Ducati Multistrada 1260 Enduro

Multifunções

Motos- Apresentações

Por Paulo Ribeiro 30-03-2019 18:25

Aventureiras por natureza, capazes de despertar os mais ousados sonhos de evasão, as maxi-trails estão cada vez maiores e intimidantes, mas paradoxalmente, também mais eficazes e amigáveis. A eletrónica ajuda a domar potências dignas de superbikes, garantindo condução mais acessível para todos, mas sem roubar prazer de condução. Mesmo aos mais experientes, capazes de explorar todo o potencial, verdadeiramente brutal, de motos como a Ducati Multistrada 1260 Enduro, nas mais reviradas estradinhas de montanha como em fora de estrada. Mas que não dispensam a serenidade para desfrutar as mais longas viagens e gostam da facilidade em ambiente urbano. ‘Pau para toda a obra’ em versão revista e aumentada, com motor Testastretta, de acrescida cilindrada à custa do maior curso dos pistões e sistema de distribuição variável DVT, que é ponto de partida para fortíssima experiência sensorial em quilómetros de diversão absoluta.

A começar pela cidade onde o modo Urban transforma o garboso leão em afável gatinho, com entrega de potência praticamente desde o ‘ponto zero’, conduzindo quase ao ralenti mas sem solavancos e sem roubar o marcante timbre metálico do bicilíndrico. Com a parafernália de apoios eletrónicos a trabalhar no nível máximo de intervenção (ABS, controlo de tração e anti-wheeling) a suavidade é ampliada pela regulação do amortecimento no nível (2) mais macio. Esqueçamos a altura do banco ao solo que, apesar de reduzida face à anterior Multistrada 1200, continua própria para condutores com mais de metro e oitenta e até algum calor libertado pelo motor que pode incomodar nos dias mais quentes – que não por esta altura! – e esta é uma proposta não só aceitável como quase recomendável para o dia-a-dia urbano. Momento para apreciar as acelerações suaves, a agradável posição de condução oferecedora de excelente campo de visão, o bom tato dos completos e intuitivos comandos ou a boa visibilidade à retaguarda oferecida pelos aerodinâmicos retrovisores. Além de uma suspensão que absorve na perfeição as irregularidades do piso empedrado, dos desnivelados trilhos dos elétricos e das passadeiras alteadas.

Mas deixemos para trás a inusitada facilidade e conforto oferecidos em cidade e aproveitemos para desfrutar a estrada aberta, numa viagem longa e serena. Mude-se para o modo Touring que endurece a suspensão e reduz a intervenção dos controlos de tração e anti-wheeling ao mesmo tempo que garante maior vivacidade do motor. Suba-se o ecrã, de forma fácil com a mão esquerda, e note-se a sensível melhoria da já boa proteção aerodinâmica à cabeça e tronco, reforçando a defesa oferecida pelo largo depósito às pernas. Tudo a postos para encarar as mais longas tiradas sem problemas de fadiga ou desconforto, parando apenas para reabastecer ao fim de mais de 400 quilómetros, com médias de 6.5 L/100 km em autoestrada. O bem-estar a bordo é sublinhado pelo reduzidíssimo nível de vibrações – não esquecer que estamos a falar de um V2… – e sempre acompanhado pela mais recente Evolution do sistema de amortecimento semiativo Skyhook da completamente renovada suspensão.

Claro que há estradas onde é impossível manter a serenidade absoluta, onde as curvas e o bom asfalto despertam os mais divertidos instintos, onde o prazer de condução pode ser elevado aos píncaros, em momentos de diversão altamente receitados por qualquer médico que preze o bem-estar do paciente/motociclista. O polegar direito muda facilmente para a configuração Sport e, depois de cortar gás para que o sistema assuma as novas especificações… o Universo ganha outra dimensão. Os 158 cavalos passam de trote a galope num piscar de olhos, saltando, literalmente, de curva em curva. Tudo se passa muito mais depressa e convém dosear a abertura do acelerador sob pena de ver a roda dianteira descolar ao sair de forma mais afoita de uma qualquer viragem em 2.ª ou mesmo 3.ª velocidade. É que, com a pré-carga da mola no valor máximo e com o Ducati Wheelie Control desligado, as figuras de estilo acontecem de forma natural, no momento em que nos apercebemos do significado do recentramento de massas e da redução de peso das rodas (2 kg), além do encurtamento das relações da caixa de velocidades. Componente que viu o tato metálico herdado da competição e a agressividade da embraiagem a seco absorvidos pelo eficaz sistema Quick-Shift que torna as mudanças extremamente rápidas e precisas.

Momentos de gozo supremo que podem continuar quando o asfalto termina. Sim, porque é possível transformar um monstro que em ordem de marcha pesa 254 kg numa (quase…) ágil endurista. Sem exageros trializantes, o modo Enduro permite surpreendentes aventuras off-road, dispensando quase todas as ajudas eletrónicas – o ABS atua apenas na roda dianteira e o DTC tem intervenção mínima… – e oferecendo motor mais cheio nos regimes intermédios, limitando potência máxima a mais que suficientes 100 cv. Claro que, para um uso mais intenso, é de todo aconselhável a adoção de pneus com perfil adequado, podendo os excelentes estradistas Pirelli Scorpion Trail II ser substituídos nas jantes tubeless pelos também homologados Scorpion Rally. Aí sim, será possível aproveitar a cuidada ergonomia que permite fácil condução em pé, com grande liberdade de movimentos graças ao perfil estreito na ligação banco/depósito e guiador de acertadas dimensões. E se, num primeiro momento parece demasiado largo e alto, sobretudo nas mais longas tiradas em autoestrada, acaba por justificar plenamente a dimensão nas estradinhas mais reviradas trabalhosas como, sobretudo, em utilização mais campestre.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

DUCATI MULTISTRADA

1260 ENDURO

Motor
Capacidade 1262 cc
Potência 158 cv/9500 rpm
Binário 129,5 Nm/7500 rpm
Transmissão
Tipo 2 cilindros em L, 4 Tempos
Ciclística
Quadro Treliça em tubos de aço
Suspensão F Forqueta invertida Sachs diam. 48 mm, curso 185 mm. Regulação eletrónica
Suspensão T Mono amortecedor Sachs, curso 185 mm. Regulação eletrónica
Travões F Dois discos de 320 mm, pinças Brembo monobloco radiais de 4 pistões. ABS Bosch MP9.1 com função ‘cornering’
Travões T Disco 265 mm, pinça Brembo de 2 pistões. ABS Bosch MP9.1 com função ‘cornering’
Dimensões e Capacidades
Altura do assento 860 mm
Depósito de combustível 30 litros
Peso 225 kg
Relação peso/potência 1,42 kg/cv
Consumo médio 5,5 l/100km
Preço
Preço 21 045 €

Conte-nos a sua opinião 0

Motos- Apresentações