise control adaptativo com ajuste automático da velocidade face aos limites e ao traçado, assistente de faixa e de ângulo morto. O painel de instrumentos já se digitalizou e participa ativamente na sensação de vanguardismo classicista ao permitir consultar diversas informações e manter grafismo que traz à lembrança os quadrantes analógicos de tempos idos. O sistema multimédia muito evoluiu, com monitor tátil de generosas dimensões e agora com menus simplificados e navegação intuitiva. Outros comandos continuam na consola central, caso da ignição, seleção de modos de condução, climatização e acionamento de cortinas. A alavanca da caixa automática funciona por impulsos.

A unidade testada surge com a especificação Mulliner (18.093 €), com jantes negras de 22’’ e todos os detalhes interiores a preto e vermelho com os revestimentos de efeito tridimensional da pele nas portas, encostos de cabeça almofadados e pormenores como tampas metálicas nos depósitos de combustível e do óleo...

A Bentley já anunciou a intenção de apenas produzir veículos elétricos a partir de 2030, pelo que este Flying Spur V8 poderá muito bem vir a ser um dos modelos da fação old school: não só pela parte mecânica, mas acima de tudo pelo perfil de berlina de luxo afeta à condução – e não apenas para passeios nos bancos traseiros! É agora um modelo atualizado, onde todas as tecnologias a bordo acompanham as pisadas de requinte e de verdadeiro luxo, imune a falhas. Além do perfil e do ambiente de exclusividade, oferece performances de desportivo e um toque de dinamismo que coloca este carro acima de BMW Série 7 ou Mercedes Classe S.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

TESTE