Aston Martin Vanquish S Aston Martin Vanquish S - Arquitetura: 12 cilindros em V; Cilindrada: 5935 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 605 cv/7000 rpm; Binário: 630 Nm/5500 rpm; Velocidade máxima: 324 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 3,5 s Audi R8 V10 Performance Audi R8 V10 Performance - Arquitetura: 10 cilindros em V; Cilindrada: 5204 cc; Alimentação: Injeção mista; Potência: 620 cv/8000 rpm; Binário: 580 Nm/6600 rpm; Velocidade máxima: 330 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 3,1 s Ferrari 812 Superfast Ferrari 812 Superfast - Arquitetura: 12 cilindros em V; Cilindrada: 6496 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 800 cv/8500 rpm; Binário: 718 Nm/7000 rpm; Velocidade máxima: 340 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 2,9 s Ford Mustang GT Ford Mustang GT - Arquitetura: 8 cilindros em V; Cilindrada: 5038 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 450 cv/7000 rpm; Binário: 530/4600 rpm; Velocidade máxima: 250 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 4,3 s Lamborghini Aventador SVJ Lamborghini Aventador SVJ - Arquitetura: 12 cilindros em V; Cilindrada: 6498 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 770 cv/8500 rpm; Binário: 720 Nm/6750 rpm; Velocidade máxima: 350 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 2,8 s Lamborghini Huracán EVO Lamborghini Huracán EVO - Arquitetura: 10 cilindros em V; Cilindrada: 5204 cc; Alimentação: Injeção mista; Potência: 640 cv/8000 rpm; Binário: 600 Nm/6500 rpm; Velocidade máxima: 325 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 2,9 s Lexus LC 500 Lexus LC 500 - Arquitetura: 8 cilindros em V; Cilindrada: 4969 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 477 cv/7100 rpm; Binário: 540 Nm/4800 rpm; Velocidade máxima: 270 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 4,7 s Porsche 911 GT3 Porsche 911 GT3 - Arquitetura: 6 cilindros opostos; Cilindrada: 3996 cc; Alimentação: Injeção direta; Potência: 500 cv/8250 rpm; Binário: 460 Nm/6250 rpm; Velocidade máxima: 318 km/h; Aceleração 0-100 km/h: 3,4 s Porsche 911 GT3 Os turbos: a nova era na indústria automóvel

O que é natural é bom… e resiste

Os últimos desportivos com motor atmosférico

Reportagem

Por Ricardo Jorge Costa 17-08-2019 12:45

Os motores atmosféricos estão a perder para os sobrealimentados, mais eficientes e de menor cilindrada...

Um motor atmosférico recebe o oxigénio necessário para gerar energia por meios tradicionais. Resumindo, depende da pressão atmosférica para fornecer ar para a câmara de combustão, enquanto os motores sobrealimentados por turbo, que aproveita os gases de escape para injetar ar nos cilindros (câmara de combustão) ou por compressor, para aumentar o desempenho.

A sobrealimentação por turbo ou por compressor não é a mesma coisa. Ambos forçam mais ar para o motor, mas funcionam de maneira diferente. Um compressor (também denominado de supercharger) é um sistema de sobrealimentação que usa um compressor para aumentar a quantidade de ar (além da pressão e da densidade deste) que é alimentada na câmara de combustão, queimando mais combustível e aumentando a potência.

Um motor turbo funciona de forma diferente, contando com uma turbina que é alimentada por gases de escape para aumentar a pressão e a densidade do ar que é alimentado numa câmara de combustão através da entrada de ar.

Muitos fabricantes estão a apostar cada vez mais na tecnologia de sobrealimentação com assistência elétrica (denominado turbo com acionamento elétrico) em motores a gasolina para aumentar a potência sem produzir mais emissões e para eliminar definitivamente o chamado turbo lag (hiato até à entrada do turbo na resposta ao acelerador).

De qualquer modo, os motores atmosféricos ainda alimentam alguns dos desportivos e supercarros mais rápidos e fascinantes. Ainda há um grupo de entusiastas obstinados que aderem à doce e viciante assistência sem bateria e à aspiração natural. Além disso, nada supera a sonoridade natural dos motores atmosféricos.

Ferrari 812 Superfast

O 812 Superfast comemora o 70.º aniversário da Ferrari e tem motor dianteiro longitudinal V12 6.5 litros de 800 cv às 8500 rpm e 718 Nm. É o Cavallino Rampante de produção em série mais potente da atualidade (o LaFerrari tem 963 cv, mas é híbrido e os motores são centrais). O motor F140 da Ferrari está no auge da tecnologia de alimentação atmosférica e tem uma sonoridade estonteante.

Lamborghini Aventador SVJ

A versão SVJ do Aventador é que tem as melhores performances do superdesportivo italiano e a sua produção está limitada a 900 unidades. O motor é o mesmo atmosférico V12 e 6,5 litros de todos os Aventador, mas otimizado para ter mais rendimento (entre outras evoluções, o coletor de admissão de titânio), debitando 770 cv. Enquanto no Aventador S e no SV, apenas 740 e 750 cv, respetivamente.

Lamborghini Huracán EVO

O Lamborghini Huracán EVO é o recente substituto do Huracán LP610-4. O motor é o mesmo do Performante, um V10 de 5,2 litros com 640 cv a 8000 rpm e 600 Nm de binário a 6500 rpm. Esta mecânica está associada a uma caixa automática de dupla embraiagem de sete velocidades e a tração é integral. Uma mais-valia da dinâmica deste modelo consiste no seu sistema de eixo traseiro direcional.

Audi R8 V10 Performance

O motor V10 de 5,2 litros, agora com filtro de partículas no escape e acrescido de potência, na versão base debita 570 cv e no mais potente Performance produz 620 cv. Esta mecânica soberba desenvolvida pela Audi Sport é uma preciosidade entre os cada vez mais raros motores atmosféricos em superdesportivos, pelos regimes elevados a que pode funcionar (corte de injeção às 8750 rpm) e a sua sonoridade inebriante.

Aston Martin Vanquish S

O desportivo bilugar dispõe da versão mais poderosa do motor V12 atmosférico de 5935 cc do fabricante britânico, que debita 576 cv na versão base Vanquish e 605 cv no Vanquish S. O acréscimo de potência neste último é devido ao coletor de admissão de maior capacidade. O desempenho deste ostensivo motor é frenético, com vertiginosas subidas de regimes e acompanhado por um ruído estrondoso.

Ford Mustang GT

O Mustang EcoBoost e o Shelby GT500 utilizam a sobrealimentação, mas o GT com o V8 de 5.0 litros tem um extraordinário motor atmosférico, de 450 cv e 530 Nm (460 cv na edição Bullit). O motor do Mustang GT pode ser escolhido em combinação com uma caixa automática de 10 velocidades e o seu desempenho é tremendamente suave, poderoso a todos os regimes e emite um som fascinante.

Porsche 911 GT3

O Porsche 911 GT3, da geração 991, é um dos desportivos de topo mais conduzidos e pilotados do mundo e tem uma abordagem muitíssimo racing, devido à recolha de muitos ensinamentos do carro de competição GT3 Cup. O extraordinário motor 4.0 litros de 6 cilindros opostos debita 500 cv às 8250 rpm e 460 Nm de binário. O som do boxer é contagiante. Versão mais radical, GT3 RS, atinge 520 cv.

Lexus LC 500

Em Portugal, o Lexus LC 500 só está disponível com o motorização híbrida com V6, mas noutros mercados está equipado apenas com um V8 de 5.0 litros, um bloco que é considerado por muitos especialistas um dos melhores atmosféricos da indústria automóvel. Esta mecânica debita 477 cv às 7100 rpm e 540 Nm de binário máximo, impulsionando o coupé desportivo ao som de uma melodia... ruidora.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Reportagem