Fiat 500

Sinais dos tempos

Apresentação

Por José Caetano 24-02-2021 09:05

A geração nova do 500 não tem motores térmicos a gasolina e gasóleo, o que acontece pela 1.ª vez na história do modelo apresentado pela Fiat, originalmente, em 1957. Vive-se mudança de paradigma no automóvel e a marca italiana (re)posiciona-se na linha da frente da corrida à eletrificação

A Comissão Europeia, antecipando investimento sem precedentes na história da indústria automóvel, consequência da imposição de regras de proteção ambiental cada vez mais restritivas, ambiciona contar com o número mínimo de 30 milhões de viaturas elétricas nas estradas do Velho Continente até ao final da década. A determinação pressupõe uma reação positiva dos fabricantes, genericamente comprometidos com uma mudança no paradigma dominante há mais 100 anos. Por isso acelera-se a democratização das máquinas elétricas em paralelo com o abandono dos motores térmicos a gasolina e gasóleo.

A estratégia é muito ambiciosa: atualmente, na Europa, circulam apenas 1,4 milhões de automóveis elétricos, mas estima-se que o número de viaturas eletrificadas, entre carros alimentados apenas por baterias e híbridos com tecnologia de recarga externa dos acumuladores de energia (Plug-In), aumente para cerca de 28 milhões até 2028. A FCA, na antecâmara da fusão com a consórcio PSA, compromete-se com o futuro, com geração nova do 500, que produz sem motores de combustão interna.

Fabricado em Mirafiori, Turim (Itália), numa infraestrutura com capacidade para 80.000 exemplares do 500 novo por ano, o Fiat concorre com Renault Twingo Electric e VW e-Up no segmento dos citadinos elétricos. No modelo italiano, duas potências e duas baterias. Na versão mais acessível (Action), disponível apenas na berlina compacta de 3 portas, motor com 70 kW/95 cv, bateria de iões de lítio com 23,7 kWh e até 185 km de autonomia, de acordo com o protocolo de homologação WLTP, o mais moderno. Nas outras, motor elétrico com 87 kW/118 cv, bateria de iões de lítio com 42 kWh e até 320 km de ação muito silenciosa e sem gases de escape. Na segunda opção, à disposição, três pacotes de equipamento (La Prima, Passion e Icon) e três carroçarias (somam-se o Cabrio e o 3+1, variante que tem a particularidade de contar com miniporta traseira no lado do passageiro para acesso mais fácil aos lugares posteriores).

A geração nova do 500 não significa o fim da carreira do 500 de 2007, citadino inspirado em automóvel de 1957 que a marca italiana produziu até 1975. Durante a mudança de paradigma, a coabitação de tecnologias beneficia, principalmente, os consumidores, que dispõem de alternativa( s). Comparando os modelos, o de 2020 estreia plataforma e é maior tanto em comprimento (12 cm) como em largura (6 cm) e altura (4 cm). A capacidade da mala mantém-se (apenas 185 litros), mas a habitabilidade e a posição de condução melhoram significativamente (no segundo caso, o progresso deve-se tanto ao reposicionamento do assento, mais baixo, como à adoção da regulação em alcance da coluna da direção, recurso que não encontramos na 1.ª geração do 500 do Século XXI).

No habitáculo do citadino transalpino, menos comandos físicos, mais compartimentos para arrumação de objetos e mão cheia de detalhes inovadores, vide comandos que abrem ou fecham as portas. Nas versões Passion e Icon, equipamentos multimédia com ecrãs de 7’’ e 10,25’’, respetivamente, que admitem conectividade com Apple CarPlay e Android Auto. A climatização tem comandos independentes abaixo do ecrã digital no centro do painel de bordo e acima dos seletores dos programas de atuação da caixa de velocidades. Finalmente, na consola entre os bancos dianteiros, à direita, elegem-se os três programas de condução: Normal, Range e Sherpa.

Os modos de ação diferenciam-se pela capacidade de retenção do motor elétrico, maior no Range ou no Sherpa. No Normal, esta função encontra-se indisponível, com o 500 a movimentar-se só pela inércia a partir do momento em que o condutor retira o pé do acelerador. No segundo, conduz-se, muito facilmente, sem recurso ao travão. No terceiro, otimiza- se a autonomia, quer limitando a velocidade máxima apenas a 80 km/h, quer parando a atuação da climatização e do aquecimento dos bancos ou diminuindo a reatividade do acelerador. Dispondo apenas de 24 km de carga nas baterias de iões de lítio, automaticamente, ativa-se outro programa, o Tortuga, que limita a potência e bloqueia o consumo elétrico de todos os componentes não essenciais do automóvel.

No Fiat 500, motores da GKN Automotive e baterias da Samsung. A maior tem 192 células de iões de lítio, a mais pequena apenas 108. Ambas estão arrumadas debaixo do piso do habitáculo, posicionamento que baixa o centro de gravidade e beneficia a repartição do peso entre os eixos, características com impacto muito positivo no desempenho de citadino que acelera de 0 a 100 km/h em 9 s e convence pelo comportamento ágil, equilibrado, preciso. E, como os concorrentes, reage mais rapidamente às ordens do condutor do que modelo equivalente com mecânica de combustão, devido à disponibilidade instantânea do binário.

Independentemente da bateria, o carregamento numa tomada doméstica de 2,3 kW, a operação é muito demorada (o ritmo é de 14 km de autonomia por hora). Todavia, nos Fiat 500 com bateria de 42 kWh, hipótese de alimentação na rede pública, de corrente contínua, à potência máxima de 85 kW. Nesta circunstância, 100% da energia recuperada em 35 minutos.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

FIAT 500

Elétrico

Motor
Tipo Elétrico, síncrono
Potência 118 cv/87 kW
Binário 118 cv/87 kW
Bateria Iões de lítio
Capacidade útil 37,3 kWh
Tempo de carga (0-80%) -
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática de 1 velocidade
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo de torção
Travões F/T Discos ventilados/Tambores
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/9,7
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 3,632/1,683/1,527 m
Distância entre eixos 2,322m
Mala 185 litros
Depósito de combustível -
Pneus F 195/55 R16
Pneus T 195/55 R16
Peso 1440 kg
Relação peso/potência 12,2 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 150 km/h
Acel. 0-100 km/h 9 s
Consumo médio 14 kWh/100 km
Autonomia 14
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Bateria -
Imposto de circulação (IUC) -

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação