Procura de SUV na Europa desacelera

Vendas ainda ‘aceleram’, mas a multiplicação rápida da ‘espécie’ está a saturar o mercado

Opinião

Por José Caetano 14-08-2019 10:11

A notícia esperava-se e, talvez por isso, não surpreende. Mais mês, menos mês, abrandamento nas vendas de Sport Utility Vehicles (SUV). Ainda assim, comparando os números de junho de 2019 com os de junho de 2018, mais em vez de menos, com progresso de apenas 0,7%, de 552.500 para 556.400. Historicamente, trata-se do 3.º melhor registo mensal na categoria, depois de março-2018 e março-2019. Considerando todos os segmentos, travagem de 7,9% nas matrículas, com diminuição de 41% nos registos de particulares, resultado que confirma deterioração do clima económico na Europa.


Duas razões explicam o abrandamento nas matrículas de SUV... Primeiro, vendendo-se menos carros novos (redução de 7,9% na comparação com junho do ano passado, para 1,49 milhões, no pior junho desde... 2015!), automóveis mais caros menos procurados; segundo, como consequência previsível da multiplicação rápida (rapidíssima!) de espécie muito popular nos quatro cantos do Mundo, registo preocupante de alguma saturação no segmento que tem funcionado como motor do crescimento do(s) mercado(s).


Analisando os resultados registados em 27 países europeus e comparando-os com os de junho de 2017, a quota dos SUV aumentou de forma muito expressiva, de 34,3% para 37,5%. Nas demais categorias, registou-se crescimento somente no segmento dos citadinos, de 7,3% para 7,7%. Facto curioso: os três automóveis da categoria mais bem-sucedidos na Europa, Nissan Qashqai, VW Tiguan e Peugeot 3008, perderam fôlego (leia-se vendas), com reduções significativos na procura – respetivamente, 15%, 18% e 18%.


O mês de junho também (re)confirmou a perda de popularidade das mecânicas a gasóleo. Nos quatro mercados escandinavos (Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia), pela 1.ª vez, venderam-se mais automóveis eletrificados (20.182) do que Diesel (20.092). Nos 27 países analisados, comparando os números de junho-2019 com os de junho-2018, a procura da mecânica térmica abrandou 21% (quota de 31%), enquanto a de elétricos ou híbridos com e sem sistemas plug-in aumentou 20% (mesmo assim,  ainda representam só 7,5% das vendas).


A corrida à eletrificação acelera, mas o crescimento da popularidade não está relacionado com o decréscimo nas vendas Diesel. A mudança de paradigma depende de investimento na promoção de elétricos e híbridos. Assim, sim, estas tecnologias tornar-se-ão muito mais atrativas para os consumidores.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Opinião