Rebatendo-se os encostos posteriores, a bagageira ganha muita capacidade Máquina elétrica apoia motor térmico No painel, ao centro, abaixo do monitor, quatro comandos para acessos simples a funções de bordo relevantes, incluindo modos de condução, assistências eletrónicas e climatização O painel de instrumentos, digital e a cores, tem 10,25’’ e concentra as informações importantes para a condução. Em opção, Head-Up Display Também no Golf, o seletor da caixa é minimalista. No volante, patilhas para seleção sequencial do programa manual O equipamento do Golf Life não é muito abundante, mas o VW também satisfaz nos conteúdos. Posição de condução confortável Na habitabilidade (e na capacidade da mala), Golf entre os compactos de referência num segmento muito competitivo No painel de bordo, à esquerda do volante, módulo específico para ativação das várias funções da iluminação Dinamicamente, o Golf nunca surpreende, combinando agilidade e estabilidade com conforto de rolamento. A condução é sempre muito suave e refinada No Seat Digital Cockpit, instrumentação digital. O monitor tem 10,25’’ e admite reconfiguração. A informação é completa Na consola entre os bancos dianteiros, seletor da caixa DSG, também com dimensões minimalistas. O modo manual comanda-se em patilhas Para o info-entretenimento, monitor de 10’’ no centro do painel de bordo. Seleção fácil dos modos de condução no programa ‘Drive Profile’ No 1.5, desativação de dois cilindros A capacidade da bagageira não aumentou, mantendo-se nos 380 litros O crescimento das dimensões reflete-se, positivamente, na habitabilidade, sobretudo nos lugares posteriores, onde há liberdade de movimentos Os bancos têm desenhos desportivos. O condutor instala-se otimamente e desfruta de regulações amplas até para o volante Na 4.ª geração, o Leon é promovido como o carro mais conectado na história da Seat. O recurso à fórmula háptica e a otimização do reconhecimento vocal eliminaram muitos comandos do habitáculo A suspensão conta com amortecimento variável que otimiza o comportamento em curva, por limitar os movimentos da carroçaria. Agilidade e precisão

Seat Leon 1.5 eTSI FR vs VW Golf 1.5 TSI DSG MHEV Life

As diferenças

CONFRONTO

Por José Caetano 27-03-2021 07:00

Fotos: Gonçalo Martins

Muitas vezes, também no automóvel, os modelos mais populares não são os melhores. O Golf comanda as vendas na Europa, o Leon lidera ‘apenas’ na… Seat! Tratando-se de compactos que partilham arquitetura técnica, mecânicas e tecnologias, justificar-se-á a vantagem da berlina compacta da VW? Colocámo-los à prova e comparámo-los.

O segmento dos compactos, subtraindo os Sport Utility Vehicles (SUV) e contabilizando apenas as berlinas, perdeu muita popularidade no mercado europeu, independentemente de contar com o automóvel mais bem-sucedido comercialmente na região: o VW Golf. Na geração nova, a oitava na série iniciada em 1974, progressos em todos os capítulos relevantes, combinando-se uma evolução no desenho da carroçaria com uma revolução na apresentação do interior, onde a digitalização do painel de bordo eliminou muitos (demasiados?!) comandos físicos. A Seat também seguiu esta fórmula para o Leon 4, que concorre na mesma categoria e tem arquitetura técnica (plataforma MQB Evo), motores e tecnologias iguais. Aqui, frente a frente, versões com o 1.5 eTSI, mecânica apoiada por sistema elétrico de 48V. No modelo alemão, com o nível de equipamento Life, privilegiam-se o conforto e a imagem. No adversário, com o pacote FR, piscadela de olho aos adeptos de desportivos.

