Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Com a introdução de mais e melhores equipamentos, a marca americana adiciona muita sofisticação a automóvel que continua fiel à filosofia original de ‘duro’ do Willys, o famoso 4x4 da II Guerra Mundial Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Na variante mais curta, com carroçaria de 2 portas e apenas 2 lugares, bagageira XXL cNo Wrangler, painel de bordo muito modernizado Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Intrumentação modernizada inclui painel digital com todas as informações de bordo e de condução essenciais, e configurável Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon No painel de instrumentos, comandos para bloquear o eixo traseiro ou ambos os eixos e desconectar a barra estabilizadora Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Jeep Wrangler Rubicon Eles levam-nos onde não julgamos possível! Ainda há puros e duros, fiéis ao velho espírito do 'antes quebrar que torcer'... Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Com apenas 3,65 m de comprimento, o Suzuki Jimny é o todo-o-terreno mais pequeno do mercado Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Dois mostradores redondos analógicos e pequeno ecrã digital para o computador de bordo. Decoração de ‘contexto’ minimalista Equipamento de série do nível ‘Mode 3’ inclui alerta de mudança de faixa e sistema autónomo de travagem de emergência Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 O espaço em largura não é famoso em nenhuma posição, mas o mais preocupante é o espaço para pernas nos lugares traseiros Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3 Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3

Jeep Wrangler Rubicon vs Suzuki Jimny 1.5 VVT Mode 3

Bichos do mato

CONFRONTO

Por Vítor Mendes da Silva 29-06-2019 13:00

Fotos: Gonçalo Martins

Em tempos como estes, em que os limites do progresso tecnológico do hardware (chassis e motores já não têm muito por onde evoluir (à exceção da propulsão elétrica), e é cada vez mais o software a marcar diferenças, não surpreende que a maioria dos fabricantes de automóveis TT se dedique muito mais ao aburguesamento da fórmula, contando-se pelos dedos de uma mão os que ainda apresentam no seu portefólio automóvel fiel à receita original de puro e duro. A Jeep é marca que não abdica de modelo old school: o Wrangler. No desenvolvimento da geração nova (JL) de ícone da indústria automóvel, os especialistas da Jeep não mexeram quase um milímetro nas formas e na silhueta quadradonas, mantendo-se fiéis ao desenho original do veículo de origem militar, o mesmo acontecendo com alguns pormenores deliciosamente retro, como as braçadeiras laterais que servem para fechar o compartimento do motor, a enorme grelha com sete barras verticais ou os faróis redondos, bem simples.

Mas o que se aplaude é a jura de fidelidade a fórmula à antiga de carroçaria de aço suportada por estrutura com longarinas e travessas, suspensões de eixos rígidos, molas helicoidais, escora transversal e barras estabilizadoras. Sim, é um duro, como já não se fazem… muitos! Porque a Jeep não está sozinha nesta guerra.

Por menos de metade do preço que custa o herdeiro direto do americaníssimo Willys da II Grande Guerra (na versão de topo da gama Wrangler, com apenas duas portas e outros tantos lugares, vantagem comercial, custando 59.500 €, valor que não sendo propriamente acessível, sempre é mais aceitável que os quase disparatados 68.500 € que a marca norte-americana pede pela variante de quatro lugares…), a Suzuki oferece modelo com os mesmos dotes de… montanheiro, o Jimny.

Há quase 50 anos que o mais pequeno todo-o-terreno do mercado dá provas de pertencer a uma elite de veículos capazes de enfrentar terrenos impossíveis. O Jimny não é espaçoso, parece caber na bagageira do Wrangler, quase não tem mala, não é rápido, não é muito confortável, mas tem carisma e capacidade para divertir no TT. Nesta nova geração, há que destacar a evolução na vertente tecnológica do sistema de entretenimento, o motor mais silencioso e pujante e ainda o notável acréscimo de equipamento, nomeadamente de segurança.

Mas vamos à novidade mais relevante: sob o capot encontramos o quatro cilindros a gasolina de 1,5 litros e 102 cv, que substitui o 1.3 da geração anterior, com 83 cv. Acoplado a caixa manual de cinco velocidades, a mecânica tem um pouco mais de músculo face à anterior, o que lhe confere sobretudo capacidade superior para enfrentar terrenos mais difíceis, pois as vantagens em estrada, embora existam, não sejam muito relevantes, com o Jimny a continuar a ser um automóvel lento.

O Suzuki herda do antecessor o bom desempenho em off-road sem grandes recursos eletrónicos: a tração acontece, por defeito, nas rodas traseiras e o eixo dianteiro (4H) é conectado manualmente num seletor posicionado atrás da caixa de velocidades, à antiga, onde se engrenam também as redutoras (4L), num regresso às origens que se saúda, visto que na geração anterior as funções referidas eram inseríveis por botão.

Atiramo-nos para fora de estrada com o Jimny, enfrentando os mesmo trilhos de pedregulhos mais altos que o Wrangler galgou com à vontade. Parece ensinado. Graças também aos amplos ângulos de TT – 37.º de ataque, 28.º ventral (antes 31.º) e 49.º de saída, o pequeno japonês vai esgravatando o caminho monte acima e só as rodas traseiras patinam um pouco à procura de tração. É um duro, nenhuma dúvida. A posição de condução é correta, sobrelevada como se recomenda nos TT, embora o assento não disponha de regulação em altura. Em contraponto, o volante, apenas desta dispõe...

O Jimny tem (exclusivamente) três portas e no acesso aos bancos traseiros necessário (como é óbvio) mover o banco da frente, em dois movimentos. O acesso aos lugares posteriores é exíguo e a altura ao solo não ajuda. Contingências de um TT de tamanho XS. A bagageira tem apenas 85 litros. Com o rebatimento dos bancos de trás (reduzindo assim a lotação a duas pessoas), o volume de carga sobe para 377 litros.

Brilhante em TT é também o Wrangler, com tração 4x4 inserível, bloqueios de diferenciais e ângulos específicos para atacar qualquer obstáculo. Pela primeira vez, diferencial central permite circular com quatro rodas motrizes sobre superfícies muito aderentes. E incansável Diesel de 200 cv, no lugar de motor VM de 2,8 litros com semelhante potência, e arsenal técnico para o todo-o-terreno mais exigente. A lista de elementos exclusivos inclui sistema de tração integral Rock-Trac (rácio 4:1 nas relações baixas), diferenciais TruLok (é possível bloquear-se o diferencial traseiro ou ambos, em simultâneo), barra estabilizadora dianteira desconectável (desligando-a, aumenta-se o curso da suspensão) e pneus BFGoodrich Mud Terrain T/A KM2 de série, em vez dos Bridgestone Dueler H/T. Dotação que torna o Wrangler praticamente imparável quando o terreno se compõe de pó, terra e lama, apresentando-se escorregadio ou atulhado de pedras.

Rolando no asfalto, são rijos, desconfortáveis e pouco práticos, mas quem os conduz não espera outra coisa. Jeep Wrangler e Suzuki Jimny são automóveis de outra escola, a velha escola dos todo-o-terreno puros e duros! Dispondo de motor com o dobro da potência e infindável lista de sistemas de apoio à condução fora de estrada, o Wrangler está para o Jimny como Golias para David, mas como na história bíblica, também aqui o mais pequeno (e mais barato!) não vira a cara à luta. Não vence, mas não é derrotado.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

JEEP WRANGLER

Rubicon

SUZUKI JIMNY

1.5 VVT MODE 3

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 2143 cc 1462 cc
Alimentação Inj. dir. CR, Turbo, intercooler Injeção eletrónica multiponto
Distribuição 2 a.c.c./16v 2 a.c.c./16v
Potência 200 cv/3500 rpm 102 cv/6000 rpm
Binário 450 Nm/2000 rpm 130 Nm/4000 rpm
Transmissão
Tração Traseira ou 4x4 inserível Traseira; integral inserível+red.
Caixa de velocidades Automática de 8 velocidades Manual de 5 velocidades
Chassis
Suspensão F Eixo rígido Eixo rígido
Suspensão T Eixo rígido Eixo rígido
Travões F/T Discos ventilados/Discos Discos ventilados/Tambores
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,2 m Elétrica/12,1 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,223/1,873/1,865 m 3,480/1,645/1,720 m
Distância entre eixos 2,424 m 2,25 m
Mala - 85-377 litros
Depósito de combustível 66 litros 40 litros
Pneus F 255/70 R18 5,5jx15-195/80 R18
Pneus T 255/70 R18 5,5jx15-195/80 R18
Peso 1933 kg 1435 kg
Relação peso/potência 9,6 kg/cv 14 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 160 km/h 140 km/h
Acel. 0-100 km/h 9,6 s -
Consumo médio 7,4 l/100 km 6,8 l/100 km
Emissões de CO2 195 g/km 154 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 2 anos sem limite de km 3 anos ou 100.000 km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/12 anos
Intervalos entre revisões 20000 km 30000 km
Imposto de circulação (IUC) 41383 € 168,98 €

Medições

JEEP

Acelerações
0-50 km/h 3,9 s
0-100 / 130 km/h 10,7 s
0-400 / 0-1000 m 17,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 5,3 s
60-100 km/h (D) 7 s
80-120 km/h (D) 7,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 42/10,1 m
Consumos
Consumo médio 10,6 l/100km
Autonomia 660 km

Medições

SUZUKI

Acelerações
0-50 km/h 4,2 s
0-100 / 130 km/h 12,4 s
0-400 / 0-1000 m 18,5 s
Recuperações
40-80 km/h 3.ª 6,8 s
60-100 km/h 3.ª/4.ª/5.ª 7,1/10,8 s
80-120 km/h 4.ª/5.ª/6.ª 13,2/21,2 s
Travagem
100-0/50-0km/h 39/9,5 m
Consumos
Consumo médio 7,6 l/100km
Autonomia 526 km