Mégane E-TECH Elétrico: Filho da revolução

Elétrico com 470 km de autonomia: O novo Mégane é o primeiro produto do programa Renaulution, 'revolução' elétrica que confirmará o estatuto liderança da Renault na transição energética.

Atualidade

Por VM 06-09-2021 11:59

Desde o lançamento do Zoe, em 2012, mais de 400.000 automóveis elétricos da Renault terão percorrido 10 mil milhões de 'e-quilómetros', transportando o emblema do losango para a linha da frente na área da eletrificação. Hoje, arranque de etapa 100% nova no seio do construtor francês, com a estreia do Mégane E-TECH Elétrico, o primeiro modelo ‘nascido’ na ElectriCity, o novo polo industrial do consórcio, no norte de França.

Apresentado como estreia mundial no Salão Automóvel IAA Mobility 2021, em Munique, o novo elétrico da Renault está já disponível para pré-encomenda, com as vendas a começarem em abril de 2022.

Um carro, tantas estreias... 

Sendo o primeiro modelo de uma nova geração de automóveis elétricos da Renault, o Mégane E-TECH Elétrico é também o primeiro a ostentar o novo logótipo 'Nouvel'R' da marca, inaugurando ainda a nova linguagem de design ‘sensual-tech’, que incorpora alguns elementos tecnológicos (luzes traseiras micro-ópticas LED e o ecrã OpenR), bem como outros que são fortemente inspirados no mundo da alta tecnologia e do design de sistemas de alta-fidelidade (grelhas de ventilação, gravação a laser em decorações nas soleiras protetoras das portas).

O formato da carroçaria é o da moda na indústria automóvel, de proporções insufladas do tipo crossover, apesar da altura contida (1,50 m), com uma distância entre eixos alargada (2,70 m para um comprimento total de 4,21 m) e o vão reduzido proporcionado pela nova plataforma modular CMF-EV, exclusiva para elétricos. Os puxadores das portas que se destacam, automaticamente, quando desbloqueados e a grelha fechada são elementos marcantes do estilo.

A bateria muito fina, com apenas 110 mm, permitiu maior liberdade criativa aos designers, que puderam refinar as proporções exteriores, ao mesmo tempo que aumentaram a relação entre a habitabilidade e as dimensões exteriores e ainda baixaram o centro de gravidade.

As dimensões interiores do novo Mégane E-TECH Elétrico são semelhantes às de um Mégane alimentado por motor de combustão interna, havendo espaço extra na consola central e sob o tablier. A ausência de um túnel de transmissão permite dispor de um piso plano.

Ecrã em “L” invertido

No painel de bordo, a estreia comercial do ecrã OpenR, visto pela primeira vez nos concept TreZor (2016), SYMBIOZ (2017) e MORPHOZ (2019), combinando numa espécie de "L" invertido o painel de instrumentos digital e o ecrã multimédia da consola central. O módulo mede um total de 774 cm², sem paralelo no segmento.

O interior é sofisticado e ‘amigo do ambiente’. Todos os estofos são feitos de materiais 100% reciclados. Dependendo da versão, isso pode corresponder a até 2,2kg! Um total de 27,2 kg de peças visíveis (zona inferior do habitáculo) e invisíveis (estrutura interna do tablier) são feitas de plásticos reciclados. Mais, 95% do Mégane E-TECH Elétrico será reciclado no final do seu ciclo de vida.

Na funcionalidade, destaque para a mala que tem um volume total de 440 litros, capacidade que é inteiramente utilizável, dado que o espaço é retangular e os cabos de carregamento têm a sua própria área de armazenamento especial, com 22 dm3 de capacidade, e que é acessível através de um painel amovível no piso do espaço de carga. A capacidade da bagageira pode ainda ser aumentada com os bancos traseiros rebatidos numa proporção 2/3 - 1/3 e o banco do passageiro da frente dobrado para cima.

Dois motores, duas baterias

O motor síncrono (EESM) do Grupo Renault apresenta-se no novo Mégane em versão otimizada, 10% menos do que a unidade utilizada atualmente no ZOE (pesa 145 kg com embraiagem incluída), disponível em duas declinações, com 130 cv (250 Nm) ou 218 cv (300 Nm).

As baterias de iões de lítio NMC (Níquel, Manganês, Cobalto), com 40 kWh ou 60 kWh de capacidade, são 40% mais pequenas do que as do ZOE, mas anunciam maior densidade energética, atingindo 600 Wh/L – o sistema de refrigeração líquida, localizado no compartimento inferior da bateria, é uma estreia na Renault. A marca anuncia autonomia para até 300 km com a bateria mais pequena; a bateria de 60 kWh permite percorrer 470 km entre carregamentos.  

Os tempos de carregamento estão entre os mais rápidos do mercado: até 400 km de condução mista, recuperados durante a noite (8 horas), com uma wallbox de 7,4 kW e até 160 km de condução urbana, recuperados em 1 hora, numa estação de carregamento pública de 22 kW.

Dependendo na versão, também pode ser compatível com infraestruturas de carregamento de DC de até 130 kW (tomadas combinadas), tais como com as estações de carregamento rápido em autoestradas.

Para as baterias, garantia de 8 anos e, neste intervalo de tempo, serão substituídas gratuitamente, se se deteriorarem para menos de 70% da sua capacidade nominal.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade