Renault prepara nova mudança de líder

Atualidade

Por Auto Foco 10-10-2019 19:37

A Renault poderá avançar para a destituição do seu diretor executivo (CEO) Thierry Bollore na próxima reunião do conselho de administração da empresa, numa tentativa de melhorar as relações do fabricante francês com a Nissan, parceira na Aliança, consórcio de construtores que inclui também a Mitsubishi.

A notícia foi avançada pelo jornal Le Figaro e refere que o ‘chairman’ da Renault, Jean-Dominique Senard, pedirá ao conselho que inicie os protocolos para a sucessão de Bollore na próxima reunião do conselho, prevista para 18 de outubro.

Bollore era tido como elemento próximo do ex-líder da Aliança, Carlos Ghosn, tendo-lhe manifestado apoio publicamente após a sua detenção no Japão, sob acusação de conduta financeira ilícita. Bollore foi mesmo mais longe nas suas declarações sobre o caso, afirmando que a prisão do seu antigo chefe se devia a uma conspiração da Nissan – o que não foi bem recebido pelo fabricante japonês.

Por isso, a Nissan não confia em Bollore, cujo relacionamento com Senard é descrito como “cortês”, segundo o jornal diário financeiro francês Les Echos. Muitos altos quadros da Renault têm-se perguntado por que é que Bollore, um aliado de Ghosn, permaneceu no comando da empresa quando outros confidentes saíram ou foram forçados a sair, depois da destituição do líder.

Vários desses principais executivos da Renault deixaram a empresa recentemente, bastantes a caminho da rival PSA, denunciando o desgaste nas relações dos elementos de cúpula do construtor da marca do losango com Bollore. A demonstrá-lo está a demissão do ex-vice-presidente da Aliança, Arnaud Deboeuf, que se transferiu na PSA, acusando diretamente Bollore de ter forçado a sua saída.

Qualquer mudança governança da Renault é considerada como um contributo para a melhoria do seu relacionamento com a Nissan, que recentemente nomeou Makoto Uchida para a presidência, em substituição de Hiroto Saikawa, que renunciou ao cargo após admitir que recebeu pagamentos indevidos.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Atualidade