Benelli Leoncino Trail

Leoncino ganha imagem de scrambler e versatilidade reforçada

Motos- Apresentações

Por Paulo Ribeiro 23-12-2018 18:10

Fotos: ASF

Mantendo simplicidade, estética e mecânica, que fomentou enorme sucesso da versão dita de base, a Benelli junta proposta Trail à gama Leoncino, reforçando aposta na estética de inspiração vintage aliada a moderna tecnologia. A imagem, de grande simplicidade de linhas, relembra vocação urbana, com peso e volume centrado no conjunto depósito/motor, para rematar em secção traseira muito curta e leve, com guarda-lamas junto à roda. Solução que permite cumprir a legislação, acentuando imagem de modernidade. Tal como os bem cuidados pormenores, do marcante farol dianteiro em LED (tal como o traseiro e os piscas) às pinças radiais com marca da casa, painel digital, assinatura na abertura do depósito de gasolina e chave retrátil. E mesmo se surgem pormenores como a manete de embraiagem (por cabo) sem regulação e muito longe do punho, a profusão de cabos na parte frontal ou o acabamento de algumas soldaduras, não deixa de ser bastante positiva a nota geral.

De nível elevado também o conforto do banco e posição de condução, de facilidade condizente com todo o conjunto, com as pernas descontraídas e braços a encontrarem sem dificuldade o largo guiador de perfil quase plano, deixando as costas direitas para melhor visibilidade e maior controlo da dianteira. E que, nas incursões em alguns caminhos de terra ou nas mais divertidas irreverências urbanas, facilita a condução endurista, de pé, com bom apoio dos pés e linhas esguias do depósito a permitirem bom encaixe dos joelhos. Aqui chegados, nota para a maior facilidade de condução garantida ( à outra Leoncino) pela maior altura da secção dianteira, minimizando efeitos do reduzido ângulo da forqueta, com reflexos nas manobras mais curtas e brecagem, facilitando negociações com o trânsito mais intenso. Posição de condução que resulta melhor em cidade mesmo se a acrescida altura do banco ao solo (+50 mm) torna ligeiramente mais complicada a colocação dos pés no solo aos condutores baixo do metro e 70, mas que, por outro lado, permite tirar máximo partido da enorme rapidez de reação e vivacidade do muito incisivo trem dianteiro.

Comportamento limado pela suspensão de curso acrescido, regulável, que permite enfrentar, sem o mínimo stress, caminhos de terra ou as ruas mais esburacadas, mas com rigidez suficiente para manter ritmos interessantes em estrada sem sensações bamboleantes. E ajudando a tirar todo o partido dos Metzeler Tourance, pneus de perfil trail com bom comportamento em asfalto e capazes de atrevidas brincadeiras no off-road como na mais radical utilização citadina. Irreverência reforçada com a possibilidade de desligar o ABS, de forma muito simples, em sistema de travagem que mostrou grande potência ao apertar de forma decidida a manete direita. Mas com progressividade e tato que poderiam ser melhorados para facilitar a vida aos recém-chegados a este patamar através da carta A2, para poderem extrair máximo partido da enorme capacidade de desaceleração proporcionado pelos discos de generoso diâmetro.

Travagem bem apoiada na simplicidade do elemento posterior em resultado, uma vez mais, positivo, de comportamento geral equilibrado, sensação que continua no motor. Bloco de caráter marcado pela ordem de ignição dos dois cilindros a 360.º, bem dentro do espírito do segmento, e que se destaca pela enorme elasticidade e funcionamento de grande suavidade. Patente na possibilidade de, sem mudar de relação da bem escalonada caixa de velocidades, poder ‘sair da traseira’ de um automóvel mais lento em 4ª, a cerca de 35 km/h, e ultrapassá-lo facilmente sem necessidade de reduzir, acelerando depois até mais de 100 km. Ou, em 6.ª, variar, sem solavancos ou hesitações, dos 45/50 km/h até perto dos 170 km/h de velocidade máxima anunciada, única altura em que o motor deixar escapar algumas (poucas) vibrações. Comportamento agradável sublinhado pela sonoridade oferecida pelo escape, de timbre grave e poderoso, parecendo mesmo saída de motor de maior cilindrada.

Ler Mais

Ficha Técnica

Caracteristicas

BENELLI LEONCINO

Trail

Motor
Capacidade 499 cc
Potência 47,6 cv/8500 rpm
Binário 46 Nm/6000 rpm
Transmissão
Tipo Dois cilindros paralelos, 4 Tempos
Ciclística
Quadro Estrutura em tubos em aço
Suspensão F Forqueta tele hidráulica invertida, diâmetro 50 mm, curso 135 mm. Regulável em extensão
Suspensão T Mono amortecedor regulável em pré-carga e extensão, curso 138 mm.
Travões F Dois discos de 320 mm, pinça radial de 4 pistões ABS desconectável
Travões T Disco de 260 mm, pinça de 1 pistão. ABS desconectável
Dimensões e Capacidades
Altura do assento 835 mm
Depósito de combustível 12,7 litros
Peso 207 kg
Relação peso/potência 4,38 kg/cv
Consumo médio 4,3 l/100km
Preço
Preço 6 480 €

Conte-nos a sua opinião 0

Motos- Apresentações