Félix da Costa aponta a «mais pódios, vitórias e títulos»

Automobilismo

Por José Caetano 28-11-2020 10:22

Na Fórmula E, contagem decrescente para o início da Época 7, a primeira com estatuto de Mundial para o campeonato de monolugares elétricos que arrancou em Pequim, na China, a 13 de setembro de 2014 com ePrix em circuito instalado no Parque Olímpico - venceu-a o brasileiro Lucas di Grassi (Audi), que participou nas 69 corridas da categoria emergente do desporto automóvel. António Félix da Costa alinhou apenas em 65, mas é o campeão em título e o alvo a abater em 2021. O português de 29 anos continua na DS Techeetah e apresenta-se como favorito à vitória na edição de 2021.

Para prepararem a temporada nova, equipas e pilotos concentrados no Ricardo Tormo, em Valência, Espanha, para três dias de (muitos) testes. O programa prolonga-se até 1 de dezembro, com Félix da Costa e os outros 23 participantes no Mundial concentrado no desenvolvimento do monolugar para o campeonato com início programado para 16 e 17 de janeiro de 2021, em Santiago do Chile, não existindo mudança de plano. Na DS Techeetah, a primeira escuderia bicampeã na Fórmula E, primeiros quatro ePrix do ano com o E-Tense FE20 de 2020.

«Também fomos afetados pela pandemia e a equipa, bem, aproveitando a hipótese de homologar o monolugar para 2021 e 2022 até abril do próximo ano, decidiu privilegiar a fiabilidade», disse-nos António Félix da Costa, que não classifica o contratempo como uma desvantagem e olha para a Época 7 com ambição e otimismo. «As expectativas são as melhores. Muito provavelmente, nas primeiras corridas do campeonato, as equipas com carros novos confrontar-se-ão com problemas de fiabilidade… O objetivo? Pódios, vitórias e títulos», acrescentou.

Leia a notícia na íntegra na edição impressa ou digital de A BOLA

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 1

Baosa99
28-11-2020 11:16

Fórmula Ehh.

Automobilismo