Land Rover Defender

Rei morto, rei posto!

Apresentação

Por José Caetano 15:15

A Land Rover, oito anos depois das estreias mundiais de DC100 e DC100 Sport, dois protótipos apresentados na edição-2011 do IAA (Frankfurt), materializa, finalmente!, projeto com muitos anos: o lançamento de geração nova do Defender, o automóvel na origem do fabricante britânico. E é apenas a 2.ª desde a introdução do original, em abril de 1948! Depois, o todo-o-terreno de referência, estatuto que partilha com outro peso pesado, o Jeep Wrangler, manteve-se quase sete décadas (68 anos!) em produção nas linhas de montagem de Solihull, em Inglaterra, sobrevivendo até a proibição das vendas nos EUA, devido ao incumprimento das normas de segurança. No Capítulo I da história, ponto final a 29 de janeiro de 2016...

Na 2.ª geração do Defender, sem qualquer surpresa, a Land Rover não mantém pedra sobre pedra! Em 70 anos, registaram-se progressos tecnológicos incríveis tanto na indústria como no automóvel. Atualmente, como prioridades, digitalização e eletrificação. Logo, evolução impossível, revolução obrigatória, que o desenho assinado por Gerry McGovern & Cia. prenuncia. A plataforma é nova (D7x) e a fábrica também (Nitra, na Eslováquia). Somando tudo, em vez de TT puro e duro, TT luxuoso e sofisticado, mudança que não significa perda de competências no fora de estrada e na transposição de obstáculos… Pelo contrário, nestes capítulos, mais e melhores capacidades, precisamente devido à combinação de estrutura monobloco em alumínio com os recursos técnicos mais modernos. Por isso atuação do condutor reduzida ao minimo, também no fora de estrada, eletrónica (quase...) sempre no comando das operações!

Para o arranque da carreira comercial do Defender novo, a Land Rover preparou duas variantes, com 3 e 5 portas (respetivamente, 90 e 110). A primeira tem 4,323 m de comprimento (4,583 m com a roda de reserva montada no exterior do portão), 2,587 m entre eixos e, no interior, 5 ou 6 lugares. Na segunda, 4,759 m de comprimento (4,518 m), 3,002 m entre eixos e 5, 6 ou 7 lugares. No «melhor Defender de sempre», diz-nos Mike Cross, encontra-se sistema de informação e entretenimento que permite atualizações sem fios do software (PIVI Pro). No monitor a cores e tátil arrumado no centro do painel de bordo selecionam-se os modos de condução e os programas do Terrain Response 2, entre muitas outras funções do automóvel. No primeiro caso, três possibilidades à disposição, todas com intervenção direta na velocidade de resposta do motor ao acelerador, no funcionamento da caixa automática, na sensibilidade da direção e, ainda, no comportamento do sistema de quatro rodas motrizes, com diferencial central que admite bloqueio.

O menu da tração integral inclui função Wade que facilita passagens a vau, transposição de cursos de água. O programa reconfigura o funcionamento da ventilação e a circulação do ar no interior do automóvel, suaviza o funcionamento do acelerador, aumenta a altura da carroçaria ao solo (a suspensão pneumática permite até mais 75 mm ou menos 50 mm, de acordo com as características da condução), regula a atuação dos diferenciais e ativa o programa Wade Sensing para o condutor observar o nível de água. Ultrapassados os limites, assistência eletrónica pressiona as pastilhas dos travões contra os discos, limpando-os e secando-os. Complementarmente, no Defender novo, também para mais liberdade de movimentos fora de estrada, Clear Sight Ground View mostra-nos a posição das rodas dianteiras, debaixo do capot, que elimina do campo de visão. Outros opcionais: Head-Up Display, Activity Key, acesso e arranque sem chave ou aplicação para telemóvel, para controlo remoto de várias funcionalidades da viatura.

No Defender 90, dispondo-se de suspensão pneumática (alternativa ao sistema metálico de molas helicoidais, de série), capacidades TT execionais, vide ângulos específicos, capacidade de vau 45º de capacidade de declive (ascendente ou descendente) e 45º de inclinação lateral. Somem-se a caixa de transferências de duas velocidades e o diferencial traseiro ativo. O Land Rover reboca até 3500 kg. No catálogo, dois motores a gasolina e dois a gasóleo apoiados por caixas de 8 velocidades, automáticas. Os primeiros são os SD4 com 200 cv e 240 cv, turbodiesel com 4 cilindros e 2 litros. Entre os segundos, 4 cilindros Si4 (2.0 Turbo, 300 cv) e 6 cilindros i6 (3.0 Turbo, 400 cv). Na mecânica mais potente, sistema MHEV. Para 2021, promessa de híbrido com tecnologia de carregamento externo da bateria (plug-in).

