Audi A6 Avant 40 TDI Design S Tronic vs Mercedes-Benz E 220 d Station

SUV o quê?...

CONFRONTO

Por João da Silva 02-02-2019 09:00

Fotos: Gonçalo Martins

Uma das consequências mais diretas da avassaladora presença dos SUV nas estradas foi o progressivo desaparecimento das carrinhas, outrora um dos formatos preferenciais das famílias. Ainda assim, muitos são os que ainda resistem à moda e não abdicam do formato familiar mais tradicional, as carrinhas, seguramente a melhor solução na combinação de capacidade de transporte de passageiros, bagagem, conforto e dinâmica.

Dois dos expoentes máximos dessa categoria estão em confronto nestas páginas: a nova geração da Audi A6 Avant e Mercedes-Benz Classe E Station, modelo já lançado há cerca de 2 anos. Aliás, a esse respeito, podemos até arriscar que qualquer proprietário de um destes modelos de gerações anteriores, mesmo com 10 ou 15 anos, seguramente está ainda muito bem servido, pois são automóveis fabricados para durar uma vida em condições impecáveis de utilização. Naturalmente que cada geração nova integra evoluções espetaculares, sobretudo no que toca à tecnologia.

Na carrinha A6, por exemplo, testámos a versão de entrada 40 TDI, com motor de 4 cilindros, 2 litros e 204 cv, associado a caixa automática de dupla embraiagem S Tronic com sete velocidades e tecnologia semi-híbrida com sistema de 48V que, segundo a Audi, garante reduções de consumos na casa dos 0,7 l/100 km. Não se trata, obviamente, de um sistema híbrido convencional que permita circulação em modo elétrico, mas é curioso que a Audi tenha enfatizado bastante esta solução «semi-híbrida» que equipa todas as motorizações da gama na fase de lançamento do modelo… Na prática, o sistema funciona da seguinte forma: durante a travagem, o alternador/motor de arranque consegue recuperar até 12 kW de energia, a qual é armazenada numa pequena bateria de iões de lítio; isto permite que o sistema start-stop entre em funcionamento abaixo dos 22 km/h e que o motor se desligue quando não é necessária carga no acelerador, em velocidade de cruzeiro entre os 55 e os 160 km/h. Gostámos bastante de guiar a A6 Avant 40 TDI. A proposta a gasóleo mais acessível da gama revelou-se muito suave e silenciosa, quase não chegando ao habitáculo ecos do seu funcionamento, situação elogiosa em simultâneo para a mecânica e para os muito bons isolamentos do compartimento do motor e do habitáculo. Num Audi, outra coisa não seria de esperar. Contudo, e sendo mais potente que a carrinha rival, perde nas prestações...

Na carrinha Mercedes-Benz E 220 d encontramos 4 cilindros de 2 litros e 194 cv, gerido por caixa automática 9G-Tronic. Suavidade e contido ruído de funcionamento são também atributos, ao que acresce, ao 40 TDI, maior rapidez na aceleração e nas retomas, o que terá mais a ver com diferenças na afinação das respetivas caixas de velocidades do que com qualquer outra coisa, até porque os pesos dos conjuntos são muito aproximados: 1785 kg no Audi, 1780 kg no Mercedes. A carrinha da marca da estrela volta a superiorizar-se nos consumos, conseguindo média de 6,7 litros a cada 100 quilómetros, aos 7 litros da A6, um valor bastante longe dos 4,3 l/100 km anunciados. Certamente que as jantes de 19 polegadas, montadas em pneus com a medida 245/45 R19, que equipavam a unidade que testámos, agravaram o consumo à versão base com jantes de 17’’, mas ainda assim não é realista pensar que se consegue baixar muito dos 7 litros… Atenção: nenhuma das médias é excessiva tendo em conta a potência, peso e prestações destas carrinhas.

Mas, neste contexto, mais importante do que as mecânicas é o que está relacionado com o conforto, habitabilidade e volumetria das bagageiras. E começando precisamente pelo fim, que diferença abissal entre os compartimentos de Mercedes e Audi, que diferem, com vantagem para o primeiro, em nada menos do que 75 litros na configuração standard do compartimento e 140 litros na sua capacidade máxima, com os bancos traseiros rebatidos. Para acionar mais comodamente o mecanismo que baixa as costas dos bancos, as duas carrinhas dispõem de simples botões (na Mercedes elétrico, na Audi mecânico) alcançáveis na abertura da bagageira, as quais estão equipadas de série com abertura e fecho elétrico.

Nos habitáculos destas carrinhas, espaço naturalmente abundante, sendo as diferenças mínimas entre ambas. À frente, a Classe E Station destaca-se ligeiramente por oferecer mais 2 cm na largura, mas nos lugares de trás é quase tudo igual. Quanto às estruturas e design das secções dianteiras, são ambas modernas e funcionais, pelo que as preferências terão mesmo a ver com o gosto de cada um. Menos a ver com gosto e mais com conceção tem a ergonomia, e aí temos de fazer um reparo à dupla de ecrãs posicionados um por cima do outro na consola do Audi: o ecrã principal devia estar posicionado um pouco mais acima, pois onde está obriga o condutor a desviar em demasia o olhar da estrada para o gerir.

Por fim, a dinâmica: simplesmente soberba a carrinha da Audi no fator diversão, graças ao grande equilíbrio do chassis que lhe confere uma leveza e agilidade incomparáveis. E nem por isso desconfortável, muito pelo contrário, apresenta-se equiparada à Mercedes, ambas dotadas de boa capacidade de filtragem. No Classe E, em particular, nada falha na competência dinâmica ou na segurança, mas no prazer de condução, está abaixo da compatriota.

Nenhuma dúvida de que se tratam duas das melhores carrinhas do mundo, pelo que é extremamente difícil encontrar-lhes pontos menos positivos que as possam distinguir entre si. Têm, isso sim, características diferentes que acabam por ser mais ou menos valorizadas por quem opina e pontua numa comparação. Contas feitas, a carrinha da Mercedes revelou-se globalmente mais forte, destacando-se pela bagageira e prestações. Já a carrinha da Audi, destaca-se pela dinâmica, estipulando, acreditamos, novos patamares de eficácia e diversão nesse particular.

Ler Mais

Ficha Técnica

Características

AUDI A6

Avant 40 TDI Design S Tronic

MERCEDES E

220 d Station

Motor
Arquitetura 4 cilindros em linha 4 cilindros em linha
Capacidade 1968 cc 1950 cc
Alimentação Inj. Dir. CR., TGV, Intercooler Inj. direta CR, TGV, intercooler
Distribuição 2 a.c.c./16v 2 a.c.c./16v
Potência 204 cv/3750-4200 rpm 194 cv/3800 rpm
Binário 400 Nm/1750-3500 rpm 400 Nm/1600-2800 rpm
Transmissão
Tração Dianteira Traseira
Caixa de velocidades Automática de 7 vel. Automática de 9 vel.
Chassis
Suspensão F Ind. triângulos duplos Ind. McPherson
Suspensão T Eixo Multibraços Eixo Multibraços
Travões F/T Discos ventilados Discos ventilados
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,1 m Elétrica/11,6 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,939/1,886/1,467 m 4,933/1,852/1,475 m
Distância entre eixos 2,924 m 2,931 m
Mala 565-1680 litros 640 - 1820 litros
Depósito de combustível 73 litros 66 litros
Pneus F 8,5jx19-245/45 R19 7jx17 - 225/55 R17
Pneus T 8,5jx19-245/45 R19 7jx17 - 225/55 R17
Peso 1785 kg 1780 kg
Relação peso/potência 8,75 kg/cv 9,2 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 241 km/h 235 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,3 s 7,7 s
Consumo médio 4,5 l/100 km 4,2 l/100 km
Emissões de CO2 119 g/km 109 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica 4 anos ou 80.000 km 2 anos sem limite de km
Pintura/Corrosão 3/12 anos 3/30 anos
Intervalos entre revisões 30000 km 25000 km
Imposto de circulação (IUC) 221,7 € 221,7 €

Medições

AUDI

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 8,5 s
0-400 / 0-1000 m 16,1 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,8 s
60-100 km/h (D) 5 s
80-120 km/h (D) 5,8 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35/9 m
Consumos
Consumo médio 7 l/100km
Autonomia 1042 km

Medições

MERCEDES

Acelerações
0-50 km/h 3 s
0-100 / 130 km/h 7,7 s
0-400 / 0-1000 m 15,6 s
Recuperações
40-80 km/h (D) 3,5 s
60-100 km/h (D) 4,5 s
80-120 km/h (D) 5,7 s
Travagem
100-0/50-0km/h 35,1/8,8 m
Consumos
Consumo médio 6,7 l/100km
Autonomia 985 km