Ferrari moderniza Portofino

Versão 'Modificata' do descapotável chega no próximo ano com motor de 620 cv e caixa automática de oito velocidades do Roma.

Atualidade

Por Vitor M. da Silva 15-10-2020 10:00

Em 2017, o Ferrari Portofino substituiu o California T no acesso a gama de automóveis da marca de Maranello. Mais comprido, mais largo e baixo do que o carro que saiu de cena, assente em plataforma 100% nova, mais leve, e dispondo de motor de 600 cv (às 7500 rpm), o Portofino era, então, o mais potente entre os descapotáveis, oferecendo em simultâneo teto rígido retrátil, um porta bagagens de grande capacidade e generoso espaço interior, incluindo dois lugares traseiros, utilizáveis em percursos curtos. Na atualização do modelo com nome que remete uma das mais belas localidades de Itália, bem conhecida pelo seu porto turístico e que, ao longo dos anos, tornou-se sinónimo de elegância e luxo discreto, tendo estado também na origem de nova cor no catálogo Ferrari, o vermelho Portofino, progressos a toda a linha.

Desde logo, com a adoção de nova letra na denominação oficial, o M, que significa 'Modificata', termo icónico na marca italiana. O Portofino M adota também uma nova caixa de dupla embraiagem de oito velocidades – a mesma de coupé Roma –, que se destaca, por exemplo, por dispor de um módulo de embraiagem 20% mais compacto e uma entrega de binário 35% superior na comparação com a anterior de sete velocidades. Sob o capot, variante mais potente do motor V8 3.9 biturbo, que passa a debitar 620 cv (+20 cv), mantendo 760 Nm de binário máximo.

Outra novidade, a introdução do comando de modos de condução ‘Manettino’ com cinco programas, incluindo um modo ‘Race’, específico para pista. A marca anuncia 3,45 segundos de 0 a 100 km/h contra 3,5 segundos no Portofino ‘standart’, além de melhoria de 1 segundo na medição até 200 km/h, para 9,8 segundos.

 Primeiras entregas previstas para o segundo trimestre de 2021.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade