DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic Ambiente de Inspiração Opera custa 2000 € para esta versão DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic Botão que permite alterar os modos de condução está mais perto do passageiro... O DS 7 Crossback inclui variação do amortecimento Com o nível ‘Inspiração Opera’, os bancos dianteiros ganham ventilação e oito programas de massagem com três níveis de intensidade Instrumentação digital pode ser configurada DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic Montado transversalmente para ‘animar’ as rodas da frente, o BlueHDi é suave e surge bem insonorizado DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic Estofos em couro Nappa de confeção ‘bracelete’ parte do ambiente Inspiração Opera, que inclui outros pormenores decorativos Interior requintado e ‘atento’ a todos os pormenores, mas pode tornar-se visualmente denso e de utilização pouco intuitiva. Qualidade em alta Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 cB-Tech com pormenores a negro e mais equipamento de série Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Todo o habitáculo do Stelvio surge rebaixado, incluindo a posição de condução, ótima. Navegação em ecrã de 8,8’’ parte da série B-Tech Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Modos de condução ‘dna’ no painel central A série B-Tech destaca-se pelos acabamentos a negro, extensíveis também ao botão de ignição. Cruise control ativo parte do equipamento Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 A Alfa não abre mão do apelo desportivo, mas agora abraçando o lado racional, incluindo 4 anos de garantia e de manutenção O 2.2 TurboDiesel subiu dos 180 para os 190 cv nesta versão de tração traseira do Stelvio. É o mais ruidoso Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2 Bancos em tecido e pele característicos da série B-Tech. Mas os ajustes elétricos são extra, por 950 €

DS 7 Crossback 2.0 BlueHDI Grand Chic vs Alfa Romeo 2.2 TD B-Tech RWD Q2

Paixões fora de órbita

CONFRONTO

Por Paulo Sérgio Cardoso 20-10-2019 11:45

Fotos: Gonçalo Martins

Havendo já SUV de todas as categorias e para todas as carteiras, da Dacia à Bentley e Lamborghini, urge cada vez mais a necessidade de fazer algo fora da caixa para que não se percam os fatores de distinção que o formato tem vindo a semear. É por isso que assenta bem ao código genético de marcas como DS e Alfa Romeo modelos deste porte avantajado, carismáticos e repletos de pormenores capazes de os bem diferenciar na estrada.

Há, porém, quem ainda não veja com bons olhos investir valores na ordem dos 60 mil euros para atingir este nirvana emocional fora da órbita premium pura. Mas o certo é que os automóveis em análise, em particular pela riqueza de conteúdos das versões em teste, despertam fortes paixões que a própria razão desconhece! Atente-se, por exemplo, na série especial B-Tech do Alfa Romeo Stelvio, aqui a acompanhar a variante de motorização base de gama, com motorização 2.2 Turbo Diesel de agora 190 cv (subida de 10 cv) e associada apenas a tração traseira. O B-Tech afirma-se pela imagem desportiva a cargo de múltiplos pormenores a negro, caso da moldura dos vidros das portas laterais, cor também aplicada na assinatura exterior na tampa da mala, saídas de escape, capas dos retrovisores e barras de tejadilho. Já as jantes de 20’’, com o tradicional desenho em pétalas, custam 1100 € – de série, jantes negras de 19’’.

Os bancos forrados num misto de pele e tecido são igualmente característicos do Stelvio B-Tech, onde até o botão de ignição, colocado no volante, surge a negro em vez do mais tradicional vermelho das outras versões. Entre bancos, os revestimentos da consola central são igualmente específicos, aí estando colocados os principais comandos de controlo, quer seja dos modos de condução do sistema dna, quer o botão rotativo que opera o sistema multimédia. Que, no Stelvio B-Tech, inclui sistema de navegação em monitor de 8,8’’, além da projeção da imagem da câmara traseira de ajuda ao estacionamento. Entre as ajudas à condução, conte-se com assistente de ângulo morto, comutação automática entre luzes de médios e máximos, sistema anti-colisão, bem como a abertura/ fecho elétrico do portão traseiro. Outros pormenores de maximização da índole desportiva podem ser ainda acrescentados, caso das pinças do sistema de travagem pintadas a vermelho (350 €).

Sob o capot, a versão mais light do 2.2 TurboDiesel, que ainda assim surge agora atualizada para 190 cv após os ajustes necessários para o cumprimento das mais recentes normas antipoluição. Mecânica que surge bem associada à rápida caixa automática de 8 velocidades para desempenho sempre vivo e despachado, corroborado pelos excelentes valores das performances aferidas, mesmo nesta configuração de tração entregue apenas às rodas traseiras. Direção levezinha, dianteira muito rápida a reagir e carroçaria/chassis que se evidenciam pela excelente rigidez e harmonia de reações, capaz de envolver o condutor num ambiente de sedução dinâmica, apadrinhado por amortecimento algo firme que permite controlar perfeitamente os movimentos da carroçaria, mas que também é gerador de algum desconforto, especialmente em cidade e nos pisos muito irregulares. Outro dos pontos menos aprazível do Stelvio será o excessivo ruído da mecânica Diesel.

Do outro lado da barricada, solução ao melhor estilo francês, com o recente SUV da marca dita premium do Grupo PSA a propor, por preço semelhante, outro género de argumentos, mais focados numa condução relaxada e em acolhimento de características mais luxuosas. Tal como o Alfa Romeo Stelvio, o DS 7 Crossback é um dos reis da personalização, permitindo enriquecer a imagem com o que a marca chama de Ambiente de Inspiração. No caso da unidade testada, a Inspiração Opera (2000 €) surge associada ao nível de equipamento Grand Chic, caracterizando-se pelos revestimentos em pele do tipo bracelete de relógio, efeitos brilhantes no painel de bordo e portas, couro aplicado nos puxadores de porta, madeira de efeito Ébano ou mesmo o relógio analógico rotativo da marca B.R.M. Além da totalidade dos ajustes elétricos dos bancos dianteiros, sistemas de aquecimento e ventilação, além de oito programa de massagem de intensidade variável. E a possibilidade de ajustar o ângulo das costas do banco traseiro, eletricamente, é pormenor que muito contribuiu para o reforço do bem-estar de quem aí viaja – mesmo que a largura interior do habitáculo seja um pouco inferior à do Alfa Romeo, os bancos são manifestamente mais cómodos, não sendo ainda de deixar de lado a existência de climatização independente para trás ou a quase ausência de túnel central, no chão.

Nas ligações ao solo, o DS 7 surge manifestamente mais brando, mesmo incluindo esta versão amortecimento variável consoante o modo de condução. A direção é igualmente mais vaga, mas sem que o DS 7 flutue em demasia, surgindo sempre controlado às mãos e às sensações do condutor. O eixo traseiro é pouco cooperante na agilidade, estando mais preocupado em criar estabilidade suplementar em velocidades elevadas e em autoestrada; e quando em afinação mais desportiva, as rodas traseiras tendem a estremecer um pouco em mau piso.

Nesta concertação de comodidades quase ímpares no segmento, tanto o motor 2.0 BlueHDi como a caixa automática de 8 relações trabalham em harmonia total: as trocas são mais suaves do que despachadas e a mecânica surge concentrada na capacidade de resposta e não tanto no ímpeto de ganho de velocidade – daí as medições de performance pura resultarem em vantagem clara para o Alfa.

O DS, sempre preocupado com o bem-estar a bordo, configura interior mais vanguardista, dominado pelo enorme ecrã tátil central de 12’’ e grafismo não só mais moderno, mas com superior definição, mas também pela instrumentação totalmente a cargo de solução digital, com vários modos de visualização. Mas nem tudo poderá agradar em termos de utilização quotidiana, levando algum tempo à adaptação ao botão de ignição na consola central ou aos comandos dos vidros elétricos, ao centro, a ladear a caixa de velocidades. No interior do DS, pese a excelente qualidade de todos os revestimentos, todos os motivos decorativos centrados no tema losango podem cansar um pouco e tornar o ambiente pesado e confuso. No Alfa Romeo, ambiente mais minimalista e centrado no condutor.

Estamos perante situação em que poderá ser injusto falar de vencedor ou vencido: são dois carismáticos SUV de prestígio, focados em valores muito próprios, com o DS mais orientado para ambiente requintado, muita tecnologia ao serviço do bem-estar a bordo, muito equipamento de conforto e postura em estrada totalmente focada na serenidade. No lado do Alfa Romeo Stelvio, em particular na versão B-Tech, foco total na dinâmica e nos aspetos desportivos, sejam na imagem, sejam sensoriais. Embora o preço base das versões seja equiparado, o valor do Stelvio poderá ser reduzido em 8000 euros no âmbito de campanha em vigor.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

ALFA ROMEO STELVIO

2.2 TD B-TECH Q2

DS 7 Crossback

BLUEHDI GRAND CHIC

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 2143 cc 1997 cc
Alimentação Inj. direta CR, TGV, intercooler Inj. direta CR, TGV, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16 v 2 a.c.c./16v
Potência 190 cv/3500 rpm 180 cv/3750 rpm
Binário 450 Nm/1750 rpm 400 Nm/2000 rpm
Transmissão
Tração Traseira Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades Automática de 8 velocidades
Chassis
Suspensão F Ind. Duplos triângulos Ind. McPherson
Suspensão T Ind. Multibraços Ind. Multibraços
Travões F/T Discos ventilados Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/11,7 m Elétrica/10,5 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,687/1,903/1,666 m 4,570/1,895/1,620 m
Distância entre eixos 2,818 m 2,738 m
Mala 525 litros 555 litros
Depósito de combustível 58 litros 55 litros
Pneus F 8jx18 - 235/60 R18 8jx18 - 235/55 R18
Pneus T 8jx18 - 235/60 R18 8jx18 - 235/55 R18
Peso 1735 kg 1610 kg
Relação peso/potência 9,1 kg/cv 8,9 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 210 km/h 218 km/h
Acel. 0-100 km/h 7,6 s 9,4 s
Consumo médio 5,3 l/100 km 4,9 l/100 km
Emissões de CO2 139 g/km 128 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos ou 120.000 km 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 2/8 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 20000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 258,78 € 258,78 €

Medições

ALFA ROMEO

Acelerações
0-50 km/h 2,4 s
0-100 / 130 km/h 7,6 s
0-400 / 0-1000 m 15,2 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,5 s
60-100 km/h (D) 4,2 s
80-120 km/h (D) 5,5 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,7/8,7 m
Consumos
Consumo médio 7,6 l/100km
Autonomia 763 km

Medições

DS

Acelerações
0-50 km/h 3,3 s
0-100 / 130 km/h 9,3 s
0-400 / 0-1000 m 16,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 4 s
60-100 km/h (D) 4,9 s
80-120 km/h (D) 6,3 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,2/8,9 m
Consumos
Consumo médio 7,4 l/100km
Autonomia 743 km