Larguem-se os telemóveis!

Conclusão (mais do que provável…!) de seminário no Instituto Superior de Engenharia do Porto

Opinião

Por José Caetano 02-05-2019 09:30

A conclusão não surpreende minimamente, mas os números são muito alarmantes, por exporem os riscos, conhecidos, da utilização do telemóvel na condução. Conhecendo-se o estado da sinistralidade rodoviária em Portugal, que acelera em vez de travar, é impossível não colocar ação tão irresponsável entre as causas principais da tragédia. Educação cívica, exige-se!

O Instituto Superior de Engenharia do Porto realizou seminário sobre o problema e, aí, apresentou-nos os riscos de coabitação impossível que é comportamento comum. Entre as conclusões, o risco de acidente aumenta 20 vezes, utilizando o telemóvel durante a condução… E os sistemas mãos-livres que encontramos nos carros modernos apenas diminuem o perigo para mais quatro vezes.

O comportamento diminui, muito significativamente, os tempos de reação do condutor, tornando-o cerca de 50% mais lento. Pela mesmíssima razão, impacto na sinistralidade, incluindo no aumento do número de atropelamentos.

Luís Miranda Torres, professor do ISEP por trás do seminário «Mobilidade, Ecologia & Segurança Rodoviária», apresentou o fenómeno assim: «Impossível processar duas informações da mesma forma. Nos trajetos do dia-a-dia, conduz-se em piloto automático, menos atento aos detalhes. Se somarmos o telemóvel, passamos a processar duas informações em simultâneo, o que diminui a capacidade de antecipar e reagir ao perigo». Mas, atualmente, com a multiplicação de equipamentos inteligentes, fala-se menos e escreve-se mais… «Utilizando o telemóvel para o envio de mensagens de texto, retiramos uma mão do volante e o risco de acidente aumenta ainda mais», conclui o mesmo responsável.

História sem culpados e inocentes… Ninguém atire a primeira pedra! O telemóvel na condução é comum. Conduzindo-se diariamente, sabemo-lo. O comportamento generalizou-se. Os números são conhecidos: o ano passado, Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública multaram 39.226 condutores pela infração – quase 40.000! –, ou média de 107 multas por dia. Ainda assim, menos infrações do que em 2017... Ou menos fiscalização?!

Em 2018, 513 pessoas perderam a vida em acidentes rodoviários em Portugal – mais três do que em 2017. Segundo ano consecutivo de aumento no número de mortos. Simultaneamente, registam- se mais 2170 acidentes, num total de 132.378! Como a utilização do telemóvel na condução origina distração, quantos sinistros foram provocados pela irresponsabilidade?!

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Opinião