Félix da Costa, sem energia na bateria, cai de 1.º para 7.º na última volta

Na corrida 1 do fim de semana da Fórmula E em Valência, quatro intervenções do ‘safety car’ penalizam corrida do português da DS Techeetah, que liderou (quase) de fio a pavio. Vitória do holandês Nyck de Vries, da Mercedes

Automobilismo

Por José Caetano 24-04-2021 15:32

A primeira corrida do terceiro fim de semana duplo do Mundial de Fórmula E entra para a história da categoria e não pelas melhores razões. Depois do incidente na qualificação, com António Félix da Costa (DS Techeetah) a herdar a ‘pole’ de Stoffel Vandoorne (Mercedes-EQ), após a deteção de pneus irregulares no monolugar do belga, o ePrix, devido à chuva persistente sobre o Circuito Ricardo Tormo, iniciou-se atrás do Safety Car conduzido pelo português Bruno Correia.

 

Félix da Costa esteve sempre no comando das operações, mas a Fórmula E tem regras específicas… Devido a mão cheia de acidentes e incidentes, obviamente potenciados pelo piso molhado e, também, pelo facto de circuito permanente permitir manobras bem mais arriscadas do que as pistas citadinas entre muros, o Safety Car foi chamada à ação mais quatro vezes. E a cada intervenção do Mini de Bruno Correia, a direção da corrida retirava 5 kWh às baterias com 50 kWh de capacidade dos monolugares elétricos.

 

Assim, cumpridos os 45 minutos regulamentares, para a exibição da bandeira de xadrez, faltava cumprir-se uma volta aos 3,576 km do Ricardo Tormo, com traçado adaptado para receber a Fórmula E… Para Félix da Costa, a corrida tornou-se num pesadelo. Obrigado a levantar o pé para poder terminar o ePrix, o português baixou de 1.º para 7.º numa classificação que apenas contou com 12 pilotos. Os outros 12 foram eliminados ou desclassificados, por falta ou utilização excessiva de energia! E existem muitos pilotos sob investigação, o que pode originar algum(s) cambalhota(s) nos resultados…

 

Nyck de Vries, o campeão de F2 de 2019, geriu melhor a energia disponível na bateria e ganhou o 2.º ePrix de 2021, somando a vitória em Valência à primeira posição na corrida inaugural da temporada, em Diriyah, na Arábia Saudita. Complementarmente, o holandês de 26 anos da Mercedes-EQ acelerou para a liderança do Mundial, com 57 pontos. Prova da imprevisibilidade da Fórmula E, Stoffel Vandoorne, depois de arrancar do final da grelha, terminou no pódio, em 3.º, atrás de Nico Müller, da Dragon/Penske, outro piloto envolvido em diversos incidentes. O belga da Mercedes-EQ subiu a 2.º no campeonato, com 48 pontos, menos nove do que o companheiro de equipa. Félix da Costa é 10.º, com 30.

 

Amanhã, 2.ª corrida do fim de semana do Mundial em Valência.

 

Classificação

1.º Nick de Vries, Mercedes-EQ, 24 voltas

2.º Nico Müller, Dragon/Penske, a 13,128 s

3.º Stoffel Vandoorne, Mercedes-EQ, a 24,886 s

4.º Nick Cassidy, Virgin, a 36,903 s

5.º René Rast, Audi, a 51,650 s

6.º Robin Frijns, Virgin, a 52,985 s

7.º António Félix da Costa, DS Techeetah, a 1.09,538 m

8.º Alexander Lynn, Mahinda, a 1.33,405 m

9.º Sam Bird, Jaguar, a 1.36,009 m

10.º Lucas di Grassi, Audi, a 2.11,946 m

11.º Jake Dennis, BMW, a 3.07,061 m

12.º Jean-Éric Vergne, DS Techeetah, a 4.19,582 m

6.º Robin Frijns, Virgin, a 52,985 s

7.º António Félix da Costa, DS Techeetah, a 1.09,538 m

8.º Alexander Lynn, Mahinda, a 1.33,405 m

9.º Sam Bird, Jaguar, a 1.36,009 m

10.º Lucas di Grassi, Audi, a 2.11,946 m

11.º Jake Dennis, BMW, a 3.07,061 m

12.º Jean-Éric Vergne, DS Techeetah, a 4.19,582 m

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Automobilismo