Recuperando muito do que escrevemos no primeiro teste à versão 2.0 TDI da geração nova do VW, que é válido para o 1.5 TSI com sistema MHEV, visualmente, o Golf 8 diferencia-se do antecessor, com a modernização exterior sublinhada pelo recurso a LED para todas as funções da iluminação. No habitáculo, com o Innovision Cockpit, apresentação inédita e muito vanguardista para o painel, que combina instrumentação configurável à medida das preferências do condutor e info-entretenimento com monitor de 10’’. O software admite comandos táteis e vocais e reúne todas as funções relevantes do automóvel. A VW empenhou-se na conceção de menus intuitivos, mas o sistema exige-nos período longo de adaptação – e carro parado para selecionarmos os diversos programas em segurança (por exemplo, para desativar o controlo de tração, entre menus e submenus, impõe-se-nos uma mão cheia de movimentos!).

O painel de instrumentos tem 10,25’’ e concentra toda a informação fundamental para a condução, que pode complementar- se, pela primeira vez no Golf, com o projetor de dados no para-brisas (Head-Up Display). No painel, abaixo do monitor tátil de sistema de info-entretenimento que admite integração de smartphones Android Auto e Apple CarPlay, quatro comandos garantem acessos diretos a funções importantes: programa de apoio ao parqueamento, assistências eletrónicas à condução, climatização ou Perfis de Condução. Entre as muitas funcionalidades, apresentação de indicações para promoção da eficiência – para aumento da economia, por exemplo, recomenda-nos o encerramento dos vidros, a troca de relação de caixa e a diminuição da pressão exercida no pedal do acelerador.

Também no Leon, devido à estratégia da digitalização, interior minimalista! No automóvel mais conectado na história da Seat, possibilidade de acesso remoto a muitas funções de bordo, através de aplicação para telemóvel (Seat Connect App). No habitáculo, o Digital Cockpit inclui dois monitores digitais, reconfiguráveis, para instrumentação e info-entretenimento. O primeiro tem 10,25’’, o segundo 10’’. Também neste caso, o recurso à fórmula háptica e a otimização do reconhecimento vocal eliminaram controlos físicos, tornando a experiência de utilização gratificante. Neste caso, adaptação mais rápida, devido à organização intuitiva dos conteúdos.

O investimento em tanta tecnologia obrigou a compromissos. Por exemplo, para garantia da competitividade comercial do Golf, a VW reduziu a qualidade de alguns revestimentos, encontrando- -se plásticos duros no habitáculo, maioritariamente em zonas fora do alcance da vista (painéis das portas e pilares centrais, por exemplo). A habitabilidade também piora, encontrando-se menos espaço para pernas nos bancos de trás. Porém, trata-se de pormenor. Na categoria, não há (muito...) melhor, considerando-se até os modelos com posicionamento premium. A capacidade da mala mantém- -se nos 380 litros, mas o rebatimento fácil dos encostos dos bancos traseiros cria um compartimento com 1237 litros. No Seat, o aumento das dimensões tem influência positiva tanto na habitabilidade como no volume da bagageira, mas a vantagem do segundo sobre o primeiro, no espaço a bordo, é marginal.

Dinamicamente, o Golf não surpreende. O compacto é muitíssimo equilibrado, combinando agilidade, estabilidade com conforto e suavidade. Nestes pontos, o Leon diferencia-se. O pacote FR garante-nos experiência mais desportiva, com melhor comportamento, devido a suspensão com amortecimento variável que reduz os movimentos da carroçaria em curva, nas transferências de massa. No entanto, comparado com o VW, automóvel mais sensível às irregularidades do piso, característica perturbadora do bem-estar a bordo.

Nos dois automóveis, sistemas de modos de condução: no VW, quatro programas à disposição (Eco, Comfort, Sport e Individual). No Seat, cinco (Eco, Comfort, Normal, Sport e Individual). Selecionando-os, os dois compactos tornam-se mais ou menos reativos. Estes sistemas regulam os funcionamentos de suspensões (contando- se com amortecimento variável), das direções, dos reguladores de velocidade ativos e equipamentos de climatização. E fazem-no de forma combinada ou individualmente, de acordo com as preferências de cada condutor.

Estes sistemas também afetam os desempenhos dos 1.5 turbo a gasolina, nomeadamente as respostas dos motores de 4 cilindros aos movimentos nos aceleradores. Estas mecânicas, modernas, têm tecnologias de desativação de dois cilindros (assim, menos consumos e gases de escape), que combinam com sistemas mild-hybrid (MHEV), com máquina elétrica apoiada por uma rede complementar de 48V, que assiste o motor térmico durante as acelerações e as retomas de velocidade (a intervenção nota-se mais no primeiro caso do que no segundo...), utilizando a energia recuperada nas desacelerações e travagens (bateria de iões de lítio arrumada sob o banco dianteiro do passageiro, nos dois casos). Estas mecânicas, muito bem apoiadas por caixas automáticas de 7 velocidades  e embraiagem dupla (DSG) com modos  manuais ativados de forma sequencial em patilhas no volante, programas que melhoram a experiência na condução, são muito refinadas e suaves. Somam- -lhes mais duas qualidades: consumos moderados e performances convincentes. Finalmente, Golf e Leon dispõem de muitas assistências à condução, mas lamenta- se a integração da maioria dos recursos eletrónicos nas listas de equipamentos opcionais.

O Golf é tão importante para a VW como o Leon para a Seat. Os compactos partilham a generalidade dos componentes e conteúdos técnicos e tecnológicos, mas têm imagens diferenciadas – e diferenciadoras. Sem surpresa, considerando os posicionamentos das marcas, o modelo alemão é mais conservador do que o espanhol, que tem a vantagem importante de propor mais (equipamento) por menos (preço). Em contrapartida, como tem orientação desportiva que convida a acelerar, o segundo consome mais gasolina e é menos suave.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

SEAT LEON

1.5 eTSI FR

VOLKSWAGEN GOLF

1.5 TSI DSG MHEV LIFE

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 1498 cc 1498 cc
Alimentação Inj. direta, turbo, intercooler Injeção direta, Turbo, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v 2 a.c.c./16 v
Potência 150 cv/5000-6000 rpm 150 cv/5000-6000 rpm
Binário 250 Nm/1500-3500 rpm 250 Nm/1500-3500 rpm
Transmissão
Tração Dianteira Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 7 velocidades Automática de 7 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,2 Elétrica/10,9 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,368/1,800/1,442 m 4,284/1,789/1,456 m
Distância entre eixos 2,686 m 2,636 m
Mala 380 litros 380 litros
Depósito de combustível 50 litros 50 litros
Pneus F 8jx18-225/40 R18 7,5jx17-225/45 R17
Pneus T 8jx18-225/40 R18 7,5jx17-225/45 R17
Peso 1361 kg 1380 kg
Relação peso/potência 9,07 kg/cv 9,2 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 221 km/h 224 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,4 s 8,5 s
Consumo médio 5,6 l/100 km 5,9 l/100 km
Emissões de CO2 127 g/km 134 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2+2 anos/80.000 km 2+3 anos/100.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 30000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 137,14 € 137,14 €

Medições

SEAT

Acelerações
0-50 km/h 3,1 s
0-100 / 130 km/h 8,5 / 13,9 s
0-400 / 0-1000 m 16,3 / 29,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,8 s
60-100 km/h (D) 4,5 s
80-120 km/h (D) 5,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 34,7 / 8,9 m
Consumos
Consumo médio 6,6 l/100km
Autonomia 757 km

Medições

VOLKSWAGEN

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 8,3 / 13,5 s
0-400 / 0-1000 m 16,1 / 29,2 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4,0 s
60-100 km/h (D) 4,5 s
80-120 km/h (D) 5,7 s
Travagem
100-0/50-0km/h 36,3 / 9,1 m
Consumos
Consumo médio 6,3 l/100km
Autonomia 793 km