Audi RS 3 vs. Mercedes-AMG A 45 S: No clube dos 400

Na era da eletrificação, ainda há modelos especiais com motores a gasolina para celebrar: o 5 cilindros do novo Audi RS 3 chega aos 400 cv e 500 Nm (+20), para colocar em sentido os “hot hatch” de referência no mercado. Mercedes-AMG A 45 S incluído…

Atualidade

Por Vitor M. da Silva 21-07-2021 10:29

Na semana em que a Audi oficializou a decisão de parar o lançamento de modelos novos com motores de combustão em 2026, para depois o Diretor Executivo da marca de Ingolstadt, Markus Duesmann, revelar que o abandono dos combustíveis fósseis vai acontecer de forma muito acelerada já dentro de dois anos, revelaram-se mais pormenores do modelo que pode encerrar um ciclo na marca em beleza.

Falamos do desportivo compacto por excelência no portefólio do construtor dos quatro anéis, o RS3, que chegará ao mercado com um pujante 5 cilindros ‘à antiga’ – o mesmo EA850 que equipa o antecessor –, tração integral e sistema de vectorização de binário, com programa especial de condução em modo ‘drift’.

Agora, a marca dos quatro desvendou tudo o que faltava conhecer do seu novo desportivo compacto, com o conhecido 2.5 TFSI, que surge nesta geração nova do compacto com os mesmo 400 cv de potência, mas agora disponível ‘mais cedo’, entre as 5600 e 7000 rpm, e 500 Nm de binário (mais 20 Nm) entre as 2250 rpm e as 5600 rpm.

A mecânica conhecida está associada a caixa automática de dupla embraiagem com sete relações, a permitir aceleração de 0 a 100 km/h em apenas 3,8s e velocidade máxima 290 km/h.

RS Torque splitter

O sistema RS Torque Splitter, com função de vectorização do binário no eixo traseiro, é novidade no RS3. Recorre a um controlo eletrónico de uma embraiagem multi-disco em cada semi-eixo, em vez da solução de um diferencial com múltiplos discos de embraiagem no eixo traseiro, permitindo transferir o binário para a roda exterior, sempre que detetada a tendência para fugir de traseira.

A marca alemã garante ainda mais agilidade em percursos sinuosos, mas também a disponibilidade de um modo de ‘drift’, entregando até 1750 Nm de binário numa das rodas traseiras, para manobras extremas.

Mais números

Com imagem mais desportiva (a grelha e as óticas são novas, o para-choques traseiro foi redesenhado, para integrar o difusor e duas enormes ponteiras de escape) e vias mais largas 3,3 cm à frente e 1 cm atrás, não foi apenas o porte atlético do RS3 que mudou. Chassis e ligações ao solo foram igualmente revistos para acompanhar os progressos operados na mecânica. A marca alemã procedeu, entre outras afinações, ao aumento da rigidez do eixo, aplicou camber mais negativo nas rodas dianteiras e traseiras e reduziu a distância ao solo em 25 mm face ao A3 “normal”.

Assim, mais agilidade e eficácia em curva, mas também mais estabilidade e controlo a velocidades muito elevadas. Com o Pacote RS Dynamic Package, em opção, o novo RS 3 chega a 290 km/h de velocidade, demorando apenas 3,8 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h. Isto é 0,3 segundos mais rápido que o carro da geração antecessora e 0,1 segundos que o rival da Mercedes-AMG.

Mercedes-AMG A 45 S

A par, talvez, do BMW M2 Competition, com o seis cilindros em linha de 410 cv (mas este com tração traseira), o Classe A mais extremo com o cunho da AMG é claramente o alvo a abater pelo novo “míssil” dos quatro anéis, com o mais potente motor 2 litros (de série) da atualidade.

Com sistema de tração integral (4Matic+) que conta, no eixo traseiro, com duas embraiagens multidisco controladas eletronicamente (uma por roda) para a melhor distribuição de potência quando a mesma é enviada para trás – tudo gerido à vontade do condutor por intermédio dos modos de condução (Dynamic Select) e do perfil/forma de atuação da transmissão e restante rede eletrónica de controlo dinâmico, via programas do AMG Dynamics –, o A 45 S coloca no chão impressionantes 421 cv (contra 387 cv da versão 45).

Exclusivo do S é, entre outros, o sistema de travagem com discos dianteiros de maiores dimensões (identificado pelas pinças vermelhas) e velocidade máxima alargada até aos... 270 km/h!

A tudo isto, podendo somar-se os fantásticos bancos Performance AMG High-End (4150 €) que além dos revestimentos em pele, regulações elétricas, memórias e aquecimento, ainda permitem ajustes elétricos pormenorizados do suporte lateral e zona lombar feitos a partir do sistema MBUX.

O Mercedes-AMG também tem um modo de condução Race, específico para condução em pista, e a possibilidade de ativar a função Drift.

Fica prometido o tira-teimas…

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade