Mais que um símbolo. A tecnologia por trás do novo emblema da Peugeot

Reportagem

Por AF 10-05-2022 17:30

Um novo brasão com a cabeça do leão tomou a dianteira dos Peugeot de última geração. O novo emblema estreou na grelha do 308, mas mais do que um símbolo também esconde tecnologias como o radar que alimenta, com informação, os processadores do seu arsenal de auxiliares de condução. O segredo está na fina camada de proteção de índio, um metal supercondutor raro que não interfere com as ondas do radar e oferece um aspeto cromado, bem como uma elevada resistência à corrosão.

No novo 308, o novo emblema Peugeot está disponível em duas versões, idênticas na sua aparência, mas tecnicamente diferentes. Uma aplica-se nas versões Active Pack e a outra, inovadora, é específica para as versões Allure, Allure Pack, GT e GT Pack, equipadas com radar de assistência à condução. Desde o Regulador de velocidade adaptativo com função Stop and Go - associado à caixa de velocidades automática EAT8 - com ajuste da distância entre veículos ao sistema de travagem automática de emergência com deteção de peões e ciclistas de dia e de noite entre os 7 e os 140 km/h, dependendo da versão, alertando o condutor no caso de uma potencial colisão.

Em 2022, este radar será também utilizado no novo pack Drive Assist 2.0, em mais um passo em direção à condução semiautónoma.

Para que todos estes auxiliares de condução funcionem na perfeição, as ondas emitidas pelo radar não devem ser perturbadas. O desenho do brasão, à frente do radar foi, por isso, inteiramente repensado pelos engenheiros tendo em conta que a espessura da superfície deve ser constante e os componentes não devem conter quaisquer partículas metálicas.

O novo emblema por etapas

Tudo começa na produção de um painel frontal liso, de espessura constante, em policarbonato injetado. Depois, uma face posterior em índio. Esta liga rara é utilizada especificamente para a versão do emblema dedicado aos modelos equipados com radar, porque é o único material que satisfaz as necessidades técnicas e visuais: possui propriedades que não perturbam as ondas do radar e tem uma aparência naturalmente cromada.

A operação de corte a laser serve para fazer destacar o leão do novo logótipo, a superfície de índio é cortada a laser, revelando o leão através do policarbonato. Pintura preta: A tinta é aplicada na parte de trás do brasão, formando o fundo do logótipo.

Segue-se a aplicação de um verniz protetor na superfície frontal: para protegê-lo dos elementos externos (choques, sol, mudanças de temperatura, etc.), aplica-se um verniz protetor na superfície frontal do brasão. E, finalemte, a fixação: O emblema é, por fim, colado a um componente de fixação técnica, sendo o conjunto fixado e aparafusado à grelha.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Reportagem