Lexus UX 250h

Referências debaixo de olho

Apresentação

Por José Caetano 26-05-2019 09:00

A 19 de fevereiro, a Lexus vendeu o automóvel 10 milhões. Criada em 1989, com os EUA como alvo, a divisão de luxo da Toyota impôs-se, muito rapidamente, no segmento do luxo, no outro lado do Atlântico, superiorizando-se a Audi, BMW e Mercedes. Entretanto, em simultâneo com a introdução de programa de globalização, Europa debaixo de olho, embora a marca nunca renunciasse à posição privilegiada de que desfruta na América do Norte (imagem e vendas). Em 2019, coincidindo com o 30.º aniversário, introdução do UX, Sport Utility Vehicle (SUV) compacto à medida do Velho Continente… E, assim, sim!, o objetivo-2020 de transposição da fasquia das 100.000 viaturas matriculadas/ano neste lado do Oceano é realista. Em 2018, 5.º ano consecutivo de crescimento na região, com 76.188 carros!

A Lexus pretende diferenciar-se na paisagem automóvel quer pelo desenho, quer pelas qualidades dos modelos que produz. O UX foi desenvolvido com Q3, X1 e GLA como alvos – na categoria, na Europa, são os modelos de referência. O automóvel estreia a plataforma GA-C (acrónimo de Global Architecture Compact), estrutura que tem como base a TNGA dos Toyota CH-R, Corolla e Prius. Mas, mesmo partilhando os 2,640 m entre eixos com o concorrente de Nissan Qashqai & Cia, o UX apresenta-se com arquitetura muito otimizada, sobretudo no capítulo da rigidez, item determinante em todos os itens relevantes, do conforto à dinâmica, da eficiência à segurança.

Comercialmente, UX na base da gama de SUV da Lexus, abaixo do NX (4,64 m) e do RX (4,89 m). O compacto com 4,64 m, 5 portas e 5 lugares privilegia mais do que o normal a dinâmica na condução, aproximando-se do comportamento das berlinas e distanciando-se q.b. do comportamento tão típico do formato, sobretudo em curva, por não apresentar quaisquer fragilidades importantes nas transferências de massa – logo, sem rolamentos da carroçaria penalizadores para a agilidade e a segurança! – e dispor de direção suficientemente direta, precisa e rápida, além de centro de gravidade (muito!) mais baixo do que o norma. Porém, como muitos fãs da categoria gostam de sentar-se em posição sobrelevada, permite-se regulação maior em altura do banco. A Lexus trabalhou, ainda, na otimização do peso e da rigidez, combinando materiais como aço, alumínio e plástico. Foi bem-sucedida.

Bom inimigo do ótimo

O posicionamento premium explica a qualidade acima da média do habitáculo, entre os materiais e os acabamentos – nas versões mais equipadas, o painel apresenta-se revestido a pele e tem pespontos realizados manualmente, segundo as práticas dos melhores artesãos nipónicos. A consola encontra-se orientada para o condutor, que tem todos os comandos fundamentais no volante ou ao alcance da mão, incluindo entre os bancos dianteiros – aqui, estão os módulos da navegação e do rádio. O monitor do sistema multimédia, na versão de topo, tem 10,3’’ e, contrariando as tendências da moda, não possui comandos gestuais, táteis ou vocais.

O equipamento é muito abundante, com tecnologia LED para todas as funções da iluminação, tanto à frente, como atrás. Entre os elementos diferenciadores, observando-se a traseira, faixa longitudinal com 120 díodos eletroluminiscentes, elemento que simula o «amanhecer novo» da Lexus – ou a importância do compacto para o futuro próximo da divisão de luxo da Toyota. Nas versões de topo, de série ou opcionalmente, 2.ª geração do Lexus Safety System +, que inclui travagem automática de emergência (reconhece ciclistas e peões), regulador de velocidade ativo, alerta de transposição involuntária da faixa de rodagem, reconhecimento de sinais, ativação dos médios e dos máximos e projetor de informações (Head-Up Display).

No entanto, como o bom é inimigo do ótimo, existem fraquezas. Destacamos duas: a mala é pequena – situação mais grave nas versões com quatro rodas motrizes, com a eletrificação do eixo posterior a refletir-se, negativamente, na capacidade do compartimento... –, e os ocupantes dos bancos traseiros encontram pouco espaço em comprimento (pernas) e largura (ancas e ombros).

Carregamento automático

No mercado nacional, UX com a 4.ª geração da tecnologia híbrida da Lexus. O sistema não admite carregamento externo da bateria de hidretos metálicos de níquel – não têm as mesmas características das de iões de lítio –, mas recupera energia q.b. durante as desacelerações e travagens, ou socorrendo-se da mecânica de combustão e permite conduzir de forma elétrica em muitas condições do quotidiano, até 115 km/h, pisando o acelerador com suavidade.

No UX 250h, variante otimizada do 2.0 Hybrid da geração nova do Toyota Corolla. O sistema associa 2.0 a gasolina (152 cv) a motor elétrico (109 cv) e caixa automática de variação contínua, com funcionamento muito melhorado – perdeu-se, finalmente, a sensação de falta de relação entre o regime de rotação do motor e a velocidade do automóvel, que não só originava desconforto, como irritava os condutores. Complementarmente, em patilhas no volante ou deslocando o seletor para a esquerda, para a posição «S», possibilidade de atuar, diretamente, na capacidade de retenção do motor, em seis etapas, ação que proporciona uma sensação de passagem de caixa semelhante à de uma transmissão manual.

O rendimento total do sistema é de 184 cv, mas a eficiência impressiona mais do que as performances, que não representam o nível de potência, mesmo sublinhando-se o poder de aceleração: 0-100 km/h em 8,5 s. Para a versão com tração dianteira, reivindica-se consumo médio de 4,1 l/100 km, calculado de acordo com a fórmula de homologação nova (WLTP), o que equivale a 96 g/km de emissões de CO2.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

LEXUS UX

250h

Motor térmico
Arquitetura 4 cilindros em linha
Capacidade 1987 cc
Alimentação Injeção mista (direta/indireta)
Distribuição 2 a.c.c./16v
Potência 152 cv/6000 rpm
Binário 190 Nm/4400-5200 rpm
Motor elétrico
Tipo Síncrono
Potência 109 cv/80 kW
Binário 202
Bateria Hidreto metálico de níquel
Capacidade da bateria 1,59 kWh
Módulo Híbrido
Potência 184 cv/135 kW
Binário -
Transmissão
Tração Dianteira
Caixa de velocidades Automática, variação contínua
Chassis
Suspensão F Ind. McPherson
Suspensão T Eixo multibraços
Travões F/T Discos ventilados/Discos
Direção/Diâmetro de viragem Elétrica/10,4 m
Dimensões e Capacidades
Compr./Largura/Altura 4,495/1,840/1,540 m
Distância entre eixos 2,64m
Mala 320 litros
Depósito de combustível 43 litros
Pneus F 6,5jx17-215/60 R17
Pneus T 6,5jx17-215/60 R17
Peso 1625 kg
Relação peso/potência 8,83 kg/cv
Prestações e consumos oficiais
Vel. máxima 177 km/h
Acel. 0-100 km/h 8,5 s
Consumo médio 4,1 l/100 km
Emissões de CO2 96 g/km
Garantias/Manutenção
Mecânica -
Pintura/Corrosão -
Intervalos entre revisões -
Imposto de circulação (IUC) -

Conte-nos a sua opinião 0

Apresentação