Honda CB500 X

Aventura de todos os dias

Motos- Apresentações

Por Paulo Ribeiro 01-06-2019 21:30

A história de enorme sucesso em todo o mundo, com mais de 70 mil unidades vendidas desde 2013, justifica-se, essencialmente, pela simplicidade da família CB500. Atributo que, por seu turno, garante facilidade de condução, economia na aquisição e manutenção, sem reduzir elevado grau de eficácia capaz de surpreender até os mais experientes motociclistas. Fórmula de sucesso que a Honda consolidou na 3ª geração da CB500 X, apenas refinando motor e ciclística rumo ao reforço de posição entre as mais adequadas à condução com a carta A2, conseguida depois de 2 anos a conduzir as 125 cc.

Mudança maior, bem visível desde o primeiro olhar, o crescimento da roda dianteira, de 17 para 19 polegadas, a que se soma maior curso da forqueta, é importante reforço do chamamento aventureiro. Sobretudo em fora de estrada, mesmo se proporcionou, também e ao contrário do que seria expetável, maior suavidade na condução nas curvilíneas estradas da ilha canária de Tenerife, mas sem perder pitada da agilidade, em boa parte graças ao novo guiador, de diâmetro variável e mais largo. Que ajuda muito no light off-road, very light mesmo!, tal como ajuda o curso acrescido da suspensão. Cuja sensação de transferência de massas superior na travagem e aceleração apenas é notória na comparação direta com as irmãs CB500 F e a desportiva CBR500 R. Nada de incomodativo, portanto, mesmo na condução mais aguerrida, onde os Dunlop Trailmax Mixtour revelaram excelente comportamento apesar do perfil de relevo mais pronunciado que permite deixar o asfalto rumo aos estradões não asfaltados… mas de piso razoável. Que esta não é uma trail, tão pouco endurista, mas não é moça de ficar sozinha especada na borda de estrada quando o asfalto termina.

Até porque a boa posição de condução, evidenciada tanto em cidade como em estrada, continua nos caminhos de terra, onde rolar sentado é confortável para os menos experientes, sendo a mais aconselhada condução em pé facilitada pelo perfil do banco e depósito. Além da posição e largura do guiador, que permite atitude relaxada e condução descontraída, numa moto que pode ser agradável e surpreendentemente rápida.

Reforço de pretensões embrulhado em retocada estética que, sem rejeitar imagem da anterior versão, viu todos os plásticos reformulados, oferecendo impressão de elegância acrescida, de assumida inspiração na best-seller Africa Twin, complementada com para brisas de maior dimensão. Acrescida proteção aerodinâmica que amplia conforto a bordo em modelo de boa ergonomia, com posição de condução de costas mais direitas, para utilizadores de todos os tamanhos, com as pernas a encaixarem na perfeição em depósito de capacidade aumentada. Tanto mais que o banco adelgaçado permite maior liberdade de movimentos, sobretudo na condução de pé, ajudando ainda a chegar mais facilmente com os pés ao chão apesar da maior distância livre do motor ao solo. Fatores importantes mesmo em uso urbano, onde as paragens no trânsito ou a necessidade de galgar um ou outro passeio são uma constante.

Palco urbano onde sobressai a grande suavidade do bicilíndrico nas baixas rotações, com atitude reforçada entre as 3000 e 7000 rotações por minuto graças às mudanças na admissão de ar (tomadas de ar mais diretas e caixa de filtro de maior volume), na abertura das válvulas e no escape, agora com duas saídas. Motor ainda mais simpático a médias rotações, de grande sensibilidade e facilidade de controlo em aceleração, mas que não desilude quando se coloca mais entusiasmo na condução. Subidas de rotação rápidas em aceleração que permitem aumentar a adrenalina (ok, sem esquecer que se trata de uma 500 cc de com menos de 50 cv…) sempre ajudadas por caixa de velocidades extremamente precisa e silenciosa devido, dizem os técnicos nipónicos, aos novos dentes de encaixe dos carretos. Caixa que, quando se quer tirar partido de todas as capacidades ciclísticas, é bem apoiada pela embraiagem assistida facilmente utilizável com apenas um dedo. Embraiagem deslizante – naquela que é a mais pequena das Honda com este sistema… – que encaixa sem queixumes as reduções mais agressivas, evitando inesperados bloqueios da roda traseira. Tal como o ABS numa travagem de nível bem aceitável, bastante progressiva e com potência suficiente quando se aperta a manete direita (regulável) com determinação.

Com entrega de potência e binário forte e muito constante ao longo de toda a rotação, esta crossover de média cilindrada e espírito aventureiro, revelou muita agilidade, com impressionante facilidade na colocação em curva e estabilidade inabalável. Utilitária por excelência, prática em cidade e confortável em estrada, a Honda CB500 X, já disponível em vermelho, branco pérola e preto mate, destaca-se ainda pelos consumos contidos, sempre abaixo dos 4 L/100 km mesmo numa utilização rápida em todo o tipo de ambientes.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

HONDA CB500

X

Motor
Capacidade 471 cc
Potência 47 cv/8600 rpm
Binário 43 Nm/6500 rpm
Transmissão
Tipo Bicilíndrico paralelo, 4 Tempos
Ciclística
Quadro Tipo diamante, em tubos de aço
Suspensão F Forqueta telescópica diam. 41 mm, curso 150 mm. Regulável em pré-carga
Suspensão T Sistema Pro-Link com mono amortecedor regulável em 9 posições de pré-carga, curso 135 mm
Travões F Disco de 320 mm, pinças de 2 pistões. ABS
Travões T Disco de 240 mm, pinça de pistão simples. ABS
Dimensões e Capacidades
Altura do assento 830 mm
Depósito de combustível 17,7 litros
Peso 197 kg
Relação peso/potência 4,19 kg/cv
Consumo médio 3,6 l/100km
Preço
Preço 6 850 €

Conte-nos a sua opinião 0

Motos- Apresentações