O ‘big brother’ nos automóveis

Tecnologia ‘apoia’ Volvo no cumprimento do objetivo de muitos menos acidentes nas estradas

Opinião

Por José Caetano 06-04-2019 19:35

Fotos: Gonçalo Martins

O nome da Volvo, correta ou incorretamente, encontra-se associado à segurança nos automóveis desde 1959. Nesse ano, a marca foi pioneira na indústria, com a introdução do cinto de três pontos. Em 2018, o fabricante de Gotemburgo, inspirando-se no passado, projeta-se no futuro, com o anúncio de programa para travagem nos números de acidentes e vítimas, problema que não é só português. Como ponto de partida para a campanha, o reconhecimento de que 94% dos sinistros resultam de erros humanos. Eliminando-os, caminho mais livre para acabar com tragédia de dimensão global.


Como alvos, álcool, distrações/fadiga, drogas e velocidade, quatro causas principais da sinistralidade nas estradas de todo o Mundo… Para atacá-las, na próxima geração de automóveis, big brother nos Volvo, com câmaras, radares e sensores a controlarem tudo o que acontece dentro e fora dos carros. O início da revolução encontra-se programado para 2020, em simultâneo com o lançamento da 3.ª geração do XC90, que receberá variante otimizada da Scalable Platform Architecture (SPA), estrutura introduzida em 2014, precisamente no SUV.


O sistema encarregar-se-á do controlo do estado físico do condutor, através de câmaras e sensores que reconhecem sinais de alcoolemia, fadiga ou outros. Após a identificação de comportamentos de risco, como falta de movimentos no volante e demora excessiva nos tempos de reação, o programa atuará automaticamente, reduzindo a velocidade do carro ou parando-o, obrigatoriamente em condições de segurança, ou alertando a assistência Volvo on Call.


Também a partir de 2020, a Volvo limitará, eletronicamente, a velocidade máxima dos automóveis que produz a apenas 180 km/h. A medida antecipa o lançamento do Care Key, sistema para o proprietário predefinir limites de velocidade, tanto preparando-se para agarrar no volante, como para cedê-lo a indivíduo com pouca experiência (filho, por exemplo).


O programa «Vision 2020» confirma os progressos na condução autónoma, tecnologia que a marca pretende introduzir durante os primeiros anos da próxima década, também nos modelos baseados na plataforma SPA2. Simultaneamente, depois do lançamento do primeiro automóvel sem Diesel, o S60, reafirmação do compromisso de eletrificação, privilegiando-se os híbridos com e sem recarga externa das baterias (plug-in) e os elétricos. Os suecos contam que estas tecnologias valham 50% das vendas de carros novos em 2025.

Ler Mais

Conte-nos a sua opinião 0

Opinião