No mercado português, o 90 disponível a partir de 85.291 € e o 100 desde 92.898 €, nas versões Defender, S, SE, HSE, Defender X ou First Edition, que podem combinar-se com os pacotes de acessórios Explorer, Adventure, Country e Urban. As entregas do 5 portas iniciar-se-ão durante a próximo primavera, enquanto o 3 portas tem entrada em cena planeada apenas para o outono.

No Defender, independentemente da mecânica, do nível de equipamento ou do pacote de acessórios, interiores com apresentação robusta e requintada, materiais e montagem de qualidade. No piso, revestimentos em borracha, resistentes e fáceis de limpar.

‘Mentes abertas e conduzam-no’

Mike Cross, engenheiro-chefe do consórcio Jaguar Land Rover, concorda que o Defender novo poloriza opiniões, sobretudo entre os proprietários do automóvel que a marca deixou de produzir no final de janeiro de 2016, mas responde aos mais céticos: «Mentes abertas e conduzam-no!». É verdade.

Cross compara o Defender a «hovercraft. É muito refinado, silencioso e sofisticado. E comporta-se tão bem na estrada como no todo-o-terreno. O protótipo tem motor de 6 cilindros a gasolina, com 400 cv, suspensão com molas pneumáticas e amortecimento variável controlado electronicamente, rodas de 20’’, pneus Pirelli desenvolvidos à medida, etc. O 110, comparado com o 90, por contar com maior distância entre eixos, impressiona ainda mais pelo nível de conforto em todos os tipos de pisos. A variante mais curta supera-o somente no fora de estrada e em condições extremas», explica.

A equipa de desenvolvimento percorreu muitos milhares de quilómetros ao volante de protótipos do Defender. Em Gaydon, Inglaterra, no centro de desenvolvimento da Jaguar Land Rover, Mike Cross apresentou-nos as capacidades do automóvel, primeiro em circuito de velocidade, depois em pistas que simulam as características das B roads da Grã-Bretanha, maioritariamente irregulares. No primeiro caso, referindo a limitação da velocidade a 190 km/h, automóvel confortável, estável, preciso e seguro. No segundo, mais do mesmo... Combinando a arquitetura monobloco em alumínio com a suspensão independente às quatro rodas (até 2016, estrutura de longarinas e travessas com eixos rígidos), rolamento mínimo da carroçaria, solidez acima da média.

Tecnologia MHEV acelera eletrificação

No Defender mais potente (400 cv), com motor de 6 cilindros e 3 litros a gasolina, tecnologia elétrica microhíbrida (MHEV) estreada no Range Rover Evoque. O sistema de 48v assenta em motor-gerador que recupera energia durante as desacelerações e as travagens, armazenando-a em bateria de iões de lítio. Depois, trabalha como motor de arranque e assiste a mecânica térmica nas acelerações, fornecendo suplemento de binário – ótimo a baixa velocidade, sobretudo em TT. Este programa também apoia o Start-Stop, ativando-o abaixo dos 17 km/h. O MHEV aumenta a eficiência na condução, por reduzir consumos e gases de escape, e melhora o conforto (arranques mais suaves). Importante: o sistema atua automaticamente, por isso aumentando a facilidade na condução. Outra mais-valia: no nosso País, a tecnologia garante benefício fiscal (pagamento de 60% do Imposto Sobre Veículos). Em 2021, híbrido com recarga externa das baterias (PHEV).

Na Land Rover, rei morto, rei posto! A marca inglesa hesitou na sucessão do Defender, devido à impossibilidade de produzir automóvel igual ao original, desde logo devido ao aumento das restrições nos capítulos das emissões poluentes e da segurança. O Sport Utility Vehicle novo aproxima-se muitíssimo mais do Range Rover que do antecessor e transporta-nos para dimensão desconhecida, por combinar qualidades dinâmicas excecionais com aptidões TT fora de série!

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

LAND ROVER DEFENDER

ap

Motor
Arquitetura 6 cilindros em linha
Capacidade 2996 cc
Alimentação Injeção direta, Turbo, Intercooler
Distribuição 2 a.c.c/24 v
Potência 400 cv
Binário 550 Nm
Transmissão
Tração Integral permanente
Caixa de velocidades Automática de 8 vel., Redutoras
Chassis
Suspensão F Ind. multibraços, pneumática
Suspensão T Ind. multibraços, pneumática
Travões F/T Discos ventilados (363/350 mm)
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/12,84 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,758/1,996/1,967 m
Distância entre eixos 3,002m
Mala 857-1946 litros
Depósito de combustível 90 litros
Pneus F 8,5jx20-255/60 R18
Pneus T 8,5jx20-255/60 R18
Peso 2361 kg
Relação peso/potência 590 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 191 km/h
Acel. 0-100 km/h 6,1 s
Consumo médio 11,2 l/100 km
Emissões de CO2 220 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Intervalos entre revisões -
Imposto de circulação (IUC) -

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação